Cuiabá, Terça-Feira, 18 de Dezembro de 2018
EX-JUÍZA
13.06.2018 | 11h31 Tamanho do texto A- A+

Zeca diz que escolta é "conluio político"; WS cita perigo de morte

Deputados discutiram durante sessão nesta quarta e tucano lembrou caso de vereadora assassinada no Rio

Marcus Mesquita/MidiaNews

Os deputados Zeca Viana e Wilson Santos: discussão em plenário

CAMILA RIBEIRO E DOUGLAS TRIELLI
DA REDAÇÃO

Os deputados estaduais Zeca Viana (PDT) e Wilson Santos (PSDB) travaram uma discussão, na manhã desta quarta-feira (13), na sessão da Assembleia Legislativa. O motivo foi a decisão do Governo em conceder escolta armada à ex-juíza Selma Arruda (PSL).

 

O governador Pedro Taques (PSDB) determinou que a Casa Militar providencie a escolta, após pedido de Selma, diante da decisão do Tribunal de Justiça (TJ-MT) ter suspenso, por completo, a segurança dela. 

 

Na avaliação de Zeca, a decisão tem viés eleitoral já que Selma é uma das pré-candidatas ao Senado, nas eleições deste ano. Para o deputado, esta seria uma forma de Taques tentar atrair a juíza para seu palanque.

 

Isso está cheirando um conluio político para que ela venha a ficar junto com esse governador irresponsável

“Isso está cheirando um conluio político para que ela fique junto com esse governador irresponsável. O governador tem que atender a população do Estado, e não juiz aposentado”, disse. 

 

“O Tribunal de Justiça já disse que ela não tem necessidade de escolta. Agora o Governo faz isso. Onde que o governador está com a cabeça? Escolta para garantir segurança de ex-juíza, só porque ela quer ser política? Negativo. Ele está, no mínimo, equivocado”, afirmou.

 

Zeca citou que Selma tem um alto salário e sugeriu que ela arque com as despesas de sua segurança.

 

“Recentemente, no Distrito de São Jose do Povo, houve uma chacina, metralharam um pai de família e eu pedi para o comandante-regional de Água Boa para que mandasse policial pra lá. Pedi para o comandante-geral da PM; e não tem policial. Ela ganha muito bem e ela, se quiser andar com segurança, que pague pela segurança dela”, afirmou.

 

“Assassinada em qualquer esquina”

 

O deputado Wilson Santos ressaltou o trabalho da ex-juíza, responsável pela prisão de uma série de políticos envolvidos em esquemas de corrupção, como o ex-governador Silval Barbosa, além de membros do organizações criminosas, como o Comando Vermelho.

 

Há três meses, uma vereadora do Rio de Janeiro foi assassinada e ninguém sabe até hoje quem mandou matar. Esse episódio não pode se repetir em Mato Grosso.

“A decisão do governador não foi nenhum gesto de afronta ao Poder Judiciário. Selma é um exemplo nesse país. Esta mulher colocou o ex-governador Silval Barbosa na cadeia. Ela precisa, sim, de escolta, porque continua recebendo ameaças. Ela enfrentou tubarões, barões, enfrentou gigantes do crime da corrupção em Mato Grosso”, disse.

 

“Vamos deixar essa mulher absolutamente abandonada, sozinha, sob risco de vir a sofrer um atentado? Sabemos com quem ela mexeu, os interesses de quem ela contrariou. O que o governador fez foi garantir a essa mulher, hoje aposentada, o direito constitucional de ter resguardada sua segurança individual e familiar”, acrescentou.

 

Ele citou ainda o caso da vereadora Marielle Franco, assassinada em março deste ano, no Rio de Janeiro.

 

“A juíza Selma pode ser assassinada em qualquer esquina desse Estado. Há três meses, uma vereadora do Rio de Janeiro foi assassinada e ninguém sabe quem mandou matar. Esse episódio não pode se repetir em Mato Grosso. Depois, não adianta fazer moção de pesar e lamentar o assassinato de uma guerreira”.

 

“Bandidagem a solta”

 

O deputado Zeca Viana voltou à tribuna e disparou críticas contra o Governo Taques.

 

Ele afirmou que, se é para garantir escolta a Selma, que se conceda segurança também ao desembargador José Zuqium, que recentemente determinou a prisão de pessoas ligadas ao governador, como seus primos Pedro Zamar Taques e o ex-secretário Paulo Taques.

 

“Quero oferecer segurança pro Zuquim também, que está prendendo a bandidagem ligada a Pedro Taques. Se a Selma prendeu bandidos, outros também estão prendendo. A Justiça continua fazendo a parte dela”, disse.

 

Zeca afirmou ainda que de nada adianta o Governo colocar policiais nas ruas e não dar a eles condições de trabalho.

 

“Não adianta contratar 4 mil homens se os carros estão parados nas ruas por falta de gasolina. Se eles não podem ir pra cidades porque não tem diária. Não adianta encher a casa e não dar estrutura pra trabalhar. Precisamos dar estrutura. Contratasse dois mil, mas desse condições pra trabalhar”.

 

Leia mais sobre assunto:

 

Após TJ suspender, Taques concede escolta armada à ex-juíza

 

Juíza pede manutenção de escolta em razão de ameaças; TJ avalia

 

Selma revela que recebeu ameaça 15 dias antes de se aposentar

 

TJ aguarda dados da inteligência para reavaliar escolta de Selma

 




Clique aqui e faça seu comentário


COMENTÁRIOS
7 Comentário(s).

COMENTE
Nome:
E-Mail:
Dados opcionais:
Comentário:
Marque "Não sou um robô:"
ATENÇÃO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do MidiaNews. Comentários ofensivos, que violem a lei ou o direito de terceiros, serão vetados pelo moderador.

FECHAR

Graci Ourives de Miranda  13.06.18 23h47
Mas, vamos ser justos, Dra. Selma Arruda é dez: caráter/ moral. Graci Ourives de Miranda
13
19
Benedito costa  13.06.18 19h21
Não vejo a ex juíza em risco de ameaças de morte. Ela não é mais juíza, portanto quem ela condenou deve ta cumprindo pena e quem ela deixou de condenar, algum outro juíz, quem vai condenar ou não em substituição a ela.
14
9
Gustavo  13.06.18 17h02
Ela tem que ter escolta mesmo. Prendeu e condenou pessoas "poderosas". Portanto, penso que ela deve ter escolta sim. Se coloquem no lugar dela.
45
55
felipe  13.06.18 14h36
felipe, seu comentário foi vetado por conter expressões agressivas, ofensas e/ou denúncias sem provas
Rosilene Borba  13.06.18 14h30
Parabéns ao Governador que com elegância e comprometimento com a classe trabalhadora, colocou segurança à Juíza Selma. Papel do Judiciário.
49
77