ENQUETES

Com mais esse escândalo, você acha que Temer deve renunciar?

PUBLICIDADE

Política / CPI
19.04.2017 | 13h00
Tamanho do texto A- A+

WS desiste de mudar relatório e nega prejuízo em acordo com consórcio

Tucano mudou de posição após reuniões com colegas parlamentares na tarde de terça-feira (18)

Marcus Mesquita/MidiaNews

Clique para ampliar

O deputado estadual Wilson Santos, que desistiu de mudar relatório de CPI

DOUGLAS TRIELLI
DA REDAÇÃO

O deputado estadual Wilson Santos (PSDB) afirmou ter desistido de propor alterações no relatório final da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) das Obras da Copa do Mundo de 2014.

Na semana passada, o tucano deixou, temporariamente, o comando da Secretaria de Cidades para alterar pontos do documento da CPI que poderiam prejudicar o acordo fechado com o Consórcio VLT para a retomada das obras do modal, no valor de R$ 922 milhões.

Segundo Wilson, a mudança de posição é resultado de reuniões internas com os colegas parlamentares.

As irregularidades que a CPI aponta não foram feitas na Gestão Taques, mas, sim, na gestão anterior. Nós não conseguimos tocar um centímetro do VLT


"Nós tivemos uma reunião ontem [18] no Colégio de Líderes e o presidente, Eduardo Botelho, os deputados Zeca Viana, Oscar Bezerra e vários outros colegas colocaram que não admitem mudar uma vírgula do relatório. E o Governo também não admite. Então, queremos votar o relatório da forma que está", disse Wilson em conversa com a imprensa, na manhã desta quarta-feira (19).

O tucano disse ter lido todo o relatório na última terça-feira. Ele acredita que a aprovação não irá prejudicar a retomada das obras.

"Já conhecemos o relatório. Trabalhamos essa madrugada até às 3 horas. Foi nos dado 10 horas para conhecer, conhecemos, concordamos e vamos votar", disse.

"Não irá atrapalhar em nada. Essa é a opinião da comissão, a nossa está no termo de acordo. As irregularidades que a CPI aponta não foram feitas na Gestão Taques, mas, sim, na gestão anterior. Nós não conseguimos tocar um centímetro do VLT", completou.

Mal-estar

O retorno de Wilson ao Legislativo gerou um mal-estar entre os parlamentares.

O presidente da CPI das Obras da Copa, Oscar Bezerra (PSB), foi quem mais criticou. Disse que o retorno do tucano desqualificava o Parlamento.

Ele também se negou a fazer qualquer alteração no relatório final da comissão.

Outro que criticou foi o suplente Jajah Neves (PSDB), que teve que deixar as atividades. Jajah afirmou que ficou sabendo do retorno pela imprensa e que faltou "comunicação".

 

Leia mais sobre o assunto:

 

Oscar: “Volta de WS desqualifica AL; não mudaremos relatório”

 

Wilson retorna à AL e quer mudar pontos de relatório final

 

Jajah critica retorno de Wilson e diz que faltou “comunicação”




Clique aqui e faça seu comentário


4 Comentário(s).

COMENTE
Nome:
E-Mail:
Dados opcionais:
Comentário:
Marque "Não sou um robô:"
ATENÇÃO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do MidiaNews. Comentários ofensivos, que violem a lei ou o direito de terceiros, serão vetados pelo moderador.

FECHAR

Paul  20.04.17 12h26
Marcinha, lindinha: Primeiro, VLT não e um trem. Não tem vagões. Você pode citar alguma das mais de 100 cidades pelo mundo com VLT onde uma linha permanente em construção foi desmontada? Já fez as continhas quanto vai custar os trabalhos de desmonte dessa estrutura? Você vai quebrar o que já está pronto e vender as unidades? Para quem, lindinha? Pare de surfar na maionese, garota!
0
0
Marcia   20.04.17 06h55
Por que estão insistindo no vlt,ao invés de retornar essa bagunça que não vai levar a lugar algum e só gastar mais alguns milhões, não vendem esses vagões, ampliam as avenidas, melhoram o asfalto e comprem ônibus decente para a capital e várzea grande.
9
2
Lucas  19.04.17 14h28
A exoneração do Wilson, da SECID, não saiu no Diário Oficial. Como retomar o cargo de deputado estando no cargo de secretário. ISSO PODE, ARNALDO?
34
5
Silvio  19.04.17 13h33
Que bagunça
30
3

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

1999-2017 MidiaNews - Credibilidade em Tempo Real - Tel.: (65) 3027-5770 - Todos os direitos reservados