ENQUETES

Você já decidiu em quais candidatos irá votar nestas eleições?

PUBLICIDADE

Política / FUNDO FISCAL
14.03.2018 | 11h01
Tamanho do texto A- A+

Taques: "Diálogo tem que terminar depois que ficarmos roucos"

Governador cita recuperação da economia e diz ter apoio de diversos setores para projeto

Alair Ribeiro/MidiaNews

Clique para ampliar

O governador Pedro Taques: sem pressa para fundo

DOUGLAS TRIELLI E CAMILA RIBEIRO
DA REDAÇÃO

O governador Pedro Taques (PSDB) disse não ter pressa para concluir as negociações com os diversos setores que podem aderir ao Fundo Emergencial de Estabilidade Fiscal (FEEF).

 

Segundo ele, ainda não há data para enviar o projeto para votação na Assembleia Legislativa.

 

“Tenho uma reunião com o secretário [de Fazenda] Rogério Gallo para ver como ficou da sexta-feira para cá. Para que possamos avançar. Não estou com pressa para concluir. Nós precisamos debater o tema”, disse.

 

Até o momento, as contribuições confirmadas são de empresas beneficiadas com incentivo fiscal e do setor frigorífico. Taques disse que diversos setores concordaram com a ajuda.

 

Vamos deixar a crise para trás e trabalhar. O fundo será apresentado após esses diálogos que estamos fazendo

Taques negou que haja resistência dos setores para aderir ao projeto. O agronegócio e os Poderes do Estado, por exemplo, já se colocaram contra a medida.

 

“Nós temos várias entidades que já concordaram com o Fundo, por exemplo, o atacadista, material para construção, álcool, frigorífico. São várias entidades que concordaram. O diálogo tem que terminar depois que nós ficarmos roucos. Estamos conversando com os vários setores para que isso possa ser resolvido”, disse.

 

“Neste momento, Mato Grosso tem aumentado a arrecadação. Tanto é que pagamos o Bank of America, pagamos os servidores rigorosamente em dia para que possamos superar este momento de crise. Vamos deixar a crise para trás e trabalhar. O fundo será apresentado após esses diálogos que estamos fazendo”, afirmou.

 

O fundo

 

Em tese, o Fundo de Estabilização Fiscal é um mecanismo que permite ao Governo retirar recursos de uma determinada área para usar em outra.

 

A medida é vista como “imprescindível” pelo Executivo, uma vez que os recursos da Fonte 100 do Estado não dão sequer para fazer o pagamento aos Municípios, duodécimos aos Poderes e salário dos servidores.

 

Leia mais sobre o assunto:

 

Blairo critica taxação do agronegócio e prevê resistência a Fundo

 

"Ajuda de Poderes a fundo depende da economia de cada um"

 

Governo deve R$ 90 mi ao MPE, que não deve contribuir com fundo

 

Governo do Estado diz que frigoríficos apoiam criação de fundo

 

Novo fundo do Executivo terá R$ 500 mi em um ano, diz Taques

 

Sefaz cita déficit de R$ 3 bi e diz: sem medida, hospitais fecham

 

Taques projeta cenário sombrio e propõe fundo contra crise

 




Clique aqui e faça seu comentário


2 Comentário(s).

COMENTE
Nome:
E-Mail:
Dados opcionais:
Comentário:
Marque "Não sou um robô:"
ATENÇÃO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do MidiaNews. Comentários ofensivos, que violem a lei ou o direito de terceiros, serão vetados pelo moderador.

FECHAR

ANA  14.03.18 14h05
CRISE!!!???????????????? MAS E A ARRECADAÇÃO RECORDE DO ESTADO???????????????????????????
15
1
Albanir berigo  14.03.18 13h22
Muito bem governador; confiamos na sua administração e competência
1
16
1999-2018 MidiaNews - Credibilidade em Tempo Real - Tel.: (65) 3027-5770 - Todos os direitos reservados

Ver em: Celular - Web