ENQUETES

O que você achou da eliminação da seleção brasileira da Copa da Rússia?

PUBLICIDADE

Política / CHAPA DE WF
05.07.2018 | 10h04
Tamanho do texto A- A+

Selma descarta aliança com MDB: “Não vou vender minha alma”

Pré-candidata ao Senado se reuniu com Wellington Fagundes e pode recuar de candidatura

Alair Ribeiro/MidiaNews

Clique para ampliar

A pré-candidata ao Senado, Selma Arruma, que admitiu recuar de projeto

CAMILA RIBEIRO
DA REDAÇÃO

A ex-juíza e pré-candidata ao Senado, Selma Arruda (PSL), admitiu que poderá recuar do projeto caso seu partido entre numa aliança com o MDB.

 

Na quarta-feira (4), ela participou de uma reunião em Brasília com o pré-candidato ao Governo, senador Wellington Fagundes (PR), e demais membros do PSL. Na oportunidade, o republicano fez um convite para que o partido de Selma componha sua chapa.

 

A pré-candidata, no entanto, reiterou que tem restrições ao MDB, um dos principais aliados de Wellington.

 

A gente se coloca a disposição pra trabalhar a favor de Mato Grosso, mas não vou vender minha alma pra isso

“O senador Wellington argumentou com a gente no sentido de que o MDB é um partido muito grande, com todos os tipos de visões, de pessoas, um partido muito antigo e que não teria problema nenhum em convivermos. Mas eu continuo com minhas restrições, não me sentiria a vontade coligada com MDB”, disse Selma.

 

“Se houver imposição eu não compactuo e o meu projeto [candidatura ao Senado] fica por isso mesmo. A gente se coloca à disposição para trabalhar a favor de Mato Grosso, mas não vou vender minha alma pra isso”, acrescentou o ex-juíza.

 

As declarações foram dadas na manhã desta quinta-feira (5), durante entrevista à Rádio Capital FM.

 

Na ocasião, a ex-magistrada pontuou que caso se alie ao MDB ela estaria traindo suas convicções e entraria numa disputa com a “imagem maculada”.

 

“Na verdade, entrei nessa circunstância atraída pela ideologia do PSL, pela forma como o partido se comporta e principalmente por conta da conduta das pessoas com as quais eu convivo na sigla. Então é obvio que tenho que ter esse cuidado, essa fidelidade comigo mesma de não manter a candidatura caso venha acontecer uma coligação com a qual eu não esteja afinidade”, disse.

 

Aliança nacional

 

Selma Arruda lembrou que seu colega de sigla, o pré-candidato à presidência, Jair Bolsonaro costura uma aliança nacional com o PR, partido de Wellington Fagundes.

 

Há a possibilidade, segundo ela, de os republicanos indicarem o pastor e senador Magno Malta como vice de Bolsonaro.

 

Apesar da costura feita pela nacional, Selma disse que o partido deu liberdade para que seus filiados façam as melhores composições nos Estados.

 

“Ainda que essa aliança aconteça, falamos com o Bolsonaro e ele foi bastante claro conosco de deixar os Estados livres para comporem as coligações que forem mais adequadas e que fizerem melhor pra possibilitar mais pessoas eleitas no partido”, disse.

 

“O PSL está fazendo aquilo que o nosso dirigente maior nos orienta que é verificar qual a melhor situação para o partido”, acrescentou.

 




Clique aqui e faça seu comentário


1 Comentário(s).

COMENTE
Nome:
E-Mail:
Dados opcionais:
Comentário:
Marque "Não sou um robô:"
ATENÇÃO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do MidiaNews. Comentários ofensivos, que violem a lei ou o direito de terceiros, serão vetados pelo moderador.

FECHAR

Graci Ourives  05.07.18 21h47
Muito bem Dra Selma Arruda
6
0
1999-2018 MidiaNews - Credibilidade em Tempo Real - Tel.: (65) 3027-5770 - Todos os direitos reservados

Ver em: Celular - Web