ENQUETES

Como você vai gastar seu 13º salário?

PUBLICIDADE

Política / LOA
07.12.2017 | 08h50
Tamanho do texto A- A+

Relator aponta recurso irrisório para Defensoria e cobra investimentos

Deputado diz que o valor previsto para o órgão, R$ 141 milhões, é insuficiente e não atende demandas

Alair Ribeiro/MidiaNews

Clique para ampliar

O deputado de oposição Silvano Amaral, que é relator da LOA

DA REDAÇÃO

O deputado estadual Silvano Amaral (PMDB) criticou os recursos direcionados para a Defensoria Pública na Lei Orçamentária Anual (LOA) de 2018.

 

Segundo o peemedebista, que é relator da peça, a instituição deve receber R$ 141 milhões para arcar com suas despesas de pessoal, custeio e estrutura.

 

Para ele, o valor é "tímido" para atender a demanda de todas as comarcas onde existe a Defensoria. Ele ressaltou que a Defensoria, que atendia em 63 comarcas no estado, passou a atender em apenas 48 comarcas.

 

Com base no orçamento previsto, o subdefensor Márcio Dorilêo afirmou que é "impossível" uma reestruturação do órgão e um atendimento mais célere nas comarcas. Em dezembro do ano passado, 20 novos defensores foram convocados pelo estado, porém ainda falta a convocação de mais 55 defensores aprovados.

 

A peça original do governo prevê entre receita e despesa um orçamento líquido de R$ 20,233 milhões. Deste montante, está previsto o valor R$ 141.833,521 para a Defensoria Pública.

 

De acordo com a Defensoria Pública, seria necessário um orçamento de pelo menos R$ 200 mil para arcar com o quadro de funcionários, custeios e ainda convocar os 55 defensores aprovados no concurso realizado em 2015 e promover a reestruturação da pasta em todo o estado.

 

O relator do projeto defende um novo orçamento à pasta e ainda comparou o montante apontado na LOA, com o valor previsto para outros poderes, como o Ministério Público Estadual (MPE), por exemplo, que deve contar com um orçamento de quase meio milhão de reais, no ano que vem. Isto é, R$ 459.545,798.

 

“O repasse previsto à Defensoria é totalmente irrisório. Impossível avançar assim. Se considerarmos a crise, a má distribuição de renda e que a procura pela justiça gratuita aumentou nos últimos anos, é praticamente impossível trabalhar contando com apenas este recurso previsto. Não tem condições. Com este valor, não se consegue convocar nem mesmo os novos defensores”, observou o deputado Silvano Amaral.

 

Na opinião do relator, o governo precisa "investir e priorizar" a Defensoria, uma vez que é ela a responsável por prevenir crimes e conflitos.

É um serviço primordial, não tem que ficar à mercê da situação

Para ele, o recurso previsto, ou seja, R$ 141 milhões, compromete o serviço essencial utilizado pela população mais carente, uma vez que a Defensoria atua em 90% dos processos criminais e em 80% dos processos civis em Mato Grosso.

 

Silvano ainda defende que, se houver uma economia através da PEC do Teto de Gastos de R$ 700 milhões e readequação no repasse de orçamento para alguns Poderes, é possível também rever a situação da Defensoria.

 

“É um serviço primordial, não tem que ficar à mercê da situação. Como a Defensoria vai atuar e ajudar o cidadão se ela não tem recurso suficiente para exercer sua função?”, questionou o relator do projeto da LOA-2018.

 

Sobre o contexto geral da Lei Orçamentária, Silvano Amaral ressalta que a peça condiz com a realidade, considerando a crise econômica que o estado vem enfrentando.

 

“A LOA destacou e estabilizou os repasses dos poderes e traz um incremento maior para o Executivo, tendo uma diferença de quase R$ 2,2 bilhões em relação à peça orçamentária do ano passado. Este acréscimo é o que precisa para melhorar as ações do governo, a exemplo da saúde, que está na UTI, da educação, transporte e infraestrutura de Mato Grosso. Agora, tem que haver bom senso com a Defensoria, que presta serviço essencial à sociedade e acumula retrocesso com o orçamento previsto para o órgão. Tem que rever”, defendeu Silvano Amaral.

 

Tramitação

 

A peça orçamentária foi entregue à Assembleia no dia 30 de setembro. Duas reuniões já foram realizadas para discutir o novo orçamento do estado. A primeira, realizada pela Comissão de Constituição, Justiça e Redação (CCJR), no dia 28 de novembro e a mais recente, realizada pela Comissão de Fiscalização e Acompanhamento da Execução Orçamentária (CFAEO), em 30 de novembro.

 

A expectativa é de que o projeto da LOA-2018 seja votado até o dia 14 de dezembro. Parlamentares tiveram até o dia 1º de dezembro para apresentarem emendas à peça, que, devido à aprovação da PEC do Teto de Gastos, diminui alguns custos para o ano que vem.




Clique aqui e faça seu comentário


2 Comentário(s).

COMENTE
Nome:
E-Mail:
Dados opcionais:
Comentário:
Marque "Não sou um robô:"
ATENÇÃO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do MidiaNews. Comentários ofensivos, que violem a lei ou o direito de terceiros, serão vetados pelo moderador.

FECHAR

Priscilla   08.12.17 10h13
José, sua opinião é das mais simplistas que já vi. A Defensoria não presta assistência jurídica somente em processos criminais, atuando em diversas áreas: família, criança e adolescente, ações de saúde (para conseguir medicamentos, tratamentos, internações etc.), consumidor, posse/propriedade de imóveis. E presta assistência somente a pessoas pobres. Lembrando que qualquer pessoa que esteja em situação de hipossuficiência tem direito constitucional de recorrer à Defensoria. A Defensoria tem status constitucional tal qual o Ministério Público e merece, pois, um orçamento justo para cumprir seu mister.
1
0
José da Silva  07.12.17 11h03
Interessante a preocupação de alguns Deputados com a Defensoria Publica. Devemos ter em mente que apesar de importante, principalmente aos mais pobres, a Defensoria presta um serviço individual, principalmente para criminosos que tanto atormentam nossa sociedade. Comparar os gastos da Defensoria com o que se gasta com o Ministério Público, além de inadequado é uma total inversão de valores. O investimento feito no MP é no combate à corrupção, no processo de criminosos, ao passo que a Defensoria, visa defender esses mesmos criminosos que causam tantos danos a sociedade. Ou seja, além de sermos vítimas deles, ainda temos que pagarmos seus advogados ( a Defensoria). Isso é Brasil.
1
3

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

1999-2017 MidiaNews - Credibilidade em Tempo Real - Tel.: (65) 3027-5770 - Todos os direitos reservados