ENQUETES

Você acha que os políticos, conselheiros e empresários alvos da PF serão condenados?

PUBLICIDADE

Política / SOB SUSPEITA
14.09.2017 | 14h56
Tamanho do texto A- A+

PF cumpre mandados contra Blairo em Brasília e na Amaggi

Ex-governador de MT afirmou, em delação premiada, que ministro da Agricultura participou de esquema de corrupção no estado

Alair Ribeiro/MidiaNews

Clique para ampliar

A diligência dos agentes federais ocorreu em um condomínio na Asa Sul, zona nobre de Brasília

DO G1

A Polícia Federal (PF) cumpriu, na manhã desta quinta-feira (14), mandado de busca e apreensão no apartamento do ministro da Agricultura, Blairo Maggi, ex-governador de Mato Grosso.

 

A diligência dos agentes federais ocorreu em um condomínio na Asa Sul, zona nobre de Brasília.

 

Além disso, estão sendo alvos a sede da Amaggi, em Cuiabá, e sua residência em Rondonópolis.

 

A decisão foi do ministro Luiz Fux, do Supremo Tribunal Federal (STF). Maggi é acusado de obstrução da Justiça.

 

Em depoimento de seu acordo de delação premiada, o ex-governador de Mato Grosso, Silval Barbosa (PMDB), acusou Blairo Maggi de participar de um esquema de corrupção no Estado.

 

Silval relatou ao Ministério Público Federal que o senador Cidinho Santos (PR-MT) prometeu ajuda de Maggi, do atual governador de Mato Grosso, Pedro Taques (PSDB), e do senador Wellington Fagundes (PR-MT) para que ele não fizesse delação premiada.

 

Maggi também é acusado de participar da compra de uma vaga no TCE-MT, para o conselheiro Sérgio Ricardo, e de pagar R$ 3 milhões ao ex-secretário de Estado Eder Moraes, para comprar seu silêncio.

 

A colaboração premiada de Silval Barbosa foi homologada, em agosto, pelo ministro Luiz Fux, do Supremo Tribunal Federal (STF).

 

Na delação, Silval Barbosa contou à Procuradoria Geral da República (PGR) como funcionava o esquema de corrupção no governo de Mato Grosso.

 

O delator foi vice-governador no segundo mandato de Blairo Maggi – de 2007 a 2010.

 

Outro lado

 

Por meio de nota, o ministro Blairo Maggi negou que tenha agido de forma ilícita dentro do Governo ou para obstruir a justiça. Também negou pagamentos feitos ou autorizados por ele ao ex-secretário Eder Moraes.

 

Leia a íntegra da nota:


Sobre a operação realizada pela Polícia Federal nesta quinta-feira (14), esclarecemos que:

1. Nunca houve ação, minha ou por mim autorizada, para agir de forma ilícita dentro das ações de Governo ou para obstruir a justiça. Jamais vou aceitar qualquer ação para que haja "mudanças de versões" em depoimentos de investigados. Tenho total interesse na apuração da verdade.

2. Ratifico ainda que não houve pagamentos feitos ou autorizados por mim, ao então secretário Eder Moraes, para acobertar qualquer ato, conforme aponta de forma mentirosa o ex-governador Silval Barbosa em sua delação.

3. Jamais utilizei de meios ilícitos na minha vida pública ou nas minhas empresas. Sempre respeitei o papel constitucional das Instituições e como governador, pautei a relação harmônica entre os poderes sobre os pilares do respeito à coisa pública e à ética institucional.

4. Por fim, ressalto que respeito o papel da Justiça no cumprimento do seu dever de investigação, mas deixo claro que usarei de todos os meios legais necessários para me defender e reestabelecer a verdade dos fatos.

Blairo Maggi

 




Clique aqui e faça seu comentário


3 Comentário(s).

COMENTE
Nome:
E-Mail:
Dados opcionais:
Comentário:
Marque "Não sou um robô:"
ATENÇÃO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do MidiaNews. Comentários ofensivos, que violem a lei ou o direito de terceiros, serão vetados pelo moderador.

FECHAR

Joemar moraes rosa  14.09.17 13h48
As Vagas de Conselheiros nos Tribunais de Contas (TCE) dos Estados devem serem preenchidas pessoas Técnicas Em Concurso Público e não por indicação de políticos
16
1
Guilherme  14.09.17 11h48
Duvida?
12
2
Adriano Lourenço  14.09.17 09h30
Quero ver se os eleitores de Mato Grosso irão eleger novamente Blairo.
18
7

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

1999-2017 MidiaNews - Credibilidade em Tempo Real - Tel.: (65) 3027-5770 - Todos os direitos reservados