ENQUETES

Como você vai gastar seu 13º salário?

PUBLICIDADE

Política / GÁS NATURAL
06.12.2017 | 14h28
Tamanho do texto A- A+

Em Brasília, Taques discute fornecimento de gás com Evo Morales

Juntos, Bolívia e Mato Grosso buscam estabelecer relações para o mercado consumidor de ureia

Mayke Toscano/Gcom-MT

Clique para ampliar

Pedro Taques se reuniu com presidente da Bolívia, Evo Morales

DA REDAÇÃO

O governador Pedro Taques esteve reunido, nesta terça-feira (05), em Brasília, com o presidente da Bolívia, Evo Morales, e, junto com suas respectivas equipes, trataram sobre a importação do gás boliviano para Mato Grosso. O Governo do Estado busca segurança jurídica para que possa receber, mensalmente, 500 mil metros cúbicos de gás, que seriam utilizados como fonte de energia nas indústrias.

 

Juntos, Bolívia e Mato Grosso buscam estabelecer relações para o mercado consumidor de ureia e fechar um novo contrato de fornecimento de gás natural para o Estado. “Temos interesse em nos conectar com Mato Grosso, que é um grande produtor agrícola e necessita de energia para continuar. Vamos todos trabalhar e chegar a resultados concretos nesta negociação”, afirmou o ministro de Hidrocarburos da Bolívia, Luis Alberto Sánchez.

 

A integração entre Mato Grosso e Bolívia já deu importantes passos durante a atual gestão. Está previsto para janeiro o primeiro voo direto entre Cuiabá e Bolívia, que fará parte do calendário de rotina do Aeroporto Marechal Rondon, em Várzea Grande. Além disso, o governador Pedro Taques, em várias ocasiões, se reuniu com Evo Morales e membros do governo boliviano, defendendo a pavimentação de 315 quilômetros da rodovia que liga San Matias a San Ignácio - considerada pelo governo como essencial para a integração regional.

 

Taques convidou a comitiva boliviana para uma nova reunião, em Cuiabá. “Tivemos hoje uma importante reunião com Evo Morales e pedimos uma reunião, em Cuiabá, para tratar das obras que ligam nosso Estado à Bolívia, assunto que estamos tratando desde a Caravana da Integração, que realizamos em 2016, assim como a compra do gás boliviano e o mercado da ureia. Avançamos nesta conversa e agora vamos em busca de resultados mais concretos”, afirmou o governador.

 

Por ser menos poluente, o gás natural tem baixo impacto ambiental. O gasoduto possui 645 km de extensão, sendo 283 km no lado brasileiro e 362 km no lado boliviano. O governo boliviano pretende ampliar o comércio.

 

O secretário de Desenvolvimento Econômico, Carlos Avalone, acompanha a negociação para um novo contrato sobre o gás boliviano. “Todos os assuntos tratados nesta reunião, são assuntos que vêm sendo tratados há mais de uma década entre Mato Grosso e Bolívia. Percebemos que chegou a um ponto de amadurecimento e temos muitas chances para as concretizações. A importância de trazer isso para Cuiabá é que a questão da ureia, que interessa muito a eles, e a questão do gás, que interessa muito a nós, está totalmente madura para o fechamento”, afirma Avalone.

 

A reunião, prevista para o dia 20 de dezembro, contará com a presença do governador de Mato Grosso do Sul, Reinaldo Azambuja, que tem as mesmas demandas que o Executivo mato-grossense.

 

“Teremos uma chance grande, com dois ministros bolivianos, convidando o ministro Fernando Bezerra para também estar lá. Temos a condição de ter um fechamento disso. Essa parceria do MT Gás com a empresa boliviana está em fase de concretização e da nossa parte não há dificuldade alguma e precisamos apenas que a Bolívia destrave e que a gente possa fazer essa concretização”, disse o secretário Avalone.

 

Emmanuel Almeida de Figueiredo Júnior, presidente da MT Gás, explica a necessidade de segurança jurídica em um novo contrato para o fornecimento de gás para Mato Grosso. “Precisamos de um contrato que obriga uma entrega de uma determinada quantidade de gás mensalmente. Nós temos hoje um contrato considerado 'não firme' e isso não oferece segurança ao nosso parque industrial, porque a conversão da energia elétrica para a energia produzida pelo gás exige um custo. Então hoje há um anseio de todo o empresariado mato-grossense que esse gás chegue de maneira firme.”

 

Ainda hoje, o governador Pedro Taques, assim como o governador de Mato Grosso do Sul, Reinaldo Azambuja, de Rondônia, Confúncio Moura, e do Acre, Tião Viana, participam de um almoço com Evo Morales e com o presidente do Brasil, Michel Temer.

 

A integração entre Mato Grosso e Bolívia já deu importantes passos durante a atual gestão. Está previsto para janeiro o primeiro voo direto entre Cuiabá e Bolívia, que fará parte do calendário de rotina do Aeroporto Marechal Rondon, em Várzea Grande. Além disso, o governador Pedro Taques, em várias ocasiões, se reuniu com Evo Morales e membros do governo boliviano, defendendo a pavimentação de 315 quilômetros da rodovia que liga San Matias a San Ignácio - considerada pelo governo como essencial para a integração regional.




Clique aqui e faça seu comentário


0 Comentário(s).

COMENTE
Nome:
E-Mail:
Dados opcionais:
Comentário:
Marque "Não sou um robô:"
ATENÇÃO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do MidiaNews. Comentários ofensivos, que violem a lei ou o direito de terceiros, serão vetados pelo moderador.

FECHAR

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

1999-2017 MidiaNews - Credibilidade em Tempo Real - Tel.: (65) 3027-5770 - Todos os direitos reservados