ENQUETES

Qual sua expectativa sobre a seleção brasileira nesta Copa?

PUBLICIDADE

Política / FOLHA SALARIAL
14.04.2018 | 08h15
Tamanho do texto A- A+

Com divergência com Tesouro, MT estoura LRF e pode ser punido

Pelo STN, Mato Grosso gastou 55,91% da receita com folha salarial no último quadrimestre de 2017

Alair Ribeiro/MidiaNews

Clique para ampliar

O secretário de Estado de Fazenda, Rogério Gallo

DOUGLAS TRIELLI
DA REDAÇÃO

O secretário de Estado de Fazenda, Rogério Gallo, revelou que o Executivo não conseguiu entrar em entendimento com a Secretaria do Tesouro Nacional (STN) para a metodologia de cálculo da Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) com gastos de folha salarial.

 

Pelo entendimento do STN, Mato Grosso gastou 55,91% de sua receita com folha até o 3ª quadrimestre de 2017. O limite máximo, conforme a LRF, é 49%.

 

Com o estouro, o Governo pode sofrer uma série de sanções caso não implante ações para mudar o quadro, como não ter acesso a convênios, impossibilidade de contrair empréstimos e até mesmo o impeachment do governador Pedro Taques (PSDB).

 

Apesar disso, o Executivo implantou uma série de ações, como a Emenda do Teto de Gastos, e pode não correr riscos por ora.

 

“Há uma divergência de entendimento entre o Tribunal de Contas e o STN. Nós respeitamos a decisão do TCE. Mas o STN tem outro entendimento. É uma questão técnica que retira o Imposto de Renda da base de gastos com pessoal. A STN entende que tem que manter, o TCE entende que tem que retirar”, disse Gallo.

 

Há uma divergência de entendimento entre o Tribunal de Contas e o STN. Nós respeitamos a decisão do TCE. Mas o STN tem outro entendimento

Segundo o secretário, o Executivo tenta fazer valer entendimento do Tribunal de Contas do Estado (TCE). Com a metodologia de cálculo da Corte mato-grossense, o Governo gastou 47,69% de sua receita com folha.

 

“Se você mantém o Imposto de Renda que incide sobre o salário do servidor, faz com que gastemos 55% da receita corrente líquida com pessoal. Aí estaríamos estourados dos 49% de limite. Aplicando o entendimento do TCE, ficamos em 47%, quase 48%, no 3º quadrimestre de 2017 e estaríamos dentro do limite da LRF. É algo que tem, de fato, que ser resolvido e vamos tratar esse assunto de forma técnica”, afirmou.

 

Gallo disse ainda que o Tesouro vem acompanhando de forma contínua os gastos de Mato Grosso.

 

“Eles vão fazer alertas para que a gente recupere as condições dos índices de responsabilidade fiscal com gasto de pessoal. Do ponto de vista contratual, vamos ser notificados e já fomos pela STN”, disse.

 

Concursados

 

Por ora, o Executivo vê dificuldades em fazer nomeações de novos concursados.

 

Segundo o secretário, o governador Pedro Taques deve buscar órgãos de controle para demonstrar a necessidade de nomeações em alguns setores.

 

“Existem algumas áreas muitos sensíveis, como o sistema penitenciário. Vamos buscar os órgãos de controle, porque se o governador fizer alguma nomeação, pode incorrer em problemas de ordem jurídica, como a improbidade e esse ato ser anulado pelo TCE ou Judiciário, o que daria insegurança para as próprias pessoas que estão buscando a nomeação”, explicou.

 

“Vamos mostrar a necessidade para os órgãos de controle e buscar uma equação que resolva o problema e atenda o interesse público na nomeação dessas pessoas”, completou.

 

Leia mais sobre o assunto:

 

MT tem R$ 1,3 bi em restos a pagar e não quitará tudo neste ano

 

Governo gastou R$ 10 bi com folha salarial e receita cresceu 4%

 




Clique aqui e faça seu comentário


10 Comentário(s).

COMENTE
Nome:
E-Mail:
Dados opcionais:
Comentário:
Marque "Não sou um robô:"
ATENÇÃO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do MidiaNews. Comentários ofensivos, que violem a lei ou o direito de terceiros, serão vetados pelo moderador.

FECHAR

Orlando  16.04.18 07h46
Eu já sabia que o "jeitinho" pantaneiro contábil do TCE não daria certo! Tem mesmo que reduzir as despesas com pessoal ou elevar as receitas!
10
4
José Gonçalves  15.04.18 10h59
Conheço varios estados da nação....Mas não existe estado mais refem de funcionalismo publico no país do que o estado de mt....não é a toa que estouraram o orçamento.
7
39
Rogério  15.04.18 09h24
Isso serve também para as pessoas verem que existe diferença entre folha líquida e folha bruta! Cerca de 40% do que eu ganho fica para o próprio governo!
41
1
Fábio  14.04.18 18h27
A cada 50 desculpas deste governador para sua má gestão, 49 tem haver com o funcionalismo público e 1 com o atraso no repasse do FEX. Cabe aos matogrossense dar o veredito!!!
40
6
Servidora pública  14.04.18 18h24
Para chegar no da limite da lei de responsabilidade fiscal é só cortar alguns DAS tipo cantor de lambadão e ex dono de bar.
37
2
1999-2018 MidiaNews - Credibilidade em Tempo Real - Tel.: (65) 3027-5770 - Todos os direitos reservados