ENQUETES

A que você atribui a renovação da Assembleia e da Câmara neste ano em MT?

PUBLICIDADE

Política / PRISÃO DE DEPUTADO
05.06.2018 | 19h45
Tamanho do texto A- A+

Catorze deputados votam pela soltura de Savi e aguardam decisão do TJ

Parlamentar é suspeito de envolvimento em esquema de fraudes no Detran-MT

Alair Ribeiro/MidiaNews

Clique para ampliar

O deputado Mauro Savi: preso há quase um mês

DOUGLAS TRIELLI
DA REDAÇÃO

A Assembleia Legislativa aprovou, na noite desta terça-feira (05), requerimento da Comissão de Ética da Casa que pede a soltura do deputado estadual Mauro Savi (DEM).

 

O parlamentar está preso desde o dia 9 de maio sob a suspeita de ser um dos maiores beneficiados de um esquema de fraude, desvio e lavagem de dinheiro no âmbito do Detran, na ordem de R$ 27,7 milhões.

 

Ao todo, foram 14 votos favoráveis à soltura do parlamentar (veja lista abaixo). Quatro deputados se abstiveram de votar, entre eles o presidente da Assembleia Legislativa, deputado Eduardo Botelho (DEM), que também é investigado na operação que prendeu Savi.

 

Cabe agora à Mesa Diretora enviar a decisão ao presidente do Tribunal de Justiça de Mato Grosso, desembargador Rui Ramos.

Além dele, se abstiveram os deputados José Domingos Fraga (PSD), Baiano Filho (PSDB) e Ondanir Bortolini, o Nininho (PSD). Cinco parlamentares estavam ausentes. A sessão foi presidida pelo deputado Oscar Bezerra (PV).

 

Segundo ele, cabe agora à Mesa Diretora enviar a decisão ao presidente do Tribunal de Justiça de Mato Grosso, desembargador Rui Ramos.

 

"Fica aprovado o requerimento pela decretação da soltura. Agora, cabe à Mesa Diretora encaminhar ao presidente do Tribunal de justiça e ao relator para que o Tribunal de Justiça de Mato Grosso tome as devidas providências", disse o deputado.

 

O imbróglio

 

Desde a prisão de Mauro Savi, os deputados ensaiam realizar a votação. Entretanto, o desembargador José Zuquim Nogueira  disse não ver que a Casa teria prerrogativa para liberar o parlamentar preso preventivamente.

 

Segundo ele, a Secretaria de Justiça e Direitos Humanos e o diretor do sistema prisional do Estado estão orientados a não cumprirem qualquer medida que revogue a prisão dos alvos da segunda fase da Operação Bereré, a Bônus.

 

“Quando eu decidi por essas medidas cautelares, eu simplesmente recomendei à Assembleia que não se tomasse as providências. Agora, não posso impedir que a Assembleia realize essa audiência. Isso eu estaria extrapolando e adentrando em uma esfera que não me cabe”, afirmou o desembargador, que é relator do processo oriundo da operação do Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado (Gaeco).

 

“A Assembleia tem a autonomia para reunir, deliberar. Só que eu entendi por bem em determinar ao Secretário de Segurança e ao diretor do sistema prisional que se abstivessem de cumprir qualquer determinação, porque quem tem jurisdição é o Judiciário. Determinei ao secretário e ao diretor do sistema prisional para que se abstivessem de cumprir qualquer resolução no sentido de soltar aqueles que foram atingidos pelas medidas cautelares”, disse.

 

“Bônus”

 

A segunda fase da Operação Bereré, batizada de Bônus, é coordenada pelo Núcleo de Ações de Competência Originária (Naco/Criminal) e pelo Gaeco. A ação apura um esquema que pode ter desviado R$ 27 milhões por meio de um contrato do Detran com a empresa EIG Mercados.

 

Foram alvos: o deputado estadual Mauro Savi, o ex-secretário-chefe da Casa Civil, Paulo Taques, os empresários Roque Anildo Reinheimer e Claudemir Pereira dos Santos, proprietários da Santos Treinamento, empresa que, segundo as investigações, era usada para lavagem do dinheiro desviado do órgão.

 

Em Brasília (DF), os policiais prenderam o empresário José Kobori, ex-diretor-presidente da EIG Mercados, apontada pelo Gaeco como pivô do suposto esquema. Já o advogado Pedro Jorge Zamar Taques, irmão de Paulo Taques, se apresentou ao Gaeco.

 

A operação é resultado da análise dos documentos apreendidos na primeira fase da Bereré, dos depoimentos prestados no inquérito policial e colaborações premiadas.

 

Veja como foi a votação:

 

Favoráveis
Guilherme Maluf
Oscar Bezerra
Leonardo Albuquerque 
Janaina Riva
Marcrean Santos
Gilmar Fabris
Romoaldo Junior
Max Russi
Allan Kardec
Silvano Amaral
Wagner Ramos
Wancley Carvalho
Pedro Satélite 
Saturnino Masson
 
Abstenção
Eduardo Botelho 
Baiano Filho
José Domingos Fraga
Nininho
 
Ausentes
Dilmar Dal'Bosco
Wilson Santos 
Sebastião Rezende
Zeca Viana
Waldir Barranco

 




Clique aqui e faça seu comentário


17 Comentário(s).

COMENTE
Nome:
E-Mail:
Dados opcionais:
Comentário:
Marque "Não sou um robô:"
ATENÇÃO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do MidiaNews. Comentários ofensivos, que violem a lei ou o direito de terceiros, serão vetados pelo moderador.

FECHAR

Wesley Santos  12.06.18 08h58
Janaina Riva tinha meu respeito até aqui.
1
0
Joao PC  07.06.18 08h16
Que surpresa ! Gilmar Fabris votou favorável !
3
0
Douglas   06.06.18 20h09
Douglas , seu comentário foi vetado por conter expressões agressivas, ofensas e/ou denúncias sem provas
moro  06.06.18 19h18
moro, seu comentário foi vetado por conter expressões agressivas, ofensas e/ou denúncias sem provas
Wilson  06.06.18 16h44
Isso todo o Mato Grosso já sabia. Só não entendi porque os outros não manifestaram. Eleitores a eleição está aproximando!
21
0
1999-2018 MidiaNews - Credibilidade em Tempo Real - Tel.: (65) 3027-5770 - Todos os direitos reservados

Ver em: Celular - Web