Cuiabá, Quarta-Feira, 12 de Dezembro de 2018
CRISE FISCAL
09.03.2018 | 16h33 Tamanho do texto A- A+

"Ajuda de Poderes a fundo depende da economia de cada um"

Taques diz ter terminado "cardápio" de proposta e que segmentos do Estado aceitaram contribuir

Marcos Correa/Presidência da República

O governador Pedro Taques: fundo deve ser enviado à AL em breve

DOUGLAS TRIELLI
DA REDAÇÃO

O governador Pedro Taques (PSDB) afirmou já ter concluído a formulação do projeto que irá criar o Fundo Emergencial de Estabilidade Fiscal (FEEF), que tem expectativa de arrecadar até R$ 500 milhões em um ano.

 

Segundo o tucano, a medida deve ser encaminhada nas próximas semanas à Assembleia Legislativa para apreciação dos parlamentares.

 

Até o momento, as contribuições confirmadas são de empresas beneficiadas com incentivo fiscal e do setor frigorífico. Taques disse que diversos setores concordaram com a ajuda.

 

“Nós terminamos o cardápio do fundo neste final de semana. Muitos segmentos concordaram que o momento que Mato Grosso vive não é fácil e precisa desse fundo. Estão colaborando com o Estado. Faltam alguns detalhes para que possamos apresentar à Assembleia Legislativa”, disse, na manhã desta sexta-feira (09).

 

Terminamos o cardápio do fundo neste final de semana. Muitos segmentos concordaram que o momento que Mato Grosso vive não é fácil e precisa desse fundo

Sobre a participação dos Poderes do Estado, Taques revelou que isso dependerá do caixa de cada um.

 

Nesta semana, o procurador-geral de Justiça do Estado, Mauro Curvo, criticou a possibilidade de os Poderes precisarem contribuir com o fundo.

 

Segundo ele, o Executivo deve R$ 90 milhões em duodécimos atrasados ao Ministério Público. Além disso, há um corte de 20% no orçamento até abril para que o Governo consiga pagar parcela de sua dívida com o Bank of America.

 

“Tenho conversado bastante com os Poderes. Sabemos da necessidade dos Poderes. Mas a participação deles depende da economia doméstica de cada um. Cada Poder tem seu autogoverno”, resumiu o governador.

 

Imprescindível

 

Em tese, o Fundo de Estabilização Fiscal é um mecanismo que permite ao Governo retirar recursos de uma determinada área para usar em outra.

 

A medida é vista como “imprescindível” pelo Executivo, uma vez que os recursos da Fonte 100 do Estado não dão sequer para fazer o pagamento aos Municípios, duodécimos aos Poderes e salário dos servidores.

 

Até o momento, confirmaram ajudar as Indústrias Frigoríficas de Mato Grosso e empresas beneficiadas com incentivo fiscal. Ambas contribuir por meio do recolhimento do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS).

 

Leia mais sobre o assunto:

 

Governo deve R$ 90 mi ao MPE, que não deve contribuir com fundo

 

Governo do Estado diz que frigoríficos apoiam criação de fundo

 

Novo fundo do Executivo terá R$ 500 mi em um ano, diz Taques

 

Sefaz cita déficit de R$ 3 bi e diz: sem medida, hospitais fecham

 

Taques projeta cenário sombrio e propõe fundo contra crise

 




Clique aqui e faça seu comentário


COMENTÁRIOS
1 Comentário(s).

COMENTE
Nome:
E-Mail:
Dados opcionais:
Comentário:
Marque "Não sou um robô:"
ATENÇÃO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do MidiaNews. Comentários ofensivos, que violem a lei ou o direito de terceiros, serão vetados pelo moderador.

FECHAR

wilson  10.03.18 18h49
É LOUVÁVEL QUE TEM GENTE QUE BRIGA PELOS SEUS, ENQUANTO O EXECUTIVO TÁ NA MERDA. PROMOVIDOS EM 2014 AINDA NÃO RECEBERAM SEUS AUXÍLIOS FARDAMENTOS, ETAPA FARDAMENTO, URVS E NEM HORAS AULAS. QUANDO VAMOS RECEBER, NEM AS ASSOCIAÇÕES QUE É PARA BRIGAR, ESTÃO QUIETINHAS, PORQUE SERÁ.ESTÃO COM MEDO DE NÃO SAIR O CHOA.
3
0