ENQUETES

Você acha que os políticos, conselheiros e empresários alvos da PF serão condenados?

PUBLICIDADE

Polícia / RÉU EM AÇÃO
14.07.2017 | 16h57
Tamanho do texto A- A+

Servidor da Sefaz é encontrado morto em veículo na Capital

Segundo a Polícia Militar, o corpo de João Picorelli não apresentava sinais de violência

Divulgação

Clique para ampliar

Corpo não apresentava sinais de violência, segundo a PM

THAIZA ASSUNÇÃO
DA REDAÇÃO

O servidor público João Vicente Picorelli, de 62 anos, foi encontrado morto dentro de uma caminhonete L-200, no Bairro Santa Marta, em Cuiabá, na tarde desta sexta-feira (14).

 

Picorelli é agente de tributos da Secretaria de Estado de Fazenda. Ele foi denunciado pelo Ministério Público pelo suposto envolvimento em um desvio de mais de R$ 400 milhões no esquema investigado pela Operação Cartas Marcadas.

 

De acordo com informações da Polícia Militar, uma guarnição do 10º Batalhão fazia rondas na região quando deparou com a caminhonete encostada em uma das vias.

 

Os militares fizeram a checagem da placa do veículo e não constataram nenhuma irregularidade.


Ao se aproximarem da porta, porém, verificaram que havia um homem deitado dentro do veículo.

 

Os PMs abriram a porta do carro e constataram que o motorista estava sem sinais vitais.

 

Os militares acionaram uma equipe do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), que foi até o local e confirmou o óbito. 

 

Segundo a Polícia Militar, o corpo não apresentava sinais de violência. A suspeita é de que ele tenha sofrido um mau súbito. 

 

A Delegacia de Homicídios e Proteção a Pessoa (DHPP) esteve no local iniciando as investigações.

  

O corpo do homem foi encaminhado para o Instituto Médico Legal (IML) para identificação e exames de necropsia. 

 

A operação

 

De acordo com as investigações, a fraude investigada na Operação Cartas Marcadas nasceu do pagamento em certidões de créditos a um grupo de AAFs (Agentes da Administração Fazendária), em função de um acordo trabalhista feito entre o Governo do Estado e a categoria, em 2008.

 

Pelo acordo, seriam expedidas duas certidões de créditos aos servidores.

Entretanto, foram emitidas sete, das quais cada servidor recebeu apenas três. O restante acabou sendo retirado junto à Secretaria de Estado da Administração (SAD) por representantes legais constituídos pela categoria, sem que os verdadeiros titulares soubessem.

De um total de R$ 647,8 milhões emitidos para quitar a dívida trabalhista, R$ 493,9 milhões foram considerados indevidos.

 

Quinze pessoas foram denunciadas pelo Ministério Público Estadual, entre eles Picorelli. Também foram denunciados os ex-secretários de Fazenda Eder de Moraes Dias e Edmilson José dos Santos, além do deputado estadual Gilmar Fabris.

 




Clique aqui e faça seu comentário


0 Comentário(s).

COMENTE
Nome:
E-Mail:
Dados opcionais:
Comentário:
Marque "Não sou um robô:"
ATENÇÃO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do MidiaNews. Comentários ofensivos, que violem a lei ou o direito de terceiros, serão vetados pelo moderador.

FECHAR

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

1999-2017 MidiaNews - Credibilidade em Tempo Real - Tel.: (65) 3027-5770 - Todos os direitos reservados