Opinião / ONOFRE RIBEIRO
31.01.2018 | 06h30
Tamanho do texto A- A+

Vice e verso

Blairo Maggi não pretende romper com o governador Pedro Taques nas eleições deste ano

2018 começou e, finalmente, fala-se nas eleições de 7 de outubro. Como tudo que começa atrasado, são normais atropelos.

 

Vamos aos fatos. Em Mato Grosso, sempre existiram grupos políticos que acionam os movimentos. Ou eles acontecem por iniciativa de pessoas isoladas quando não há grupos consistentes.

           

Em Mato Grosso, não existem mais grupos políticos. Todos os cardeais, bispos, padres e sacristões estão submetidos a dois cardeais com poderes papais.

 

De um lado, pela ordem de antiguidade: o ministro Blairo Maggi. De outro, o governador Pedro Taques. São os dois quem construirão os movimentos sobre o tabuleiro da eleição de 2018.

           

Aqui cabe a primeira intervenção. Da lógica.  Em recente conversa com o ministro Blairo Maggi, em Brasília, ele disse-me que não pretende romper com o governador Pedro Taques nas eleições deste ano.

Em Mato Grosso, não existem mais grupos políticos. Todos os cardeais, bispos, padres e sacristões estão submetidos a dois cardeais com poderes papais

 

Disse que não tem motivos. E tem agido emitindo sinais nessa direção.

 

Já o governador Pedro Taques, tem aqui e ali, emitido sinais de provocação. Inúteis e desnecessários.

           

A posição de governador facilita muito a posição de quem é candidato a governador. Mesmo que a imagem não esteja 100 por cento, pode melhorar e influenciar.

 

Já Blairo Maggi é uma hoje uma figura política de prestígio nacional e internacional. Precisa do cordão umbilical que lhe dá o mandato de senador pelo Estado, Logo, se candidatará naturalmente à reeleição.

 

Juntos, ele e Taques puxarão toda a eleição. Juntos, virão os principais atores que concorrerão em 2018: Jaime Campos, Mauro Mendes, Carlos Fávaro, Nilson Leitão e outros importantes atores que fazem parte de ambos ou que poderão se aproximar.

           

De outro lado, alguns nomes importantes dificilmente se unirão ao bloco do governador e do senador, como Antonio Joaquim, Carlos Bezerra, senador Welinton Fagundes.

 

Ter oposição sempre foi muito saudável. Porém, o que parece o mais lógico, neste pré-eleições, é o governador Pedro Taques e o ministro Blairo Maggi se afagarem no interesse comum e dos seus próximos.

 

Não fará o menor sentido se desentenderem neste momento.

 

Até que se formem grupos políticos em Mato Grosso, ambos terão a missão de conduzir eleições.

 

Não há por que ser diferente disso! Pelos menos, agora...

 

ONOFRE RIBEIRO é jornalista em Mato Grosso.

onofreribeiro@onofreribeiro.com.br  

www.onofreribeiro.com.br




Clique aqui e faça seu comentário


0 Comentário(s).

COMENTE
Nome:
E-Mail:
Dados opcionais:
Comentário:
Marque "Não sou um robô:"
ATENÇÃO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do MidiaNews. Comentários ofensivos, que violem a lei ou o direito de terceiros, serão vetados pelo moderador.

FECHAR

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Leia mais notícias sobre Opinião:
Fevereiro de 2018
21.02.18 12h00 » Intervenção e pacto federativo
21.02.18 08h00 » Truco
21.02.18 07h59 » Foro privilegiado
21.02.18 07h00 » E agora, Pedro?
21.02.18 06h57 » Verdade x Vergonha
21.02.18 06h55 » Fraudes financeiras assombram o Agro
21.02.18 06h54 » Ineficiência a prazo
21.02.18 06h53 » O seu sorriso como uma bela arte
21.02.18 06h50 » Imposto
20.02.18 08h01 » O Brasil precisa de um choque liberal

1999-2018 MidiaNews - Credibilidade em Tempo Real - Tel.: (65) 3027-5770 - Todos os direitos reservados