ENQUETES

Você é a favor ou contra Silval fazer delação e ganhar a liberdade?

PUBLICIDADE

Opinião / HÉLCIO CORREA
11.01.2017 | 23h00
Tamanho do texto A- A+

Sistema prisional inutilizado

Apesar dos gastos bilionários, sistema no Brasil não tem a menor eficiência

As penitenciárias nacionais não têm mais qualquer eficiência e eficácia há duas décadas. Tudo já corre ao largo. Nem ferramentas para tratarem a superlotação, insalubridade e violência. Tem realidade ilíquida com 622 mil presos e 371 mil vagas.

 

E gastos de mais de R$ 5 bilhões anuais, segundo o anuário brasileiro de segurança pública. Ano após ano mantêm resultados insatisfatórios. Aqui são mais 3 mil novos presos por mês. Tiveram dobra perigosa na população carcerária nos últimos 15 anos, segundo o próprio Ministério da Justiça.


Em se tratando de efeitos prejudiciais, desvios e transtornos o Brasil tem relevância mundial ou maior grau. Enquanto isto, os discursos nacionais e políticos apelam para endurecer as penas. Não ignoram que se trata de política fracassada, mas que pode ganhar votos.


Nos países escandinavos e mais resolutos, alguns inclusive, já fechando presídios por falta de presos, adotam política contrária com menos anos de encarceramentos. Preferem penas alternativas e financeiras para os delitos de menor gravidade.

 

Na Noruega o homicídio tem condenação máxima de 21 anos, mas com avaliação de reabilitação e comportamental, que permite estender a pena por igual período - indefinidamente.


Não se surpreenda, que no Brasil se tem hoje menos de 500 presos de alta periculosidade e patologia de difícil tratamento e que por eles traçam o perfil dos outros 622 mil. O que distorce a realidade e solução de alguns problemas prisionais fáceis.


Na República Dominicana, desde 2003, muitas prisões vêm paulatinamente interrompendo suas ineficiências, impondo a alfabetização compulsória de presos. E reduziram em 10 vezes (de 50% para 5%) a reincidência penal diminuindo a superlotação carcerária. Na Alemanha e na Holanda os presos são forçados aos trabalhos.

O que importa foi a quebra inovadora e corajosa da política de encarceramento sem finalidade, que na verdade se revelou responsável por grandes problemas carcerários em todas nações onde foi aplicada

Eles entendem como prioridade a recuperação e reinserção social por programa socioeducativo e profissionalizante. Não têm a famigerada superlotação. O Texas com seu programa de empreendedorismo para presidiário diminui para 7% a reincidência criminal contra os 76% da média norte-americana.


Há muitos outros exemplos, mas já bastam. O que importa foi a quebra inovadora e corajosa da política de encarceramento sem finalidade, que na verdade se revelou responsável por grandes problemas carcerários em todas nações onde foi aplicada.


O Brasil, justiça seja feita, ganha no ranking de motins e rebeliões com altos taxas de mortes - tal como o ocorrido recente no Amazonas e outras unidades federadas. O controle e reabilitação parece se trancar as portas e liberar a cocaína e bebidas alcoólicas. Triste fato, que paga a sociedade com impostos (desperdiçados) para receber insegurança.


Tudo indica que para melhorar o sistema tem que ter estudo e trabalho compulsório e recuperação profissional e familiar dos presidiários, mas no Brasil tal atitude que tem dado certo no mundo fica como ponto fora da curva. Minado pela mentalidade tradicional para justificar sua inoperância.


Embora o cenário ruim não seja exclusivo, aparece agravado no Brasil por ser a quarta população prisional mundial. Aqui se revigora apenas o inútil. Um quadro caótico constituído por vácuo institucional (injustificado), que fabrica monstros e maior insegurança social.

Hélcio Corrêa Gomes é advogado




Clique aqui e faça seu comentário


0 Comentário(s).

COMENTE
Nome:
E-Mail:
Dados opcionais:
Comentário:
Marque "Não sou um robô:"
ATENÇÃO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do MidiaNews. Comentários ofensivos, que violem a lei ou o direito de terceiros, serão vetados pelo moderador.

FECHAR

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Leia mais notícias sobre Opinião:
Abril de 2017
26.04.17 11h56 » Diretas Já!
26.04.17 11h02 » Mc Donald's Judicial
26.04.17 08h10 » Precisamos de Harry Potter?
26.04.17 08h04 » A questão da terra em Mato Grosso
26.04.17 07h57 » A ditadura do preconceito
26.04.17 07h20 » Contratei um vendedor. E agora?
25.04.17 08h19 » Acredito no Brasil
25.04.17 08h16 » Brasil, berço da esperança
25.04.17 07h40 » A praça que já não é do povo
25.04.17 07h20 » Implantes: uma vida mais saudável

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

1999-2017 MidiaNews - Credibilidade em Tempo Real - Tel.: (65) 3027-5770 - Todos os direitos reservados