ENQUETES

Como você vai gastar seu 13º salário?

PUBLICIDADE

Opinião / LUCAS RODRIGUES
04.12.2017 | 21h00
Tamanho do texto A- A+

Por que apoiamos Gagliasso e não Taís?

Não é difícil concluir que vivemos em uma realidade paradoxal, em que só o outro é preconceituoso, nós não

Nas últimas semanas, dois eventos envolvendo racismo viraram notícia e causaram polêmica não só pelos fatos em si, mas pela solidariedade distinta dada pela sociedade a cada um deles.

 

Um dos eventos ocorreu após uma dita socialite chamada Day Mcarthy ofender Titi, filha do casal de atores Bruno Gagliasso e Giovana Ewbank, uma criança negra de apenas quatro anos. Gagliasso registrou queixa-crime e o apoio a ele foi praticamente unânime.

 

Já a segunda situação trata-se de uma fala da atriz Taís Araújo, lamentando o fato de viver em uma sociedade em que as pessoas mudam de rua por conta da cor do filho dela, que é negro. A situação narrada por ela, apesar de notoriamente comum, foi alvo de ridicularização e piadas grosseiras na internet, além de ser classificada como “vitimismo.

 

O abismo existente entre a parcial solidariedade dada a Taís Araújo com o unânime apoio recebido por Bruno Gagliasso chamou a atenção. Muitos atribuíram esse fenômeno a questões de gênero e cor. 

 

Em uma sociedade racista e machista, não chega a ser estranho que um homem branco tenha mais voz e crédito que uma mulher negra. É possível – e bem provável – que esses atributos tenham tido algum peso em tudo isso, como tem peso em várias situações do cotidiano. Mas o buraco é bem mais embaixo.

Taís Araújo teve a sua fala menosprezada porque jogou a verdade na nossa cara. E a reação natural do ser humano ao se sentir atacado é contra-atacar

 

A diferença do tratamento dado aos dois atores passa longe das complexidades de gênero e cor. A palavra-chave é bem mais simples: hipocrisia e racismo velado.

 

Na primeira situação, a racista tem nome e sobrenome, poucos a conheciam, e a ofensa é direta. É muito fácil e cômodo para todos nós apontarmos o dedo para a dita cuja e a culparmos pelo ato, até porque ‘não temos nada a ver com isso e repudiamos esse tipo de coisa’.

 

Pesquisa feita pelo IBGE em 2011 identificou que 97% dos brasileiros diz não ter qualquer tipo de preconceito de cor, mas, ao mesmo tempo, afirmam que conhecem alguém que tem. Não é difícil concluir que vivemos em uma realidade paradoxal neste país, em que só o outro é preconceituoso, nós não, jamais. 

 

Esta mentira deslavada que demos ao IBGE cai como uma luva para explicar a falta de solidariedade com a Taís Araújo. Ela não culpou uma pessoa específica pelo preconceito contra o filho dela, assim como pelo preconceito contra os filhos de outras milhões de mulheres negras, mas culpou a todos nós enquanto sociedade.

 

E sabe porque ela foi ridicularizada? Por que além de falar uma verdade explícita, O CHAPÉU SERVIU. Serviu em mim, serviu em você que está lendo e em todos os que fizeram piadas de mau gosto contra ela. Taís Araújo não nos deu alguém para culpar ou para podermos convenientemente apontar o dedo e fingir que não é com a gente. Ela apenas falou de forma simples, precisa e didática aquilo que sempre soubemos e que escolhemos ignorar.

 

Taís Araújo teve a sua fala menosprezada porque jogou a verdade na nossa cara. E a reação natural do ser humano ao se sentir atacado é contra-atacar. Fizemos isso tentando desqualificá-la com falácias e piadas que, inclusive, acabaram por ilustrar exatamente aquilo que ela denunciou: nosso racismo velado e indireto. 

 

As situações envolvendo Bruno Gagliasso e Taís Araújo repetiram o paradoxo da pesquisa do IBGE. Repudiamos (ou fingimos repudiar) o racismo do outro, mas negamos até a morte que façamos o mesmo, especialmente quando ninguém o flagrou.

 

LUCAS RODRIGUES é jornalista e escritor em Cuiabá.




Clique aqui e faça seu comentário


9 Comentário(s).

COMENTE
Nome:
E-Mail:
Dados opcionais:
Comentário:
Marque "Não sou um robô:"
ATENÇÃO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do MidiaNews. Comentários ofensivos, que violem a lei ou o direito de terceiros, serão vetados pelo moderador.

FECHAR

Graci Ourives  05.12.17 12h41
Grande Lucas, parabenizo pelo artigo, sou sua leitora, inteligentes e construtivas suas opiniões. Graci Ourives de Miranda
5
1
Jadirson  04.12.17 14h13
Primeiramente vamos deixar algo bem dito: Só existe a raça humana, o resto são características das pessoas, faz tem que caiu tal definição de raça entre humanos. A Tais Araújo, disse " acor do meu filho faz as pessoas mudarem de calçada", ela não especificou que mudam de calcada quando veem o filho dela, mas sim que isso acontece com inúmeras pessoas pelo Brasil que possuem cor de pele negra. Sim, isso acontece, mas os racistas preferiram entender de forma diferente.
25
10
Marcelo Cuiabano  04.12.17 13h26
Parabéns Lucas, foi perfeito seu raciocínio. Você colocou o dedo na ferida: infelizmente a hipocrisia reina solta nesse país. A sociedade brasileira é preconceituosa, é racista, apenas e tão somente não admite, age de maneira velada, querendo apontar o dedo pro outro, quando na verdade, todos fazem igual.
27
12
alex r  04.12.17 11h51
Tema interessante, mas com todo respeito pensei numa outra coisa: SE a pessoa fica incomodada ela agora não pode mais se mudar ? Quer dizer que mesmo que eu esteja errado já não posso fazer mais as coisas dentro do meu direito que a ditadura "politicamente correta " vai imperar? Está estranho os tempos de hoje, numa sociedade sem educação e sem senso cítrico o que um pensa devemos todos pensar sem levar em conta nossos valores, cultura, direito, princípios ... Me solidarizo com os casos mas isto me fez pensar tenho eu o direito de me incomodar com as coisas?
13
17
EDILSON R DA SILVA  04.12.17 11h05
EDILSON R DA SILVA, seu comentário foi vetado por conter expressões agressivas, ofensas e/ou denúncias sem provas

Leia mais notícias sobre Opinião:
Dezembro de 2017
13.12.17 07h02 » Este país é uma piada
13.12.17 06h58 » Viciados em telas azuis
13.12.17 06h50 » Dor ciática? Pode ser hérnia de disco!
13.12.17 06h45 » Brutalidade criminal
13.12.17 06h30 » A China gafanhoto e nós caipiras
12.12.17 21h00 » Superando desafios
12.12.17 20h00 » Isonomia e a pequena empresa
12.12.17 12h00 » Arquitetos, voos e ferrovias
12.12.17 06h57 » Rio de Janeiro x MT
12.12.17 06h50 » O impacto de um sorriso

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

1999-2017 MidiaNews - Credibilidade em Tempo Real - Tel.: (65) 3027-5770 - Todos os direitos reservados