ENQUETES

Qual sua expectativa sobre a seleção brasileira nesta Copa?

PUBLICIDADE

Opinião / ONOFRE RIBEIRO
03.04.2018 | 10h30
Tamanho do texto A- A+

Pobreza de ideias

Nenhum dos propostos candidatos tem uma ideia brilhante; todos repetem os versículos da velha cartilha

Venho acompanhando as movimentações em torno da eleição de governador, de dois senadores, de oito deputados federais e de 24 deputados estaduais. Praticamente sem partido, não pelas siglas, mas pela pobreza de suas existências, todos os candidatos rezam numa mesma velha cartilha rasgada. Páginas inteiras ilegíveis. Ninguém tem ideias relevantes pro seu papel uma vez eleitos.

 

A pobreza de ideias e, em consequência, de planejamento, é de doer. Nenhum de todos os propostos candidatos a todos os cargos tem uma ideia brilhante. Todos repetem os versículos da velha cartilha que vem desde 1500. Nenhum sinal mínimo de planejamento. Aliás, desde o governo Dante que se iniciou em 1995 e teve um planejamento que nem chegou a ser implantado por completo, nunca mais se planejou o dia de amanhã.

 

O planejamento foi abolido em definitivo da cartilha dos pretensos candidatos. Pior aqueles que se propõem neste momento a governador. Nada de ideias. Nada de planos. Só o falatório eleitoral.

 

Olham a planície mas não enxergam os 3 milhões e 205 mil mato-grossenses que trabalham diariamente pra sustentar a destrambelhada máquina governamental. Inchada. Pesada, Ineficiente. Inimiga dos cidadãos. Corporativista e alienada em relação aos interesses dos cidadãos-contribuintes dos impostos. Na prática, iremos pra mais uma eleição no escuro. Ninguém que disputa sabe a que veio. E os eleitos dessa massa de candidatos um ou outro sabe por onde andarão os próximos 4 anos.


Traduzindo no português mais simplório: não se tem planos pro amanhã!

 

Mesmo que 4 anos na velocidade dos tempos atuais seja uma eternidade, não se planeja. Discursa-se. Falatórios.

 

A economia mundial se transforma a olhos vistos. A política também. Surgem espaços ótimos pra estados como Mato Grosso ricos na produção de alimentos, em água, em oxigênio e em minerais.

 

O que fazer com isso agora, nos próximos 4 anos e no futuro? A impressão que os candidatos nos passam é a de que pensar dói muito. Logo, pra que pensar se a sociedade é inerte? Grande engano. Ela está despertando. Pode não saber o que quer. Mas já descobriu o que não quer. Fica a reflexão.

 

Os próximos 4 anos serão de  cobranças!

ONOFRE RIBEIRO é jornalista 




Clique aqui e faça seu comentário


0 Comentário(s).

COMENTE
Nome:
E-Mail:
Dados opcionais:
Comentário:
Marque "Não sou um robô:"
ATENÇÃO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do MidiaNews. Comentários ofensivos, que violem a lei ou o direito de terceiros, serão vetados pelo moderador.

FECHAR

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Leia mais notícias sobre Opinião:
Junho de 2018
20.06.18 10h20 » Casa de Cupim
20.06.18 10h18 » Gestão da Petrobrás
20.06.18 08h51 » Ativismo judicial e a revolução pelas canetas
20.06.18 08h30 » Retrovisor e luz de ré
19.06.18 23h00 » Custos da máquina pública
19.06.18 17h11 » Imposto sobre a morte?
19.06.18 16h50 » Organização x burocratização
19.06.18 14h12 » Toda improbidade gera inelegibilidade?
19.06.18 09h00 » Todos contra a MP 841
18.06.18 23h00 » Mato Grosso não piorou nos últimos anos!

1999-2018 MidiaNews - Credibilidade em Tempo Real - Tel.: (65) 3027-5770 - Todos os direitos reservados