ENQUETES

Como você avalia o atendimento do Detran-MT?

PUBLICIDADE

Opinião / MARCELO FERRAZ
13.07.2017 | 09h30
Tamanho do texto A- A+

Não é preciso oprimir para gerar empregos

Reforma trabalhista será sancionada sob a luz dos interesses injustos e meramente privados de uma minoria elitista

Os parlamentares governistas, ligados à república de Temer, aprovaram nesta semana a reforma trabalhista. Agora, ela será sancionada sob a luz dos interesses injustos e meramente privados de uma minoria elitista – “membros ilustres” da aristocracia brasileira.
 
Em um país com quase 15 milhões de analfabetos absolutos e cerca de 35 milhões de analfabetos funcionais (segundo os últimos dados do IBGE), os “eméritos” legisladores draconianos praticamente sepultaram a Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) para fazer valer o “acordado” sobre o legislado.
 
Ao invés de estarem amparados pela lei, agora os trabalhadores estarão desemparados pela falta de leis, pois a manobra política tende a enfraquecer a representatividade dos sindicatos, a impedir a postulação jurídica dos operadores do direto, bem como a amordaçar as mãos da Justiça do Trabalho, impedindo-a com isso que possa ser provocada.
 
Um golpe covarde contra os trabalhadores sem o mínimo de instrução sobre o assunto, que não têm culpa de viverem em um país com um sistema educacional falido.

Ao invés de estarem amparados pela lei, agora os trabalhadores estarão desemparados pela falta de leis, pois a manobra política tende a enfraquecer a representatividade dos sindicatos

 
Então, ao furtarem a possibilidade de defesa dos direitos e de um possível julgamento por parte da Justiça, o trabalhador é remetido à condição de serviçal, para o tempo do costume primitivo, onde prevalece (sem a intervenção do estado) o poder dos mais fortes sobre o mais fracos.
 
Ou seja, lá nos rincões interioranos do Brasil, diante da relação trabalhista sem amparo legal, o empregador terá toda legitimidade para manipular o acordo e fazer valer os interesses da empresa em detrimento de uma relação patronal mais equitativa.    
             
Contudo, a consequência da aprovação dessa reforma, em logo prazo, será a precarização do trabalho.
 
Quando forças ocultas da política lutam para diminuir os direitos e aprovam mecanismos de ampliação do trabalho temporário, bem como da terceirização de todas as atividades empresariais, destituindo os trabalhadores das garantias celetistas e constitucionais, ter-se-á uma marcha para a desvalorização descomedida da mão-de-obra.
 
A exemplo: o empregador tem 100 empregados e gasta 300 mil com a folha de pagamento.
 
Agora, depois de entrar em vigor o pacote de medidas econômicas messiânicas de Temer, o empresário pode mandar todo mundo embora e contratar o dobro da mão-de-obra pelo mesmo valor, ou manter o mesmo número de funcionário com a metade do orçamento de antes. Isso mesmo: desemprego em massa. O que vai ocorrer é a substituição da mão-de-obra qualificada e valorizada pela barata.
 
Deste modo, com o salário desvalorizado e o trabalhado precarizado, este mesmo trabalhador torna-se um consumidor precarizado, sem dinheiro para consumir.
 
Não é preciso ter a mente brilhante do atual ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, para saber que isso engessa, no futuro próximo, o desenvolvimento econômico e social do país, sem contar que teremos, a cada dia, menos poupança, mais doenças ocupacionais para desequilibrar ainda mais o orçamento da seguridade social.
 
É por isso que depois da reforma trabalhista, a luta deles será para aprovar a reforma da previdência, senão o colapso do sistema econômico brasileiro será total.
 
Em que pese o crescimento econômico do país, ninguém quer impedir que as empresas gerem mais postos de trabalhos formais. Até porque, hoje no Brasil existem quase 14 milhões de desempregados.
 
Por outro lado, para isso, o Governo deveria se empenhar em realizar a reforma tributária e assim permitir que a classe empresarial valorizasse a quantidade de trabalhadores que já empregam e receber incentivos pelos benefícios que concedem a eles, da mesma forma quando cumprem o seu papel socioambiental.
 
E desta maneira, desafogados dos altos impostos, poder respirar e conseguir aumentar a produtividade para, enfim, gerar mais empregos sem ter que oprimir ninguém para tal objetivo.  
 
Contudo,  do contrário não conseguiremos afastar o fantasma da precarização e caminhar para um futuro de desenvolvimento sustentável, no qual uma democracia, também econômica, possa incluir cada vez mais os cidadãos brasileiros. 
      
MARCELO FERRAZ é jornalista e escritor em Cuiabá.



Clique aqui e faça seu comentário


2 Comentário(s).

COMENTE
Nome:
E-Mail:
Dados opcionais:
Comentário:
Marque "Não sou um robô:"
ATENÇÃO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do MidiaNews. Comentários ofensivos, que violem a lei ou o direito de terceiros, serão vetados pelo moderador.

FECHAR

Carlos Nunes  13.07.17 18h31
Por que foi criada a CLT? Pra tentar acabar com as injustiças contra o Trabalhador, é claro. Foi uma das maiores conquistas sociais do Brasil E mesmo com a CLT algumas injustiças continuaram, mas foram saneadas pela Justiça...milhões de trabalhadores ganharam na Justiça seus direitos assegurados. Como tudo o que é bom...tentam acabar, agora, com a desculpa da crise, inventaram moda. É evidente que essa nova Reforma Trabalhista não vai funcionar...segundo ela nunca mais vai existir atrito, discordância, entre o Trabalhador e o Patrão. De repente, na cabeça deles, haverá uma harmonia total. Ih! Isso nem nos países do primeiro mundo acontece, seria utópico pra burro. No fundo, no fundo, só querem baratear a mão de obra, pra trazer investidores estrangeiros, vendendo aquela imagem...invista no Brasil, que a mão de obra ficou baratinha, baratinha; a reação do trabalhador será mínima; os sindicatos não mais contarão com o Imposto Sindical, que é 1 dia de trabalho do trabalhador. Vai ficar uma beleza. Enquanto isso...o FGTS do Trabalhador é ajustado anualmente nos míseros 3 POR CENTO, enquanto os juros bancários, alguns chegam a 400% ao ano. FGTS deveria ser corrigido pela Poupança, porque o Governo trabalha com esse dinheiro do Trabalhador, e remunera uma miséria.
3
0
+Marcelo F  13.07.17 18h14
Sr. jornalista, analise a realidade da grande maioria das empresas brasileiras, salvo em alguns segmentos específicos a grande maioria está em situação de penúria. Agora quanto aos sindicatos, a maior parte (para não dizer todos) são um agrupado de desocupados que não agregam nada à sociedade e sim a seus bolsos. Não seja tendencioso, pois o sr. tem uma arma, que é a caneta, não a use com objetivos de uma classe e/ou partido.
0
1

Leia mais notícias sobre Opinião:
Novembro de 2017
20.11.17 07h00 » Responsabilidade civil do médico
20.11.17 06h58 » Até quando?
20.11.17 06h50 » O maná não é para todos?
20.11.17 06h30 » Política versus economia
19.11.17 21h00 » Orgulho gay
19.11.17 20h00 » Rodeio de touros em Cuiabá
19.11.17 06h50 » Uma grande mulher, uma grande escritora
19.11.17 06h45 » Família: a construção da vida
19.11.17 06h30 » Sinais do futuro
18.11.17 21h00 » A difícil vida do branco, hétero e rico

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

1999-2017 MidiaNews - Credibilidade em Tempo Real - Tel.: (65) 3027-5770 - Todos os direitos reservados