ENQUETES

Você achou justo o afastamento dos 5 conselheiros do TCE-MT pelo STF?

PUBLICIDADE

Opinião / ROSANA LEITE
19.04.2017 | 08h05
Tamanho do texto A- A+

Músicas versus igualdade

Canção de Amado Batista: não é possível tratar uma melodia que desenha agressões, como normal

Dias desses, tendo o rádio como companhia, ouvi a música de trabalho do cantor Amado Batista. Chama-se “Peão de Obra”. A composição tenta retratar a labuta e as agruras passadas por esses profissionais. Foi inevitável a percepção, já que o próprio músico é o compositor, da forma como enxerga as mulheres.

           

A partir da terceira estrofe, a canção ofende o gênero feminino e expõe o assédio, senão vejamos: “Eu estava lá na obraUma gata passou Desfilando de carrão Joguei beijos pra ela Mas ela nem olhou Se eu fosse um engenheiroUm granfino com dinheiroEla sim ia me ver Mas sou simples cidadão Pau mandado do patrão Que veio do norte para vencerDói dói dói Dói saberSe eu fosse um empresário E andasse de Ferrari Ela parava pra me ver Dói dói dói Dói saber Mas sou um simples peão Meu carrinho é de mão E não sou nada pra você.”

           

É sabido que as músicas são imagens da sociedade, e naturalizam determinadas ações, as repercutindo como naturais. O patriarcalismo é visível na cultura popular, dificultando a importância do tratamento humanizado, livre das temidas discriminações.

A figura da mulher como interesseira é um ataque, deixando transparecer que aceitaria ser humilhada através de abusos

           

O cantar é externar que concorda com o que foi dito na canção. Não é comum cantarolar sobre algo que se discorda. É ditado popular: “Quem canta, seus males espanta”. O que dizer, então, sobre cantar a violência, a agressão, o assédio e a discriminação? Em outros tempos cantou-se que “Amélia não tinha a menor vaidadeAmélia que era mulher de verdade.” Passamos pela “lôra burra”, “só as cachorras”, “um tapinha não dói”, dentre outras versões, no mínimo sinistras, que menosprezaram a condição da mulher.

           

Agora, após tanta discussão, com direitos conquistados e luta por efetivação, não é possível tratar uma melodia que desenha agressões, como normal. A primeira violência vislumbrada é o assédio, ao afirmar que a “gata” passou de carrão e beijos lhe foram jogados. É a típica cantada, daquelas que de elogio nada tem. Ficou evidente que aquela mulher não desejava esse tipo de abordagem.

 

Entretanto, assim foi feito. A outra violência enxergada é o tratamento dado à mulher como coisa, objeto que se compra. A figura da mulher como interesseira é um ataque, deixando transparecer que aceitaria ser humilhada através de abusos, caso o ofensor fosse portador de condição financeira privilegiada.

           

Até quando teremos que conviver com esses insultos? Seria a pátria de todas as mulheres o dinheiro? Aceitariam, todas, manter relacionamentos amorosos por presentes caros? Fica claro que o autor da canção generalizou e foi patriarcalista com as suas declarações.     

           

A grande preocupação momentânea é extirpar as diferenças, que teimam em existir, mesmo com tanta disseminação por tratamento igual. Se há aceitação de propagandas que fazem da mulher objeto, de piadas de péssimo gosto que as diminuem, ou, se as melodias cantaroladas agridem, o caminho ainda é de muita batalha por dias melhores.  

           

A música trabalha as nossas emoções, podendo a musicoterapia ser utilizada para tratamento de doenças, inclusive, para amenizar dores físicas. Os sentimentos são tocados pelos sons. A balada entra em contato com o sistema límbico cerebral, em importante região da cabeça, responsável pela emoção e afetividade.

 

Além de contribuir para a produção de endorfina, acessando o hipocampo, responsável pela memória. Porém, o viés também pode ocorrer. Porquanto, se os estímulos são para músicas tendenciosas à violência, o subconsciente laborará neste sentido.

           

É de se ressaltar o respeito ao referido cantor e compositor, que, inclusive, é formador de opinião.

           

O efeito “cliquet” dos direitos humanos veda o regresso. Os retrocessos são prejudiciais às gerações futuras, e só serão sentidos com o tempo.

 

Rosana Leite Antunes de Barros é defensora pública estadual.




Clique aqui e faça seu comentário


10 Comentário(s).

COMENTE
Nome:
E-Mail:
Dados opcionais:
Comentário:
Marque "Não sou um robô:"
ATENÇÃO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do MidiaNews. Comentários ofensivos, que violem a lei ou o direito de terceiros, serão vetados pelo moderador.

FECHAR

Alex r  20.04.17 00h23
Discurso estritamente Feminazi.... Oras cultura é cultura, está errada? ok, então compete moldarmos o futuro ,mas o que passou... passou... Licença poética já ouviu falar?
5
0
ELI ROCHA  19.04.17 17h38
Dra, acho que a ilustre defensora pública não deveria ter mandado publicar esse artigo. Até está parecendo que voltamos à época da ditadura, quando os censores "inventavam ou viam" coisas irreais para censurar a letra de uma música.
20
2
JEFERSON MATOS  19.04.17 15h51
Música boa e honesta. O artigo é que não sabe o que expressar.
29
3
Walter  19.04.17 15h36
"Não sei se dou na cara dela ou bato em você" - Naiara Azevedo. Ai pode né? Se não pode estou esperando o textão de vossa excelência criticando a moça citada. Há braços.
35
3
Campos  19.04.17 12h37
Rosana, me desculpe, mas a sua fala é tão sem noção... Ultrapassada para os dias atuais... fica até difícil comentar...
33
3

Leia mais notícias sobre Opinião:
Setembro de 2017
25.09.17 07h00 » Sabedoria popular
25.09.17 06h56 » Enclaves no cenário estranho
25.09.17 06h55 » A verdade não muda
25.09.17 06h50 » Faces relativas da verdade
24.09.17 21h00 » Sobre censuras
24.09.17 06h58 » Setembro chegou sem FEX
24.09.17 06h50 » Sorriso e autoestima
24.09.17 06h40 » De filhos e netos
24.09.17 06h30 » Zangou tudo
23.09.17 21h00 » Secretário tem mandato ou é mandado?

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

1999-2017 MidiaNews - Credibilidade em Tempo Real - Tel.: (65) 3027-5770 - Todos os direitos reservados