ENQUETES

Como você avalia o atendimento do Detran-MT?

PUBLICIDADE

Opinião / JOSÉ ANTONIO LEMOS
14.11.2017 | 21h00
Tamanho do texto A- A+

Joaquim Murtinho

Erro em placa de sinalização de rua de Cuiabá registrou as digitais de nossa atual ignorância histórico-cultural

“Quem morre em Cuiabá, morre para sempre”. Mais ou menos assim, se referiu Estevão de Mendonça à peculiaridade cuiabana de esquecer seus vultos, os quais além de morrerem de corpo morriam pelo esquecimento.

 

E ainda morrem. Mais que morto, o finado é esquecido na memória de seus conterrâneos, “mortinho da silva”.

 

Confirmando o pai de Rubens de Mendonça, a Prefeitura de Cuiabá emplacou um retumbante “Joaquim Mortinho” na sinalização oficial da rua que homenageia o grande estadista brasileiro Joaquim Murtinho.

 

O erro foi reconhecido e a placa corrigida, não sem antes deixar registrada em fotos e redes sociais as digitais de nossa atual ignorância histórico-cultural, que aumenta assustadoramente a cada dia. Logo a terra de Dom Aquino...

 

No próximo 7 de dezembro, caberia uma homenagem mais digna ao grande cuiabano nascido nesse dia em 1848. Um desagravo talvez.

 

Foi engenheiro civil e médico homeopata, professor da Escola Politécnica, deputado federal, senador, ministro da Viação e da Fazenda.

 

Para Rubens de Mendonça, foi o maior estadista e financista brasileiro da primeira república. Muitos só o conhecem em nome de escolas ou ruas, aqui (?), no Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Campo Grande, ou como nome de cidades em Mato Grosso do Sul e Minas Gerais.

Confirmando o pai de Rubens de Mendonça, a Prefeitura de Cuiabá emplacou um retumbante 'Joaquim Mortinho' na sinalização oficial da rua que homenageia o grande estadista brasileiro Joaquim Murtinho

 

Seu prestígio era tal que uma vez Dom Pedro II, Imperador do Brasil, um dos governantes brasileiros mais cultos, assistindo a uma palestra dele sobre homeopatia quis questioná-lo, recebendo a sugestão de que quando "tivesse ímpetos de assistir a uma defesa de tese que Sua Majestade não entenda, deixe-se ficar em casa e leia uma página de Spencer".

 

Mudaram os tempos e mudaram muito as relações de respeito entre a autoridade política e a autoridade técnica.

 

Hoje, qualquer político ou preposto de quinto escalão ou menos acha que pode ignorar o especialista propondo ele próprio sobre questões técnicas que não entende, como na questão urbana. Imagine se não fossemos uma República e ainda tivéssemos imperadores.

 

Felizmente, ainda existem os bons técnicos, como Murtinho, convictos da importância de sua responsabilidade técnica e social.

    

Pioneiro da homeopatia no Brasil foi, porém, como Ministro da Fazenda que Murtinho ficou na história.

 

Lembro Joelmir Betting em artigo de 1984 na Folha de São Paulo: “O saneamento da moeda nacional começou com a presença mágica do ministro Joaquim Murtinho (a partir de 1899). Murtinho só não é apostila nas escolas de economia do mundo ocidental porque nasceu no Brasil, teorizou no Brasil, e não em algum reduto da aristocracia acadêmica nos dois lados do Atlântico Norte.”

 

Diz mais: “Mal empossado no cargo de chanceler do Tesouro, que ele chamava de “monarca dos entulhos”, Joaquim Murtinho disparou um vigoroso “pacote” econômico, politicamente atrevido: a palavra de ordem era a de acabar, em rito sumário, com a especulação financeira do setor bancário”, e segue, “Murtinho entendia que o Brasil da virada do século não podia tolerar uma economia meramente escritural, era preciso promover o refluxo da poupança nacional do mercado de papéis e de divisas para o mercado de produtos e de serviços.”

 

A inflação foi quase a zero gerando o “pânico bancário” de 1900, com o sistema financeiro “experimentando uma quebradeira em cascata”, diz Betting.

    

Aprendi com meu pai, que foi bancário orgulhoso em sê-lo, a reconhecer o valor dos bancos, mas, amargando seus juros, portas giratórias, e o número crescente de taxas exorbitantes, concluo esta homenagem ainda com Betting: “O “czar” Murtinho lavou as mãos enluvadas: que se quebrem todas as casas bancárias, desde que se salvem todas as fábricas, empórios e fazendas...”.

 

Dá para esquecer?    

 

JOSÉ ANTONIO LEMOS DOS SANTOS,  arquiteto e urbanista, é membro do Conselho de Arquitetura e Urbanismo de Mato Grosso e professor universitário em Cuiabá.

joseantoniols2@gmail.com

 

 




Clique aqui e faça seu comentário


0 Comentário(s).

COMENTE
Nome:
E-Mail:
Dados opcionais:
Comentário:
Marque "Não sou um robô:"
ATENÇÃO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do MidiaNews. Comentários ofensivos, que violem a lei ou o direito de terceiros, serão vetados pelo moderador.

FECHAR

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Leia mais notícias sobre Opinião:
Novembro de 2017
23.11.17 07h00 » Existe sempre uma fila
23.11.17 06h58 » Direito e moral
23.11.17 06h50 » Lewandowski e Gilmar desacreditam o STF
23.11.17 06h45 » Vencedores do preconceito
23.11.17 06h30 » Falta pão, falta união
22.11.17 21h00 » Desenquadramento do Prodeic
22.11.17 20h00 » IPVA coercitivo
22.11.17 07h00 » A essencialidade do auditor interno
22.11.17 06h45 » Consciência Negra e as discrepâncias do Brasil
22.11.17 06h30 » O que tem por detrás

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

1999-2017 MidiaNews - Credibilidade em Tempo Real - Tel.: (65) 3027-5770 - Todos os direitos reservados