Cuiabá, Quarta-Feira, 21 de Novembro de 2018
DANIEL BYDLOWSKI
03.11.2018 | 06h55 Tamanho do texto A- A+

Evolução da trilha sonora

No início, não haviam métodos eficientes de sincronização entre som e imagem

Desde de seus primórdios, o cinema sempre atraiu a curiosidade e atenção das pessoas. Independente do gênero cinematográfico, sair para assistir um filme nas telonas já virou rotina na vida de muitos e, a tendência é que esse hábito permaneça presente durante muitos anos.

 

Hoje o cinema evoluiu, e sempre há aqueles cinéfilos que procuram seções com a melhor qualidade de imagens possíveis, acompanhadas de um som surround impecável, o que de certa maneira cria uma imersão muito maior no espectador, afinal o objetivo do cinema sempre foi proporcionar uma viagem ao amante da sétima arte, fazendo com que ele mergulhe de cabeça no universo do filme.

 

Porém nem sempre foi assim. Nos primórdios das produções, não haviam métodos eficientes de sincronização entre som e imagem, o que faziam muitas vezes que os filmes ao serem exibidos apresentassem erros bizarros de compasso entre o que estava sendo visto e o que estava sendo ouvido. Isso acontecia pois ainda não havia tecnologia capaz de registrar sons em um disco separado ou na própria película cinematográfica.

Nos primórdios das produções, não haviam métodos eficientes de sincronização entre som e imagem, o que faziam muitas vezes que os filmes ao serem exibidos apresentassem erros bizarros de compasso

A solução para esse problema foi utilizar pianistas em salas de concerto que eram encarregamos de criar, por meio do improviso, o clímax entre o filme e o som. Algumas salas mais sofisticadas contavam com orquestras completas, que tocavam, muitas vezes, as partituras originais para o filme.

 

Tal deficiência no entanto, não tira jamais o brilho de grandes atores da época, muito pelo contrário, elevam ainda mais o imenso talento deles, como Louise Brooks, Lilian Gish, Buster Keaton, Oliver Hardy e o maior de todos Charlie Chaplin.

 

Para quem não viveu essa época, o filme O Artista (2011) retrata com maestria essa período. O longa, dirigido por Michael Hazanavicius, retrata a Hollywood entre os anos 1927 e 1932, e foca na história de um ator em declínio e uma atriz em ascensão, enquanto o cinema mudo sai de moda, dando lugar ao cinema falado.

 

A partir daí, o som do cinema passou por um grande processo de evolução, assim como a qualidade de imagem e as técnicas utilizadas para gravações. Atualmente, a experiência de uma imersão completa no cinema é cada vez maior, e não há como não arrepiar até o último fio de cabelo ao ouvir a Marcha Imperial de Star Wars, o tema utilizado nos momentos de tensão em Indiana Jones, ou se apaixonar pela canção de Celine Dion nos momentos de amor entre Jack e Rose em Titanic. 

 

DANIEL BYDLOWSKI é cineasta brasileiro, membro do Directors Guild of America e artista de realidade virtual.




Clique aqui e faça seu comentário


COMENTÁRIOS
0 Comentário(s).

COMENTE
Nome:
E-Mail:
Dados opcionais:
Comentário:
Marque "Não sou um robô:"
ATENÇÃO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do MidiaNews. Comentários ofensivos, que violem a lei ou o direito de terceiros, serão vetados pelo moderador.

FECHAR

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Leia mais notícias sobre Opinião:
Novembro de 2018
20.11.18 08h00 » Pensando sempre em vencer
20.11.18 08h00 » Dia do biomédico
20.11.18 07h55 » Você é muito mais
20.11.18 07h55 » A taxação do agronegócio
19.11.18 07h25 » Como ficar no "azul" em 2019
19.11.18 07h22 » Solução é cortar salários
19.11.18 07h18 » Botão do assédio
18.11.18 07h57 » Escravidão e poder