ENQUETES

Você vai assistir ao horário eleitoral gratuito na TV?

PUBLICIDADE

Opinião / EDUARDO GOMES
17.05.2018 | 23h00
Tamanho do texto A- A+

De retrógrado

Quem viveu 1964 sabe que à época o mundo estava à sombra da guerra fria

História se transcreve, não se reescreve. Digo isso em relação a 1964. Quando fatos são inventados, distorcidos, descontextualizados são apresentados décadas depois de sua suposta existência, e em tom vingativo acima do marco regulatório da anistia ampla, geral e irrestrita, em mão dupla como o próprio nome sugere, é preciso acender a luz amarela sobre a imaginária linha que separa o suportável do insuportável – no contexto do país enquanto Estado.

 

Quem viveu 1964 sabe que à época o mundo estava à sombra da guerra fria. À frente do governo estava Jango Goulart, comunista, apoiado por uma minoria ideológica que assustava a população por seu discurso de ódio entre classes, pelo propósito de quebrar o direito de propriedade e de transformar todo fazendeiro, empresário e político democrata em personagem de fuzilamento.

 

Contra a esquerda, líderes civis e as Forças Armadas derrubaram Jango e o cuiabano 16º Batalhão de Caçadores do Exército (16º BC) tendo à frente o coronel Meira Mattos ocupou o Palácio da Alvorada.

 

Castelo Branco assumiu o poder ungido pelo Congresso. A resposta foi imediata: entraram em cena grupos guerrilheiros

Castelo Branco assumiu o poder ungido pelo Congresso. A resposta foi imediata: entraram em cena grupos guerrilheiros. O mineiro Gilnei Viana ganhou fama na guerrilha; condenado por assassinato de inocentes (o fim justifica os meios) foi trancafiado até o indulto da anistia levá-lo de volta à luz do sol. 

 

Em Mato Grosso, pelo PT, Gilnei disputou a prefeitura de Cuiabá, foi deputado federal e estadual. Mesmo com as mãos manchadas pelo sangue, Gilnei nunca foi cobrado por seus crimes: sempre prevaleceram as regras da anistia.

 

Por minha convicção democrática temo pelas consequências dos ataques ao Exército e a política de desconstrução de Geisel e João Figueiredo, ora em curso com muita força nas mídias sociais e na Globo. Não somente pela formação militar, que não permite braços cruzados diante da fúria inimiga, mas principalmente pelo ressurgimento da ameaça que resultou em 1964 agravada pela corrupção e as vantagens aos poderes em todas as suas esferas, a caserna pode sair às ruas e tomar o poder nos braços do povo.

 

A minoria irritante quer assumir o Brasil, virar a página da liberdade e fechar o estreito caminho por onde o Estado Brasileiro busca o desenvolvimento econômico e a paz social, mesmo no mar de lama em que nos encontramos. Esse inferiorizado número de cidadãos tem visão monocular: enxerga os erros dos que pensam de outro modo, mas não consegue ver as ratazanas que infelicitaram os governados no período Lula-Dilma. Não sei até quando as Forças Armadas permanecerão caladas.

 

Avalio que quando quebrarem o silêncio novamente ouviremos – 54 anos depois de 1964 - a mesma canção da esperança, da moralização, da ordem pública e do amor pátrio nessa terra ameaçada por pensamento retrógado.

 

EDUARDO GOMES DE ANDRADE é jornalista




Clique aqui e faça seu comentário


5 Comentário(s).

COMENTE
Nome:
E-Mail:
Dados opcionais:
Comentário:
Marque "Não sou um robô:"
ATENÇÃO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do MidiaNews. Comentários ofensivos, que violem a lei ou o direito de terceiros, serão vetados pelo moderador.

FECHAR

Walter  17.05.18 15h08
Hoje vivemos no meio da Guerra quente. São 62 mil civis mortos por ano. Em todo o regime militar, na conta da "comissão da verdade", registraram 450 assassinatos e desaparecidos apenas, isso no decorrer dos 20 anos. Ou seja, atualmente no nosso país, temos em um ano, temos mortos para 2740 anos de ditadura militar. É mole ou quer mais?
2
0
Lodovico Settembrini  17.05.18 14h04
É verdade, Antonio Carlos! Naquela época, também ia tudo bem na minha bolha.
1
1
Jota Jota  17.05.18 13h52
Excelente Texto. Parabéns.
2
0
Zeca  17.05.18 10h35
Parabéns Eduardo Gomes de Andrade pelo excelente artigo.
6
2
Antonio Carlos  17.05.18 10h01
ha muito tempo não leio algo com tamanha clareza do período militar. Estudei na USP e nunca tivemos problema de liberdade de expressão. Apenas aqueles estudantes arruaceiros, pouco chegados aos estudos e normalmente fumadores de maconha é que viviam com problemas.
7
2

Leia mais notícias sobre Opinião:
Agosto de 2018
19.08.18 08h05 » Proibição do Glifosato
19.08.18 08h00 » Controle externo é arma da democracia
19.08.18 08h00 » PF, orgulho nacional
18.08.18 18h01 » Estratégia é o ponto forte
18.08.18 18h00 » Oligarquia X Taques
18.08.18 07h30 » Atitude honrosa
17.08.18 18h05 » De alma
17.08.18 18h00 » Política e constrangimento
17.08.18 08h25 » Como ter mais controle da sua vida?
17.08.18 08h18 » Não existe futuro sem moços

1999-2018 MidiaNews - Credibilidade em Tempo Real - Tel.: (65) 3027-5770 - Todos os direitos reservados

Ver em: Celular - Web