ENQUETES

Você é a favor ou contra O FIM do estatuto do desarmamento?

PUBLICIDADE

Opinião / BENEDITO DORILEO
08.08.2017 | 20h00
Tamanho do texto A- A+

Cuiabá barulhenta

O desafio sonoro está na soleira das portas das autoridades que cruzam irresponsavelmente os braços

Conhecendo Cuiabá, o cabo-verdiano, pesquisador em Boston, assustou-se diante do barulho: o que é isto?! Em diálogo, sustentou: um ambiente sonoro equilibrado, menos poluído por sons é fundamental para a qualidade de vida.

 

Difícil justificar para o visitante tamanha agressão sonora em um apertado espaço citadino plantado na imensidão do cerrado. Transformou-se o garimpo de Sutil, cresceu, virou cidade com ruas e ruelas tortuosas e íngremes, entulhadas de latas e de máquinas.

 

O seu trânsito é ladrão do direito do pedestre, a sua máquina barulhenta agride o ser humano e o próprio habitat.

 

O estudioso sabe que o órgão auditivo é o primeiro a ficar pronto, pouco depois dos 4 meses de gestação. É o nosso primeiro contato com o mundo. Como comportam mãe e feto?

 

Para quem valoriza a paisagem sonora, as memórias musicais têm muito valor. Ou a memória auditiva, como possuo sons da infância em Cuiabá, com forte conteúdo emocional: o arulho das águas do rio Cuiabá com águas límpidas, a passarada com cantos diversificados, as melífluas melodias do violino e do piano, órgão, a suavidade da valsa no rádio de válvulas, a cantiga de roda, o chiar do carro-de-boi em Coxipó da Ponte, o trotear do cavalo ou o ciziar da cigarra, o repicar do sino ou o espocar do foguete, o tique-taque do relógio ou o grito do peixeiro, o latido, o berro, o miado, o cricri, o galicanto ou o cacarejo.

 

Tudo o mais não era a conspiração sonora de hoje, mas sonoridade pacificadora. Expandir-se sem planejamento foi o grande mal.

Para quem valoriza a paisagem sonora, as memórias musicais têm muito valor. Ou a memória auditiva, como possuo sons da infância em Cuiabá, com forte conteúdo emocional: o arulho das águas do rio Cuiabá com águas límpidas

 

Despreocupação com o plano diretor, aliada à pobreza de recursos financeiros, e ainda à voracidade dos empreendimentos imobiliários mal controlados.

Habitamos uma cidade desumana, no perímetro central e nos bairros reinam impunes a estridência sem limite da sirene ou o barulho perturbante da motocicleta sem silenciador. A fiscalização obrigatória e a penalidade não acontecem.

 

Os detentores do Poder buscam desconhecer o problema. Governo do Estado e Secretarias, Prefeitura Municipal, e vereadores, distanciam-se da responsabilidade.

 

Os dirigentes em sua maioria alojam-se em condomínios horizontais aprazíveis distantes do centro urbano, esquecendo-se da cidade tradicional, onde estão os edifícios residenciais.

 

Pobre geração que não conheceu os rios e riachos cuiabanos de água pura, nem ouviu o borbulhar das cachoeiras, nem pisou a relva serenada. Geração, embrutecida pela tecnologia mal-usada, atormenta e torna-se vítima também; pois o seu espírito não foi lapidado pala natureza acolhedora.

 

A educação que lhe é oferecida é desprogramada para a vida em sociedade. Não se lhe entalhou o espírito da cidadania. Fácil falar em educação, todavia depende dos atores da educação.

 

O "trruumm" denuncia a incivilidade e a selvageria do asfalto. Machuca ouvidos e instala doenças.

 

No dia a dia, o excesso de sons prejudiciais afasta-nos da compreensão silenciosa do nosso tempo pessoal.

 

O desafio sonoro está na soleira das portas das autoridades que cruzam irresponsavelmente os braços.

 

BENEDITO PEDRO DORILEO é advogado e foi reitor da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT).




Clique aqui e faça seu comentário


5 Comentário(s).

COMENTE
Nome:
E-Mail:
Dados opcionais:
Comentário:
Marque "Não sou um robô:"
ATENÇÃO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do MidiaNews. Comentários ofensivos, que violem a lei ou o direito de terceiros, serão vetados pelo moderador.

FECHAR

Jonel Benedito Ferreira de Arruda  09.08.17 06h40
Parabéns, Prof. Dorileo. Sábias e denunciadoras palavras!
0
0
Paulo  08.08.17 20h36
Excelente artigo Caro Prof.Dorileo! Realmente as autoridades municipal e estadual são totalmente omissas nesta situação critica da cidade.
0
0
ElaineAhy  08.08.17 11h36
Concordo com o texto. Infelizmente festas que eram para serem comemoradas com bom senso (som baixo),extravasam o normal, são ouvidas por vários bairros.
6
0
carlos  08.08.17 09h48
Parabéns, pelo tema abordado.
6
0
Renato Gomes Nery  08.08.17 09h02
Excelente, apropriado, pertinente e oportuno o seu texto Professor Dorileo
6
0

Leia mais notícias sobre Opinião:
Outubro de 2017
21.10.17 09h30 » De mundo melhor
21.10.17 07h10 » Não à arbitrariedade
21.10.17 07h00 » Cuiabá não pode ser prejudicada
21.10.17 06h45 » Mediação empresarial
20.10.17 21h00 » O papel da oposição e o de líderes
20.10.17 20h00 » Crise moral, pobreza política
20.10.17 06h50 » Educação Política (27)
20.10.17 06h45 » É hora do agronegócio suceder
20.10.17 06h30 » 40 anos depois da divisão – Final
19.10.17 21h00 » Evo, ZPE e Fiemt

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

1999-2017 MidiaNews - Credibilidade em Tempo Real - Tel.: (65) 3027-5770 - Todos os direitos reservados