ENQUETES

Você é a favor ou contra O FIM do estatuto do desarmamento?

PUBLICIDADE

Opinião / PAULO LEMOS
09.10.2017 | 21h00
Tamanho do texto A- A+

Atrasaram o relógio no Brasil

O país ainda não ingressou no século XXI. Está fixado no século XVIII e XIX, em alguns casos, até na Idade Média

O mundo desenvolvido faz debates temáticos sobre desenvolvimento econômico e sustentabilidade da natureza, robótica e novos modelos de trabalho, mutações genéticas em laboratórios e estrutura biológica evoluída naturalmente.
 
No Brasil atual, por outro lado, vê-se: 
 
"O aumento exponencial e a condescendência criminosa com o desmatamento, as queimadas e o uso indiscriminado de agrotóxicos - alguns deles proibidos noutros países, suspeitos de contribuir diretamente para e epidemia de câncer que temos testemunhado perplexos; 
 
A supressão dos valores sociais do trabalho e o congelamento de aumento real do salário mínimo - na contramão das grandes potências mundiais, que mais crescem hodiernamente, como China e Alemanha;

Aqui, parte dos "políticos ungidos" fazem dos religiosos "rebanhos da fé" e "currais eleitorais"

 
A censura de pautas como política de gêneros, diversidade sexual, livre manifestação artística, entre outros - pacíficas nos currículos escolares das comunidades campeãs em índices de desenvolvimento humano, como as escandinavas."
 
O país ainda não ingressou no século XXI. Está fixado no século XVIII e XIX, em alguns casos, até na Idade Média, ante a confusão entre Igreja e Estado, com a (in)consequente negação da laicidade dele.
 
Aqui, parte dos "políticos ungidos" fazem dos religiosos "rebanhos da fé" e "currais eleitorais", enquanto alguns "religiosos fervorosos" fazem dos espaços políticos da República "sede de cultos" e "show de milagres".
 
Atrasaram o relógio no Brasil, para antes de marechal Manuel Deodoro da Fonseca (Proclamação da República) e de dom Pedro de Alcântara de Bragança (Grito da Independência). Há quem diga que o relógio foi regulado para voltar à época dos 'Pedros", Álvares Cabral e Vaz de Caminha.
 
PAULO LEMOS é advogado em Mato Grosso.



Clique aqui e faça seu comentário


3 Comentário(s).

COMENTE
Nome:
E-Mail:
Dados opcionais:
Comentário:
Marque "Não sou um robô:"
ATENÇÃO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do MidiaNews. Comentários ofensivos, que violem a lei ou o direito de terceiros, serão vetados pelo moderador.

FECHAR

CARLOS EDUARDO SCHNEIDER  09.10.17 16h12
Parabéns, mas não se esqueça que temos o desmatamento legal e o ilegal, isso NUNCA é dito. Nos países mais avançados como citou, nem exigem área de reserva nas fazendas. Ou seja, estamos atrasadíssimos mesmo nesse quesito.
5
5
+Marcelo F  09.10.17 10h28
Eu trabalho na iniciativa privada, tive perda salarial de aprox. 7% no meu dissídio nos últimos dois anos, e por pior que o vice da DILMA SEJA, vejo isso como herança do desgoverno do seu PT nos últimos quase 15 anos (até pq o Temer, foi vice da chapa da Dilma, não se esqueça).
12
8
+Marcelo F  09.10.17 10h26
Se você acha correto colocar uma criança em uma peça, tocando um homem adulto, que se faça com a sua filha, se é que tem, pois isso não deve ser o pensamento de um pai, que ama e protege os filhos de todos essas aberrações, defendidas pelos nossos "artistas".
30
8

Leia mais notícias sobre Opinião:
Outubro de 2017
18.10.17 07h01 » Micro e pequenos empresários
18.10.17 07h00 » Monumentos iluminados
18.10.17 06h57 » O professor
18.10.17 06h50 » Defender a lei a todo custo
18.10.17 06h30 » Silêncio geral
17.10.17 21h00 » Sarita, uma homenagem póstuma
17.10.17 20h00 » Ignorância e direitos humanos
17.10.17 06h56 » Educação apenas no discurso
17.10.17 06h50 » Olhar para onde os jovens estão olhando
17.10.17 06h30 » 40 anos depois da divisão – 3

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

1999-2017 MidiaNews - Credibilidade em Tempo Real - Tel.: (65) 3027-5770 - Todos os direitos reservados