ENQUETES

Como você avalia o atendimento do Detran-MT?

PUBLICIDADE

Opinião / EDUARDO MAHON
20.03.2017 | 09h58
Tamanho do texto A- A+

A carne é fraca

O cartel que pressiona produtor já recebeu dinheiro público demais para reclamar de alguma coisa

Não me surpreendo com mais nada. O Brasil é o próprio país das maravilhas, pensado por Lewis Caroll. Vivemos numa realidade paralela, onde o insólito torna-se banal. Nenhuma novidade na investigação (tardia) da Polícia Federal com relação à produção brasileira de carnes. Produtos “esquentados” são muito comuns no país.

 

Isso significa que são produzidas em áreas restritas à exportação, mas levam um selo do Serviço de Inspeção Federal de outro local, habilitado para a venda internacional. Essa jogada é manjada, já foi objeto de flagrante e nada aconteceu. Certa vez, participei de um flagrante num entroncamento mato-grossense, cujo produto do caminhão era proveniente do Pará, mas levava o selo de Araputanga, por exemplo. O contêiner é fechado e não passa pela fiscalização nas barreiras, indo diretamente aos portos. Portanto, os fiscais ficam com receio de cumprir o próprio trabalho.

Quem paga a conta é o contribuinte e o pecuarista, primeiro elo dessa cadeia produtiva cartelizada

 

Outro golpe é o uso de dinheiro público do BNDES para financiar a compra de plantas americanas, a abertura de capital de gigantes do setor e a consequente cartelização do mercado brasileiro. O caso do frigorífico nos Estados Unidos e na Argentina é bem conhecido. Ambos adquiridos com recursos brasileiros, através de lobby político.

 

Da mesma forma como a compra da refinaria de Pasadena, a jogada de alavancagem de empresas particulares também é antiga, conhecida, e até hoje ninguém fez nada. A novidade, como sempre inverossímil, é a própria operação policial. Ela é tão fantástica, tão inesperada que está sendo combatida pelo setor produtivo e, pasmem, pelo próprio governo federal.

 

A corrupção instalada há décadas no MAPA possibilitou todas as malandragens descritas anteriormente, mas o flagra policial é que compromete a nossa imagem? Pois bem. Essa parece ser a ótica míope do governo e do setor.

 

Enquanto não era a melhor amiga da petista Dilma Roussef, a então deputada Kátia Abreu deu o seguinte depoimento em sessão da Câmara dos Deputados em 30 de novembro de 2005: “Quero lembrar que, no meu Estado, o Tocantins, são mais de 5 anos de luta contra esse cartel. Há uma máfia nacional, com 5 famílias, cada uma com um capo, mas há também as máfias estaduais, que se organizam em famílias, com seus chefes, para derrubar o preço da carne. Esperam a família maior marcar o preço e depois combinam na base, entre os familiares, para derrubar os preços nos Estados”.

 

Já o deputado Waldemir Moka, na mesma sessão, manifestou-se da seguinte forma: “Quero deixar isto registrado nesta Comissão: este é um segmento que precisa ser ouvido e que, apesar de dois anos de achatamento de preço na arroba do boi, não vimos nenhuma diminuição de preço da carne nos supermercados, nas casas de carne ou nos açougues.

 

Para o consumidor não há nenhum benefício. E aí fico preocupado. O BNDES tem que também ter essa preocupação. Vamos financiar 80 milhões de dólares, e aí o cidadão vai colocar uma planta lá na Argentina — para quê? Para esquentar o setor de carne na Argentina e exportar mais caro? Será que é isso que está em jogo?

 

Eu não consigo entender isso. Percebe-se, nitidamente, que o BNDES tem noção de que a planta já foi financiada, e há um convênio com a extinta SUDAM. Não pode ser. Como é que o BNDES faz esse contrato? Como é isso? É permitido? Não! Mas não é do Friboi. Há um contrato aí — o cara disse claramente —, um contrato de gaveta: um pagamento em paralelo”.

 

Portanto, era bem conhecida a fragilidade do setor. Ao contrário da transparência e da formação de imagem positiva, pretendem menosprezar a amplitude das investigações, afirmando que se trata de uma questão pontual. Não é pontual, entretanto. É, ao contrário, institucional. Os quadros do SIF precisam de altíssimo controle, a origem da carne deve ser fortemente fiscalizada, o dinheiro público que bancou o gigante arroto de grandeza deve ser restituído.

 

Por que querem colocar panos quentes, afinal? É simples a resposta. Duas são as explicações. Primeiro, que a União virou “sócia” dos grandes conglomerados exportadores, devendo preservar o próprio investimento. A queda das ações de uma única empresa pode fazer com que uma fortuna seja perdida, sem nenhuma garantia verossímil em contrapartida.

 

A política das “campeãs nacionais”, implementada pelo petismo ultraliberal fez com que bilhões fossem empatados em empresas particulares, regulando o mercado em favor de meia dúzia de empresários que dominaram a cadeia produtiva da pior forma possível. Segundo, que os financiadores de campanhas eleitorais são esses mesmos campões nacionais, sendo que essa já seria explicação suficiente para o “cuidado” político com o setor. Portanto, não venham falar ao consumidor para que não se preocupe.

 

Já se sabe que os fins não justificam os meios. O crescimento antiético do cartel, fomentado com dinheiro público enfraqueceu a nossa posição internacional. O cartel treme com uma investigação mais do que treme um animal com vaca louca. Até o vegetariano deve estar de cabelos em pé, porque contribuiu com dinheiro para essa crise de imagem que é grave.

 

Quem paga a conta, como sempre, é o contribuinte e o pecuarista, primeiro elo dessa cadeia produtiva cartelizada e desequilibrada. Somos nós, pagantes de impostos, que devemos ser salvos. São os pecuaristas que devem ser protegidos. O cartel mercenário que pressiona o produtor já recebeu dinheiro público demais para reclamar de alguma coisa.

 

Eduardo Mahon é advogado.




Clique aqui e faça seu comentário


2 Comentário(s).

COMENTE
Nome:
E-Mail:
Dados opcionais:
Comentário:
Marque "Não sou um robô:"
ATENÇÃO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do MidiaNews. Comentários ofensivos, que violem a lei ou o direito de terceiros, serão vetados pelo moderador.

FECHAR

Clara  20.03.17 14h51
Sim, é uma inversão de valores. A PF faz um grande serviço a sociedade demonstrando a corrupção existente. E agora a PF é que esta inviabilizado a "exportação de produtos brasileiros"... Faz-me rir. Este Brasil não existe.
21
2
alexandre  20.03.17 11h30
A PF que está errada de investigar, vai prejuidicar mega empresarios que vendem produtos vencidos, brincadeira..
35
1

Leia mais notícias sobre Opinião:
Novembro de 2017
20.11.17 07h00 » Responsabilidade civil do médico
20.11.17 06h58 » Até quando?
20.11.17 06h50 » O maná não é para todos?
20.11.17 06h30 » Política versus economia
19.11.17 21h00 » Orgulho gay
19.11.17 20h00 » Rodeio de touros em Cuiabá
19.11.17 06h50 » Uma grande mulher, uma grande escritora
19.11.17 06h45 » Família: a construção da vida
19.11.17 06h30 » Sinais do futuro
18.11.17 21h00 » A difícil vida do branco, hétero e rico

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

1999-2017 MidiaNews - Credibilidade em Tempo Real - Tel.: (65) 3027-5770 - Todos os direitos reservados