Cuiabá, Quarta-Feira, 16 de Janeiro de 2019
ONOFRE RIBEIRO
28.12.2017 | 06h30 Tamanho do texto A- A+

2018 será uma loucura

Não há mais nenhum campo da vida humana em que a inteligência artificial não esteja entrando e transformando

Há anos, venho tentando nos últimos lançar algum tipo de provocação sobre o ano seguinte.

 

Claro que é só um exercício de futurologia porque são milhares e milhares as possibilidades de mudanças no percurso do ano.

 

O homem tem essa capacidade de fazer escolher e determinar os rumos do seu destino. Isso se chama imprevisibilidade.

           

Porém, esses últimos anos marcaram uma série de indicações de transformações bem diferentes.

 

Vou me referir a duas apenas. A primeira, a ruptura entre a juventude e os adultos.

 

A segunda, a rápida invasão da inteligência artificial sobre todas os  produtos, pessoas e modo de fazer e de viver as coisas.

Esse novo cenário jovem põe em cheque todos os tipos de autoridades tradicionais: política, econômica, judiciária, empregatícia, valores, sentimentos e princípios históricos

           

Na década de 1990, os computadores invadiram a vida das pessoas e das empresas e instituições públicas e privadas.

 

Simplificaram modo de fazer tudo, e mudaram junto o modo de viver. Vieram em seguida a internet, os notebooks e, depois, os celulares.

 

A internet evoluiu séculos em pouco mais de 20 anos. Os celulares arrebentaram todas as teses mais loucas da imaginação humana.

           

Mas, se tudo parecia se resumir aos celulares, alguém começou a produzir uma nova linguagem absurda, chamada de algoritmos, que trouxe junto a inteligência artificial.

 

Ou seja, as máquinas eletrônicas podem pensar pelo sistema de copiar as ações e reações humanas. Além de inovar.

 

Não há mais nenhum campo da vida humana em que a inteligência artificial não esteja entrando e transformando.

           

Aqui entram os jovens e se cruzam dentro dessa planície de modernidades. Mais aptos às novas linguagens, assumiram o mundo dos telefones celulares e se distanciaram rapidamente dos adultos.

 

O próprio falar já não se dá linear entre jovens e adultos. Entre eles também mudaram as linguagens.

 

No lugar da fala verbal ancestral, usam imagens de carinhas e emojis, que expressam seus sentimentos e reduzem as falas a simples expressões de sentimentos momentâneos. Morrem as vogais em loucas abreviações.

           

Esse novo cenário jovem põe em cheque todos os tipos de autoridades tradicionais: política, econômica, judiciária, empregatícia, valores, sentimentos e princípios históricos.

 

A velocidade como isso está acontecendo não permite um acompanhamento regular, até mesmo, para especialistas nessas áreas do comportamento.

 

É um mundo novo que está nas ficções científicas e não obedece a quaisquer padrões conhecidos.

           

Encerro este artigo imaginando como ele estará superado nesta mesma data, no fim de 2018.

 

Quem pensa que pode voltar atrás e reviver o conforto dos pensamentos estacionados vai morrer angustiado e desajustado nas novas realidades.

           

Voltarei ao assunto amanhã.

 

ONOFRE RIBEIRO é jornalista em Mato Grosso.

onofreribeiro@onofreribeiro.com.br 

www.onofreribeiro.com.br




Clique aqui e faça seu comentário


COMENTÁRIOS
0 Comentário(s).

COMENTE
Nome:
E-Mail:
Dados opcionais:
Comentário:
Marque "Não sou um robô:"
ATENÇÃO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do MidiaNews. Comentários ofensivos, que violem a lei ou o direito de terceiros, serão vetados pelo moderador.

FECHAR

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Leia mais notícias sobre Opinião:
Janeiro de 2019
16.01.19 07h02 » Para além das cores
16.01.19 07h01 » Educação financeira
16.01.19 07h00 » Plea bargain e acordos penais
16.01.19 06h59 » Pacto por Mato Grosso
15.01.19 07h15 » Por que fechar a MTI?
15.01.19 07h02 » Sedec e Sefaz
15.01.19 07h00 » Ideia é commodity
14.01.19 13h10 » O ano do tricentenário
14.01.19 07h51 » Reflexões da vida