ENQUETES

O que você achou da eliminação da seleção brasileira da Copa da Rússia?

PUBLICIDADE

Negócios / EMPRESA NA BERLINDA
16.06.2018 | 19h30
Tamanho do texto A- A+

Venda da Braskem cria oligopólio estrangeiro

Petrobras tem 47% das ações ON e 2,9% das ações ON são de outros acionistas.

Reprodução Internet

Clique para ampliar

DO J B

Mais valiosa joia do outrora opulento tesouro da Odebrecht, a Braskem, oligopólio que opera 29 unidades fabris e responde por 70% do petroquímico brasileiro, informou ontem que a holding Odebrecht S.A. iniciou negociações com a gigante da petroquímica, LyondellBasell, com sede em Roterdã (Holanda) para vender 50,1% das ações ordinárias da empresa. A Petrobras tem 47% das ações ON e 2,9% das ações ON são de outros acionistas.

Após o anúncio, as ações PN da Braskem chegaram a superar os R$ 50, com salto de mais de 20% na abertura da B3 frente ao fechamento de quinta-feira, quando encerraram a R$ 41,12. No balanço do primeiro trimestre, a Braskem era avaliada em R$ 14 bilhões.

 

Ao fechar ontem em R$ 49,92, já valeria mais de R$ 36 bilhões. Desde maio suas ações PN são alvo de especulação com o rumor do interesse da gigante holandesa pelas ONs. Pelo Acordo de Acionistas, de fevereiro de 2010, a Petrobras tem preferência na negociação, mas a opção da estatal, que tem 36,15%do capital total, é se livrar das ações ON e PN em venda conjunta à Liondell. A Lei das S.A. garante 80% do valor às ações PNs.

 

Operando em 100 países, com cerca de 13.400 empregados, a LyondellBasell, com sede em Roterdã, tem forte presença nos Estados Unidos, com filial em Houston, capital do petróleo e da petroquímica no Texas. A Braskem que inaugurou filial no México em 2016, em parceria com a mexicana Idesa, tem seis unidades nos EUA e era a 7ª empresa do ranking, atrás da Lyondell. Com a compra, a Lyondell será a líder mundial em resinas de polietileno  (PVC) e polipropileno (matéria prima do filme plástico de embalagem), desbancando a Exxon.

 

Ascensão e queda

A baiana Odebrecht já era um gigante da construção pesada, quando adquiriu, em 1979, no fim do Governo Geisel, 33% da Companhia Petroquímica de Camaçari, maior empresa do pólo petroquímico da Bahia. Até 1992, quando entrou no Copesul, o Polo Petroquímico do Sul, fez escalada de privatizações (governo Collor) e compras que a tornaram a controladora da petroquímica nacional.

 

Novo impulso veio da parceria com a Petrobras na petroquímica de Paulínea (SP), em 2006, garantindo a oferta de nafta (principal matéria prima petroquímica). O poder cresceu na era Lula ao comprar, com a estatal e o grupo Ultra, a Ipiranga, que controlava o Copesul. Com a compra da Quattor (Grupo Unipar, em 2010) controla os três polos do país. Leva a Dow Quimica, em 2011 (governo Dilma). Com a presença nos EUA e México negociava preços da nafta em condições favoráveis com a Petrobras, importando quando o preço externo era menor.

 

O grupo Odebrecht entrou em crise com as confissões de fraudes à Lava-Jato e a Braskem foi dada em garantia de empréstimos. Com a simultânea concentração de estrangeiros, o monopólio da nafta pela Petrobras enfrentará o poder de oligopólio multinacional.

 

 

Fonte     http://www.jb.com.br/economia/noticias/2018/06/16/venda-da-braskem-cria-oligopolio-estrangeiro/




Clique aqui e faça seu comentário


0 Comentário(s).

COMENTE
Nome:
E-Mail:
Dados opcionais:
Comentário:
Marque "Não sou um robô:"
ATENÇÃO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do MidiaNews. Comentários ofensivos, que violem a lei ou o direito de terceiros, serão vetados pelo moderador.

FECHAR

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia
1999-2018 MidiaNews - Credibilidade em Tempo Real - Tel.: (65) 3027-5770 - Todos os direitos reservados

Ver em: Celular - Web