ENQUETES

Qual seu principal desejo para 2017?

PUBLICIDADE

Negócios / SUSTENTABILIDADE
07.01.2017 | 21h00
Tamanho do texto A- A+

PET de hoje, roupa de amanhã

Materiais recicláveis, como garrafas plásticas, viram tendência na moda mundial

DE O TEMPO

Movimentos que propõem cada vez mais a exposição de todos os processos de fabricação de uma roupa andam colocando a moda em uma berlinda. Um dos desafios dos tempos atuais é tornar o consumo cada vez mais sustentável por meio de alternativas que visam à diminuição do impacto ambiental.

E uma dessas iniciativas vem por meio da garrafa PET, que atualmente vive um de seus melhores momentos no universo da moda. É que por meio de um processo de reciclagem, o plástico da garrafa é transformado em fibras que, por sua vez, resultam em um tecido forte, porém macio. Embora ainda soe como uma novidade, há marcas no mercado, como a My Basic, responsáveis por tornar realidade a reciclagem do PET como roupa já há algum tempo. Uma camiseta básica vendida no e-commerce da grife, por exemplo, equivale a aproximadamente duas garrafas retiradas do meio ambiente.

Buscando alternativas mais ecológicas e reverberando a preocupação com o futuro, a nova safra de estilistas também vem se empenhando para popularizar este tecido e, de alguma forma, torná-lo mais viável.

Antônio Fernando Santos, coordenador do curso de Design de Moda da Fumec, entende que os alunos recém-formados estão, sim, mais empenhados na questão da sustentabilidade e mais conscientes da importância da reciclagem. “O tecido feito a partir da garrafa PET se parece muito com a viscose, tanto no caimento quanto no toque. Em geral, ele é combinado com algodão ou linho, que conferem um toque ainda mais confortável e diminui ainda mais o custo”, explica.

Mais vantagens

O estilista Célio Dias, nome por trás da marca mineira LED, conheceu o tecido PET há quase um ano e investe na matéria-prima para produzir parte de suas peças a cada coleção lançada. “Uma das vantagens desse tecido é a facilidade para estamparia, porque ele ‘aceita’ mais facilmente técnicas diversas, como a sublimação. O custo, por conta da tecnologia da reciclagem, é um pouco mais alto, mas o fato de trabalhar com tecidos sustentáveis é gratificante e menos danoso ao meio ambiente”, defende.

Além da responsabilidade socioambiental, da facilidade para estamparia e da durabilidade, Célio também aponta mais um benefício no uso dessa matéria-prima: o conforto. “Ele funciona como o poliéster, que é nada mais, nada menos que plástico que é poluente. Mas o tecido que uso é combinado com outras fibras naturais, o que favorece o caimento e não esquenta tanto quanto um sintético”, conta.

Ecologicamente bonito

Bruna Miranda, idealizadora da Review Slow Living – plataforma sustentável que faz um mapeamento de marcas que trabalham com o consumo consciente –, explica que a indústria da moda sustentável ainda carrega o estigma de estar associada a produtos sem estética. Se antes, na moda, termos como “ecológico” e “sustentável” eram sinônimos de peças com nenhum design, estilistas estão provando, cada vez mais, que é possível trabalhar as tendências com criatividade e bom gosto.

“Algum tempo atrás, uma peça ou era sustentável, ou era bonita. Hoje, não é só assim. As marcas estão investindo em design e informação de moda nesse tipo de tecido e transformando-o em peças desejáveis e vendáveis dentro de uma estética mais atemporal e minimalista, acessível a todos os gostos”, aponta.

Quem compartilha dessa opinião é a estilista Ana Sudano, que trabalha há três anos com maneiras socioambientais e tecidos tecnológicos junto à marca Grama. Para ela, a indústria têxtil caminha a passos cada vez mais largos em direção à criação de artigos que unam estilo e alternativas mais limpas.

No entanto, ela ressalta que um dos empecilhos para a popularização da técnica ainda é a falta de conhecimento do produto. “Ainda existem consumidores que, ao saber que a roupa foi feita de um tecido gerado a partir de garrafa plástica reciclada, associam o produto a lixo. Moda é muito impacto visual. Quando a roupa gera desejo, a mensagem por trás vem automaticamente”, acredita.

Alternativa mais durável para calçados

Vegetariana já há alguns anos, a designer mineira Luisa Jordá encontrou nos tecidos desenvolvidos a partir de embalagens PET recicladas a matéria-prima capaz de substituir o couro animal e outros produtos utilizados na indústria calçadista para criar peças para sua marca estúdio NHNH. Segundo ela, o tecido ecológico não só é bem resistente, como durável e fácil de trabalhar.

“Os fabricantes estão começando a aprender que existem outros materiais que podem ser bem-explorados sem que agridam exaustivamente o meio ambiente, como acontece com o couro animal”. Ainda de acordo com ela, há sim, no mercado, uma demanda significativa por produtos afins, vinda de pessoas que procuram por produtos que não sejam fabricados com materiais de origem animal. 

“As pessoas adquirem a peça porque gostam do design, mas a consciência da produção da indústria vem embutida. É algo que as empresas deveriam adotar, já que a ideologia pode atingir os clientes, e é uma onda que só vem crescendo”, relata.
 
Recentemente, a Adidas desenvolveu um tênis de corrida usando lixo plástico recolhido dos oceanos. A iniciativa é fruto de uma parceria com a organização ambiental Parley for the Oceans. Cada par usa 11 garrafas plásticas, transformadas em fios, na fabricação de sua parte superior. Já a sola, o cadarço e a meia embutida são confeccionados com resíduos de garrafas PET recicladas. Outras marcas de calçados, como a Insecta Shoes, também acreditam que utilizar garrafas recicladas para fazer peças é uma maneira correta de eliminar resíduos. Para Bruna Miranda, do Review Slow Living, a produção sustentável tem um valor maior, e as marcas, de maneira geral, estão procurando por isso. “Fazer com que as pessoas fiquem interessadas em usar esse tipo de material e que percebam que é possível alinhá-lo à estética é uma boa maneira de tornar essas iniciativas mais acessíveis de maneira geral, e não apenas a um nicho de pessoas que já são comprometidas com a sustentabilidade”.
 



Clique aqui e faça seu comentário


0 Comentário(s).

COMENTE
Nome:
E-Mail:
Dados opcionais:
Comentário:
Marque "Não sou um robô:"
ATENÇÃO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do MidiaNews. Comentários ofensivos, que violem a lei ou o direito de terceiros, serão vetados pelo moderador.

FECHAR

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

1999-2017 MidiaNews - Credibilidade em Tempo Real - Tel.: (65) 3027-5770 - Todos os direitos reservados