ENQUETES

Na sua opinião, Pedro Taques deve disputar a reeleição?

PUBLICIDADE

Judiciário / EX-FECOMÉRCIO
17.03.2017 | 10h33
Tamanho do texto A- A+

Promotora diz que se equivocou e pede rejeição de denúncia

Ana Cristina Bardusco diz que Karla de Oliveira Cintra fez acordo de delação premiada

Marcus Mesquita/MidiaNews

Clique para ampliar

A ex-assessora da Fecomércio, Karla Cintra, alvo da Operação Sodoma

LUCIELLY MELO
DO PONTO NA CURVA

A promotora Ana Cristina Bardusco Silva requereu a rejeição de denúncia contra Karla Cecília de Oliveira Cintra, ex-assessora do ex-secretário Pedro Nadaf na Fecomércio, por não haver justa causa para a instalação de ação penal, referente a quarta fase da Operação Sodoma.

 

Na petição, a promotora destacou que firmou um termo de colaboração premiada com Karla Cecília, que por sua vez foi homologado pela Justiça no dia 23 de janeiro de 2017.

 

O documento dispõe de uma cláusula onde o MPE se compromete em "não denunciar a ex-secretária de Nadaf em relação aos fatos delituosos nos quais ostensivamente não tenha realizado conduta para que o resultado fosse alcançado".

 

"No caso vertente, não restou comprovado, até a presente data, a atuação ostensiva de Karla Cecília de Oliveira Cintra na realização das condutas típicas afetas aos crimes de concussão, corrupção passiva, fraudes a licitação e peculato, delitos apurados nesta investigação, razão pela qual não há justa causa para o exercício da ação penal, face ao compromisso assumido no item II, "b", do Termo de Colaboração Premiada", argumentou a promotora.

 

Além disso, Bardusco destacou que a denúncia contra Karla no último dia 13 ocorreu de forma equivocada.

 

Demais denunciados

 

Ainda na petição, a promotoria requereu o recebimento da denúncia aos demais acusados. São eles: Silval da Cunha Barbosa, Pedro Jamil Nadaf, Marcel Souza de Cursi, Francisco Gomes de Andrade Lima Filho, Sílvio Cezar Correa Araújo, José de Jesus Nunes Cordeiro, César Roberto Zílio, Pedro Elias Domingos de Mello, Arnaldo Alves de Souza Neto, Rodrigo da Cunha Barbosa, Francisco Anis Faiad, Valdísio Juliano Viriato, Juliano Cezar Volpato, Edézio Corrêa, Alaor Seferino Alvelos de Paula e Diego Pereira Marconi.

 

Sodoma IV

 

A quarta fase foi deflagrada no dia 14 de fevereiro pela Delegacia Fazendária e investiga fraudes à licitação, corrupção, peculato e organização criminosa em contratos celebrados entre as empresas Marmeleiro Auto Posto LTDA e Saga Comércio Serviço Tecnológico e Informática LTDA, nos anos de 2011 a 2014, com o Governo do Estado de Mato Grosso.

 

Segundo a Polícia Civil apurou, as empresas foram utilizadas pela organização criminosa, investigada na operação Sodoma, para desvios de recursos públicos e recebimento de vantagens indevidas, utilizando-se de duas importantes secretarias, a antiga Secretaria de Administração (Sad) e a Secretaria de Transporte e Pavimentação Urbana (Septu), antiga Secretaria de Infraestrutura (Sinfra).

 

Conduções coercitivas

 

Foram conduzidos coercitivamente: Arnaldo Alves de Souza Neto e Marcel de Souza Cursi, bem com o procurador Francisco Gomes de Andrade Lima Filho.

A juíza autorizou ainda a condução coercitiva de: Lúdio Frank Mendes Cabral, Wanderley Fachetti Torres, Rafael Yamada, Diego Pereira Marconi, Valdecir Cardoso de Almeida, Wilson Luiz Soares e Mário Balbino Lemes.

 

Prisões

 

Os mandados de prisão foram cumpridos contra: Valdisio Juliano Viriato, Francisco Anis Faiad, Silval da Cunha Barbosa, Sílvio Cesar Corrêa Araújo, Jose Jesus Nunes Cordeiro.




Clique aqui e faça seu comentário


0 Comentário(s).

COMENTE
Nome:
E-Mail:
Dados opcionais:
Comentário:
Marque "Não sou um robô:"
ATENÇÃO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do MidiaNews. Comentários ofensivos, que violem a lei ou o direito de terceiros, serão vetados pelo moderador.

FECHAR

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

1999-2017 MidiaNews - Credibilidade em Tempo Real - Tel.: (65) 3027-5770 - Todos os direitos reservados