ENQUETES

Como você avalia o atendimento do Detran-MT?

PUBLICIDADE

Judiciário / FRAUDE EM FIANÇA
20.03.2017 | 11h40
Tamanho do texto A- A+

Magistrado mantém empresário na cadeia: “Juíza agiu com acerto”

Desembargador confirmou indícios de que terra dada como fiança pode não existir

Assessoria TJ-MT

Clique para ampliar

O desembargador Orlando Perri, que viu "discrepâncias" em bem oferecido por empresário

LUCAS RODRIGUES
DA REDAÇÃO

O desembargador Orlando Perri, do Tribunal de Justiça de Mato Grosso, disse que a juíza Selma Arruda, da Vara Contra o Crime Organizado da Capital, agiu com “extremo acerto” e manteve a decisão dela de negar a soltura ao empresário Walter Dias Magalhães Júnior.

 

A determinação foi dada na última sexta-feira (17). O empresário é acusado de liderar uma organização criminosa que teria praticado crimes de estelionato no Estado, esquema que é investigado na Operação Castelo de Areia.

 

Na última semana, o magistrado chegou a dizer que a juíza havia “afrontado” a decisão do tribunal, que, em novembro do ano passado, determinou a soltura do empresário mediante medidas cautelares, entre elas o pagamento de uma fiança arbitrada em R$ 6,1 milhões.

 

Ná época, o imóvel rural apresentado por Walter Magalhães como garantia da fiança não foi aceito pela juíza, em razão da suspeita de fraude. Denominada “Santa Fé”, a área rural seria de propriedade de Denisson Seabra, suposto amigo de longa data de Magalhães.

 

Em resposta a Perri, a magistrada explicou que ainda não havia concedido a soltura em razão de as perícias feitas no imóvel terem demonstrado que a área rural sequer existia e que, por isso, quis evitar que o próprio Judiciário fosse vítima dos golpes de Walter Magalhães.

 

A defesa do empresário, todavia, enviou novo requerimento de soltura ao desembargador, sob a alegação de que já havia sanado as irregularidades referentes a área de terra.

 

“Extremo acerto”

 

Em sua decisão, Perri citou as explicações da juíza Selma Arruda e registrou que um dos intuitos da fiança é de assegurar possível indenização às vítimas dos crimes.

 

walter dias

O empresário Walter Magalhães, que continua preso

“Portanto, a fiança a ser prestada pelo paciente há de ser desprovida de qualquer dúvida, por menor que seja, quanto à sua idoneidade, para que não passe, conforme dito pela autoridade coatora, de mero ‘pedaço de papel’”.

 

Para o desembargador, a juíza Selma Arruda agiu com “extremo acerto” ao “rechaçar a indicação da citada área como garantia da fiança”.

 

“Não estou dizendo aqui que a área existe ou não existe. O que estou a afirmar é que, se há dúvidas sobre a existência da área e sua propriedade – a despeito da documentação acostada aos autos pela defesa do impetrante –, não de pode admitir que a fiança seja prestada sob olhar de desconfiança, em face da seriedade e da relevância da medida imposta. Não pode o Poder Judiciário admitir que seja um bem dado em garantia, a título de fiança, e, lá na frente, se descobrir que aquele imóvel nem sequer existe”.

 

“Discrepâncias”

 

Além dos apontamentos feitos pela juíza, o magistrado afirmou que algumas informações do processo lhe “sobressaíram aos olhos”, especialmente as discrepâncias das avaliações do imóvel.

 

Conforme Perri, uma avaliação feita em 2008 apontou que a área de terra valia R$ 7,8 milhões. Todavia, pouco mais de 8 anos depois, outra avaliação disse que o

imóvel já valia R$ 21 milhões, “praticamente triplicando seu valor”.

 

O desembargador também destacou que, mais recentemente, um oficial de Justiça, em avaliação informal junto a corretores de imóveis, disse que a área valia R$ 24,4 milhões.

 

“Em outras palavras: em menos de dois meses da última avaliação feita por corretores atuantes em Jaciara/MT, o imóvel valorizou mais de três milhões de reais. Entretanto, o que chamou mais minha atenção foi o fato de o oficial de justiça ter certificado que “a área encontra-se toda utilizada com plantação de cana do próprio proprietário Denisson Seabra”, quando, na verdade, a primeira avaliação, realizada em 2008, dizia que “a exploração da fazenda é a cana-de-açúcar, em regime de arrendamento”.

Não pode o Poder Judiciário admitir que seja um bem dado em garantia, a título de fiança, e, lá na frente, se descobrir que aquele imóvel nem sequer existe

 

Além disso, de acordo com Perri, as últimas avaliação de corretores, feitas em janeiro deste ano, apontam que a área é apropriada para plantação de soja, milho, algodão, e que 700 hectares são de lavoura, “mas nem sequer indicam de qual tipo”.

“Neste viés, ainda que o oficial de justiça responsável pela elaboração do laudo possua fé pública no exercício de suas funções, neste caso, ficou evidenciado, às escâncaras, que o laudo de avaliação, ao invés de prestar os esclarecimentos necessários para elucidação dos fatos, suscitou ainda maiores dúvidas acerca da veracidade das informações trazidas aos autos pela defesa do impetrante”.

 

Outro ponto que chamou a atenção de Perri foi o fato de Walter Magalhães ter dito que possuía patrimônio de R$ 32 milhões e que pretendia usar parte desse dinheiro para ressarcir as vítimas.

 

“Entretanto, ao oferecer um bem como garantia, a título de fiança, justamente para, entre outros, assegurar o ressarcimento das vítimas, o paciente reiteradamente vem insistindo na indicação de um imóvel que apresenta fortes indícios de irregularidade”.

 

Desta forma, Perri negou a soltura ao empresário e determinou que ele comprove a idoneidade do imóvel, por meio de perícia, ou apresente outro bem a título de fiança para obter a liberdade.

 

“Caso haja interesse na realização da perícia, deverá a defesa do paciente, no mesmo prazo acima assinalado [5 dias], instruir os autos com a declaração do imposto de renda do suposto proprietário do imóvel, Denisson Seabra; de possível contrato de arrendamento; e de documentos fiscais do imóvel, tais como o comprovante de pagamento de impostos”, decidiu.

 

A operação

 

A operação Castelo de Areia foi deflagrada no dia 26 de agosto de 2016 pela Polícia Civil e apura crimes de estelionato supostamente praticados pela empresa Soy Group em todo o Estado.

 

Foram presos pela suspeita de participação no esquema: Shirlei Aparecida Matsuoka, sócia majoritária da empresa (já solta); Walter Dias Magalhães Júnior (ainda preso preventivamente), presidente do Grupo Soy; Evandro Goulart, diretor financeiro do grupo (já solto) ; o empresário Marcelo de Melo Costa, suposto "lobista" do esquema (já solto) e o ex-vereador João Emanuel.

 

Segundo o delegado Luiz Henrique Damasceno da Delegacia Regional de Cuiabá, uma vítima do esquema afirmou que João Emanuel, vice-presidente da SoyGroup, teria utilizado um falso chinês para ludibriá-la em um suposto investimento com parceria com a China.

 

A vítima teria emitido 40 folhas de cheque que somam R$ 50 milhões nas tratativas, que eram “traduzidas” pelo próprio ex-vereador.

 

João Emanuel foi preso preventivamente pela Polícia Civil no dia 26 de agosto de 2016, mas por decisão do desembargador Pedro Sakamoto, do TJ-MT, cumpriu parte da pena em regime domiciliar.

 

No entanto, um laudo médico comprovou que o ex-vereador se encontrava em bom estado de saúde e ele foi detido em setembro de 2016 no Centro de Custódia da Capital, desta vez em decorrência da Operação Aprendiz.

 

Ainda, em setembro de 2016, a juíza Selma Arruda, da Vara Contra o Crime Organizado da Capital, recebeu uma nova denúncia contra a suposta quadrilha.

 

Além dos envolvidos  já citados, se tornaram réus na ação o irmão e advogado do ex-vereador, Lázaro Roberto Moreira Lima e o pai dos dois, o juiz aposentado Irênio Lima.

 

Leia mais:

 

Juíza contesta desembargador e mantém prisão de empresário

 

Desembargador diz que juíza afrontou TJ e pede explicações




Clique aqui e faça seu comentário


3 Comentário(s).

COMENTE
Nome:
E-Mail:
Dados opcionais:
Comentário:
Marque "Não sou um robô:"
ATENÇÃO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do MidiaNews. Comentários ofensivos, que violem a lei ou o direito de terceiros, serão vetados pelo moderador.

FECHAR

Roberto  21.03.17 00h43
O mundo precisa de pessoas com Dra Selma. Parabéns Doutora.
1
0
Anival  20.03.17 15h10
Nada mais nobre de um homem, que o reconhecimento de um erro ou de uma falha...Com certeza deixará de plainar certas dúvidas, que começou após a declaração de Vsa excelência, ao colocar em Xeque a postura da Exatissimamente Dra. Selma.
27
2
Paulo  20.03.17 12h47
Foi muito precipitado o desembargador na semana passada. Ainda bem que reconheceu seu erro e reconheceu a lisura no trabalho dá juíza Selma.
34
0

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

1999-2017 MidiaNews - Credibilidade em Tempo Real - Tel.: (65) 3027-5770 - Todos os direitos reservados