ENQUETES

Com mais esse escândalo, você acha que Temer deve renunciar?

PUBLICIDADE

Judiciário / R$ 30 MIL
09.01.2017 | 17h25
Tamanho do texto A- A+

Juiz condena Estado a indenizar homem preso ilegalmente

E.O.S. permaneceu nove dias na cadeia apenas porque tinha o mesmo nome que acusado de crime

Assessoria/TJMT

Clique para ampliar

O processo corre no Fórum de Cuiabá, que condenou o Estado

ANA FLÁVIA CORRÊA
DA REDAÇÃO

O juiz substituto Elmo Lamoia de Moraes, em cooperação na 3ª Vara Especializada da Fazenda Pública, condenou o Estado, por danos morais, a indenizar E.O.S. em R$ 30 mil por tê-lo mantido preso indevidamente durante nove dias.

 

A decisão é passível de recurso. 

 

Segundo o processo, uma ação criminal de 1995, da Comarca de Rosário Oeste (111 km de Cuiabá), tinha como réu um homem com o mesmo nome de E.O.S. No entanto, a denúncia não trazia dados mais aprofundados sobre o criminoso, como CPF, RG e filiação.

 

Em 2001, a juíza da comarca decretou a prisão preventiva de duas pessoas com o mesmo nome sem que fosse constatado que eles haviam cometido algum crime ou fossem réu na ação de 1995, já que a única coisa em comum que eles tinham com o criminoso era o nome.

 

O autor da ação de indenização relatou, no processo, que teve sua prisão cumprida pela Polícia Militar em 2007, quando se deslocava de São Paulo para Mato Grosso do Sul.

 

Na ocasião, ele teria ficado detido por nove dias, de 18 de maio a 26 do mesmo mês.

 

Ele alegou que o prazo que o Estado tinha para efetuar a prisão já havia extrapolado no momento da abordagem feita pela polícia.

 

E.O.S. solicitou, na ação, impetrada na comarca de Ivinhema (MS), a indenização por danos morais no valor de R$ 100 mil.

 

O Estado de Mato Grosso alegou, por outro lado, que a prisão decorreu de um processo criminal, o que configuraria em um ato legal.

 

Afirmou ainda que não existiu má-fé ou conduta temerária por parte do Estado e alegou a incompetência territorial, já que a prisão foi efetuada em Mato Grosso do Sul e não em Mato Grosso.

 

Ato ilícito 

 

O juiz compreendeu, em sua decisão, que o “dano material” não consiste na prisão na cidade de Mato Grosso do Sul e sim no “ato ilícito” praticado pelo agente público vinculado do Estado de Mato Grosso, que ordenou judicialmente a prisão preventiva de E.O.S..

 

Ele afirmou ainda, pautado pela Constituição, que cabe ao Estado responder pelos danos que seus agentes causarem a terceiros. 

 

“Desse modo, para configuração da responsabilidade civil e, consequentemente, do dever de indenizar por parte do Estado, basta que se comprove o ato ilícito, o dano e o nexo causal entre ambos, sendo desnecessário perquirir quanto ao elemento subjetivo”, afirmou o magistrado. 

 

O magistrado constatou que na denúncia de 1995 constavam apenas as qualificações indiretas do indiciado descritas por uma testemunha: possuía aproximadamente 28 anos de idade, era moreno, magro, tinha 1,60 de estatura, olhos pretos, barba e bigode raspados. 

 

Como, segundo o juiz, não existiam maiores dados sobre o acusado, foi realizada uma citação por edital, da qual encontraram dois sujeitos de nome E.O.S., um nascido em 1959 e outro em 1977. 

Nesse contexto, restou demonstrado o ato ilícito praticado pelo Estado de Mato Grosso, que por meio de seus agentes estatais expediu Mandado de Prisão em desfavor de duas pessoas numa Ação Penal em que figurava apenas um acusado

 

“Nenhum dos dois indivíduos corresponde à qualificação constante até então dos autos criminais, porquanto se o acusado possuía aproximadamente 28 anos na data da denúncia (1995), é porque era nascido aproximadamente em 1967, sendo que as duas pessoas mencionadas às fls. 96/97 são nascidas em 1959 e 1977, uma diferença de quase dez anos para mais e para menos, respectivamente, a qual é bastante significativa”, constatou o magistrado.

 

Para Moraes, o Estado tem o dever de proceder à persecução penal e que a prisão preventiva do indivíduo, por si só não configura ato ilícito. 

 

No entanto, o magistrado afirmou que foi configurada a falha na prestação de serviços por parte do Estado, já que o mandado de prisão preventiva foi expedido em desfavor de duas pessoas que não correspondiam às características descritas pela testemunha.  

 

“Nesse contexto, restou demonstrado o ato ilícito praticado pelo Estado de Mato Grosso, que por meio de seus agentes estatais expediu mandado de prisão em desfavor de duas pessoas numa ação penal em que figurava apenas um acusado, sendo que a qualificação daqueles sequer correspondia à qualificação deste”, afirmou o juiz.

 

Quanto aos danos morais, Moraes utilizou um entendimento segundo o qual não será toda e qualquer situação de sofrimento, tristeza, transtorno ou aborrecimento que ensejará a reparação, mas apenas as situações graves o suficiente para afetar a dignidade humana. 

 

“No caso dos autos, a pretensão indenizatória merece prosperar, haja vista ser inegável que a prisão ilegal, que perdurou 09 (nove) dias, de 18/05/2007 a 26/05/2007 (fls. 190), gerou intenso sofrimento psicológico no autor, acarretando dano moral”.

 

O juiz considerou que R$ 30 mil seria uma quantia expressiva para compensar o sofrimento provocado pela ofensa, não representando, no entanto, fonte de enriquecimento. 

 

Diante de todo o exposto, julgo parcialmente prodecente o pedido, para condenar o réu a pagar ao autor indenização por dano moral no valor de R$ 30.000 (trinta mil reais)”, concluiu o magistrado. 

 




Clique aqui e faça seu comentário


5 Comentário(s).

COMENTE
Nome:
E-Mail:
Dados opcionais:
Comentário:
Marque "Não sou um robô:"
ATENÇÃO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do MidiaNews. Comentários ofensivos, que violem a lei ou o direito de terceiros, serão vetados pelo moderador.

FECHAR

olavo  12.01.17 16h28
SE TIVESSE SIDO APROVADO A LEI DE RESPONSABILIDADE AOS MEMBROS DO PODER JUDICIARIO E MINISTÉRIO PUBLICO SERIAM MAIS CAUTELOSOS E EVITARIAM ESSES PREJUIZOS CONSTANTES AO ESTADO. POIS ELES SERIAM RESPOSABILIZADOS.
0
0
João Reis  10.01.17 02h30
O Zé silva, O Juiz e o Estado é a mesma coisa, o Juiz é agente do Estado e até se um Juiz cometer um erro, quem o comete é o Estado que é dividido em 3 poderes, dai um outro Juiz pode condenar o Estado por erro de um Juiz ou por exemplo um policial. è uma garantia constitucional a que todos temos direito, direito esse conquistado a duras penas desde antes da revolução francesa. Não entendo sua indignação já que, sem tais garantias o Estado poderia invadir sua casa sem motivo e deixá-lo preso sem julgamento pelo resto da vida como ocorreu com Madiba na Africa do Sul. Causa espécie alguém se incomodar com uma decisão acertada dessa espécie.
8
1
dauzanades  10.01.17 00h38
Mas o juiz é do MT. Pertence ao judiciário do MT.
3
1
Marcelo correa  09.01.17 23h22
A pessoa qdo vira juiz deixa de ser pessoa e se torna parte do estado... e as coisas se misturam... e nós pagamos a conta.
7
0
jose a silva  09.01.17 19h29
Quem deu ordem de prisão? Foi um Juiz? O que o Estado tem com isso? E esse juiz vai ter alguma punição ou vai ficar por isso mesmo? O Estado erra, paga! e O juiz não paga?
33
14

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

1999-2017 MidiaNews - Credibilidade em Tempo Real - Tel.: (65) 3027-5770 - Todos os direitos reservados