ENQUETES

O que você achou da eliminação da seleção brasileira da Copa da Rússia?

PUBLICIDADE

Judiciário / SEFAZ
12.07.2018 | 16h00
Tamanho do texto A- A+

Juiz arquiva ação contra 8 servidores suspeitos de receber propina

Determinação atende a um acórdão Tribunal de Justiça, que extinguiu a punibilidade dos réus

MidiaNews

Clique para ampliar

O Jorge Luiz Tadeu Rodrigues, da 7º Vara Criminal de Cuiabá

DO FOLHA MAX

O juiz da 7º Vara Criminal de Cuiabá, Jorge Luiz Tadeu Rodrigues, arquivou uma ação penal contra oito integrantes da chamada “Máfia do Fisco” – que causou prejuízos aos cofres públicos de Mato Grosso a partir de fraudes no recolhimento do ICMS nos anos 1990.

 

A determinação atende a um acórdão da Segunda Câmara Criminal do Tribunal de Justiça de Mato de Grosso (TJ-MT), que extinguiu a punibilidade dos réus.

 

A decisão é do último dia 10 de julho. “Compulsando detidamente os autos, observa-se que a Segunda Câmara Criminal do Tribunal de Justiça de Mato Grosso proferiu acordão declarando extinta a punibilidade dos réus. Assim sendo, dê-se ciência às partes do retorno dos autos. Após, remetam-se os autos ao arquivo, procedendo-se às anotações, comunicações e baixas necessárias”, diz trecho da decisão.

 

A medida beneficia Benedito Basílio Leite de Paula, Valmir Rodrigues Novaes, Pietro Eraldo Martinelli, Márcio Antônio Feitosa de Freitas, Daytor Carneiro Filho, Cláudio Santos Alves Da Silva, Douglas Almeida de Oliveira e Jamim Benedito de Arruda – à época, servidores da Secretaria de Estado de Fazenda (Sefaz-MT).

 

De acordo com informações dos autos, as fraudes teriam ocorrido entre os anos de 1995 e 1999 e beneficiaram uma empresa de eletrodomésticos.

 

Os servidores públicos eram acusados de receber propina para “vender” aos empresários terceiras vias de notas fiscais, possibilitando a omissão de valores devidos de ICMS. A consulta à ação no TJ-MT não revela o montante sonegado.

 

“Entre os anos de 1995 a 1999, organizando suas ações criminosas com pré-ordenação dolosa com o fim de exigir e receber vantagem indevida, na qualidade de agentes públicos lotados na Sefaz/MT e no exercício de suas funções, ou, ainda, afastados, mas em razão dela, para proceder com o desvio e comercialização de terceiras vias de nota fiscais com os proprietários do Grupo Gazin, possibilitando que estas empresas omitissem do Fisco Estadual o valor devido pelo ICMS”, relata a denúncia.

 

O grupo de 8 pessoas chegou a ser condenado em 2015 pelos crimes de formação de quadrilha e concussão.




Clique aqui e faça seu comentário


1 Comentário(s).

COMENTE
Nome:
E-Mail:
Dados opcionais:
Comentário:
Marque "Não sou um robô:"
ATENÇÃO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do MidiaNews. Comentários ofensivos, que violem a lei ou o direito de terceiros, serão vetados pelo moderador.

FECHAR

BENEDITO DE PAULA  12.07.18 18h52
BENEDITO DE PAULA, seu comentário foi vetado por conter expressões agressivas, ofensas e/ou denúncias sem provas
1999-2018 MidiaNews - Credibilidade em Tempo Real - Tel.: (65) 3027-5770 - Todos os direitos reservados

Ver em: Celular - Web