Judiciário / FRAUDE FISCAL
06.02.2018 | 16h37
Tamanho do texto A- A+

Ex-servidora é condenada pela 3ª vez e acumula 18 anos de prisão

Juiz Marcos Faleiros puniu Leda Regina Rodrigues a mais cinco anos e cinco meses de prisão

Alair Ribeiro/MidiaNews

Clique para ampliar

O juiz Marcos Faleiros, autor da sentença que condenou ex-servidora

LUCAS RODRIGUES
DA REDAÇÃO

O juiz Marcos Faleiros, da Vara Contra o Crime Organizado da Capital, condenou a ex-servidora da Secretaria de Estado de Fazenda (Sefaz), Leda Regina de Moraes Rodrigues, a cinco anos, cinco meses e 10 dias de prisão, em regime semiaberto, por fraude tributária.

 

A decisão é de outubro de 2017, mas foi publicada nesta segunda-feira (05) e ainda cabe recurso. A íntegra da sentença não foi publicada.

 

Esta é a terceira condenação contra a ex-servidora por crimes da mesma natureza. Somadas, as penas aplicadas a Leda Rodrigues já somam 18 anos e dois meses de detenção.

 

Também foi condenado na ação o contador Jaime Osvair Coati, que foi punido com três anos e seis meses de reclusão, em regime aberto.

 

Já os ex-servidores acusados Eliete Dias Maria Ferreira Modesto, Carlos Marino Soares e Luiz Claro de Melo foram absolvidos das acusações.

 

De acordo com o Ministério Público Estadual (MPE), o grupo teria agido no âmbito da Sefaz para conceder regime especial de ICMS à empresa MG Figueiredo Cereais, mesmo sabendo que tal empresa não tinha idoneidade para tal.

 

O MPE afirmou que os acusados se uniram para dar continuidade à sonegação da empresa, assim como para o prolongamento do regime especial irregular.

Mais condenações


Em novembro do ano passado, a ex-servidora sofreu mais duas condenações judiciais.

 

Em uma delas, a condenação foi de seis anos e quatro meses de prisão, pena aplicada a outros três réus.

 

Conforme a ação, de autoria do Ministério Público Estadual (MPE), em 2006, o grupo teria engendrado a concessão irregular de regime especial de ICMS para a empresa Comercial Jumbo Ltda., de propriedade de Moacir Marques Caires e Auricélia Rodrigues Gomes.

 

Já em outro processo, Leda Rodrigues foi punida com seis anos e cinco meses de prisão, sob a acusação de ter recebido propina para ajudar empresários a receber benefícios fiscais e sonegar tributos milionários.

 

De acordo com a denúncia do MPE, oferecida em 2005, o Grupo Quatro Marcos teria criado um “conglomerado” de empresas inexistentes “tão somente para acobertar as operações comerciais de empresas do mesmo grupo”.

 

Os administradores do grupo, conforme o MPE,  manipularam documentos fiscais destas empresas, incluindo até mesmo sócios “laranjas” para obter benefícios fiscais - mesmo sem preencher os requisitos - e sonegar impostos da Secretaria de Fazenda.

 

“Com inequívoca intenção de favorecê-la [a empresa] irregularmente, na data de 01/04/1997, a primeira denuncianda Leda Regina Moraes Rodrigues, na qualidade de Coordenadora Geral do Sistema Integrado da Administração Tributária, assinou o comunicado CGSIAT n. 103/97, autorizando a empresa a fruir do benefício”, diz trecho da denúncia.

 

 

Leia mais sobre o assunto: 

 

Ex-servidores são condenados a 6 anos; empresário pega 3 anos




Clique aqui e faça seu comentário


1 Comentário(s).

COMENTE
Nome:
E-Mail:
Dados opcionais:
Comentário:
Marque "Não sou um robô:"
ATENÇÃO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do MidiaNews. Comentários ofensivos, que violem a lei ou o direito de terceiros, serão vetados pelo moderador.

FECHAR

Mário   06.02.18 15h33
Reclusão em regime aberto?? Só no Brasil mesmo..
7
0
1999-2018 MidiaNews - Credibilidade em Tempo Real - Tel.: (65) 3027-5770 - Todos os direitos reservados