Cuiabá, Sexta-Feira, 14 de Dezembro de 2018
"VIOLAÇÃO"
17.09.2018 | 23h00 Tamanho do texto A- A+

Em denúncia à Justiça, MP diz que cabo da PM foi a casa noturna

Juiz recebeu denúncia e verificou em sistema que tornozeleira foi violada; defesa tem 2 dias para se posicionar

Alair Ribeiro/MídiaNews

Cabo Gerson é réu confesso na ação que investiga interceptações ilegais em Mato Grosso

CÍNTIA BORGES
DA REDAÇÃO

O cabo da Polícia Militar Gerson Correa, réu confesso no esquema de interceptações telefônicas ilegais em Mato Grosso, é suspeito de ter violado medidas cautelares e ido à casa noturna Malcom Pub, no dia 30 de agosto.

 

A denúncia foi feita pelo Ministério Público Estadual (MPE). Aliado à denúncia, ainda foi constatado que, no período compreendido entre os dias 29 e 31 de agosto, o réu ainda violou a tornozeleira eletrônica, equipamento que faz uso desde que deixou a prisão, em março deste ano.

 

Na decisão, publicada no dia 14 de setembro, o juiz Murilo Mesquita, da 11ª Vara Militar do Fórum de Cuiabá, pede a apuração dos fatos relatados ao promotor de Justiça Alan Sidney do Ó e repassados ao juízo.

 

O juiz determina que seja investigado, junto ao Malcom Pub, localizado na Avenida Miguel Sutil, se Gerson Corrêa esteve de fato no local.

 

“Deslocar à casa noturna Malcom Pub, no sentido de verificar junto ao responsável, sobre o ingresso do acusado Gerson Luiz Ferreira Correa Júnior, acima qualificado, naquele estabelecimento no período compreendido entre os dias 29 a 31 de agosto de 2018”, consta na decisão.

 

Alair Ribeiro/MidiaNews

Juiz Murilo Moura Mesquita

Juiz Murilo Mesquita constatou a violação da tornozeleira pelo cabo

A defesa do cabo Gerson, feita pelo advogado Neyman Monteiro, deverá se manifestar em dois dias úteis, a contar de sexta-feira (14) – dia em que recebeu a intimação.

 

“Intime-se a defesa do réu Gerson Luiz Ferreira Correa Junior para, no prazo de 2 dias, manifestar sobre as violações indicadas nos relatórios”.

 

Caso reste comprovada a violação da cautelar, Gerson Corrêa pode voltar para a prisão.

 

Sem tornozeleira

 

Após receber a denúncia de que o cabo Gerson teria violado a medida cautelar de não sair à noite, o promotor de justiça Alan Sidney do Ó requereu relatório à central de monitoramento eletrônico.

 

Cabo Gerson faz uso de tornozeleira eletrônica desde que deixou a cadeia, em março deste ano. O réu ficou cerca de 10 meses preso.

 

Ao acessar o sistema, o juiz Murilo Mesquita contatou que entre os dias 29 e 31 de agosto Gerson violou o equipamento.

 

“Justamente o período narrado pelo Ministério Público em que o acusado teria sido visto em uma casa noturna, descumprindo, portanto, em princípio, medida cautelar de recolhimento noturno, fixada em sede de Habeas Corpus”, diz o juiz.

 

Leia mais sobre o assunto:

 

Após confissão, cabo diz temer pela vida e defesa pede proteção

 

Cabo: “Meu maior erro foi não ter dito não para o coronel Zaqueu”

 

TJ concede liberdade a cabo da PM acusado de operar grampos

 

 




Clique aqui e faça seu comentário


COMENTÁRIOS
3 Comentário(s).

COMENTE
Nome:
E-Mail:
Dados opcionais:
Comentário:
Marque "Não sou um robô:"
ATENÇÃO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do MidiaNews. Comentários ofensivos, que violem a lei ou o direito de terceiros, serão vetados pelo moderador.

FECHAR

André  18.09.18 08h49
Se o relatório da tornozeleira indica que o réu estava naquele horário, naquele local, qual a necessidade de oficiar o bar indagando a presença do acusado no local? Desnecessário.
2
1
vania  18.09.18 08h37
Isso que eu chamo de dar um TAPA na cara do Juiz... e das Leis Brasileiras...
5
1
Stive  17.09.18 17h47
Enfim, ninguém respeita mais nada...
30
0