ENQUETES

Na sua opinião, Pedro Taques deve disputar a reeleição?

PUBLICIDADE

Judiciário / SUPOSTA PROPINA
11.05.2017 | 19h29
Tamanho do texto A- A+

Depoimento de Nadaf motivou investigação contra conselheiros do TCE

Vazado à imprensa, documento revelaria depoimento do ex-secretário ao Ministério Público

Marcus Mesquita

Clique para ampliar

Ex-secrtário de Estado Pedro Nadaf, que teria relevado suposta propina a conselheiros do TCE

DO MIDIAJUR

O trecho de um depoimento que teria sido prestado pelo ex-secretário de Estado Pedro Nadaf, ao Ministério Público Estadual (MPE), foi um dos fatos que motivou a investigação do Tribunal de Contas do Estado (TCE) sobre um eventual pagamento de propina de R$ 50 milhões a cinco conselheiros da Corte.

 

De acordo com o trecho vazado à imprensa, os valores teriam origem em diversos esquemas de desvio de dinheiro público, colocados em prática durante a gestão de Silval.

 

Entre os esquemas estaria o investigado na Operação Seven, deflagrada pelo Ministério Público e que apura denúncia de fraude e superfaturamento na desapropriação de uma área na região do Lago do Manso.

 

Ainda de acordo com o documento, atribuído a Nadaf, a iniciativa que resultou no suposto pagamento da propina teria partido do então presidente da Corte, o conselheiro José Carlos Novelli.

 

Ele teria procurado Silval para oferecer "vantagens no tocante a diversas situações do governo que envolviam uma soma vultuosa soma de valores e que estavam sob fiscalização perante o Tribunal de Contas como, por exemplo, obras da Copa do Mundo de 2014, os incentivos fiscais, o Programa MT Integrado, as obras em andamento das Secretarias de Estado como um todo e até a aprovação de contas do Executivo Estadual em troca de pagamentos de propinas para a Corte de Contas", diz trecho do depoimento.

 

O encontro teria resultado, então, em um acordo entre Silval e Novelli para o repasse de 14 parcelas de R$ 3,5 milhões. O valor deveria ser repartido entre os cinco conselheiros titulares da Corte.

 

Apuração do TCE

 

A investigação do tribunal, instaurada em outubro de 2016, foi comandada pelos conselheiros substitutos Moisés Maciel e Luiz Carlos Pereira, que anunciaram nesta quarta-feira (10) o desfecho pelo arquivamento do caso. O motivo alegado foi o de falta de provas.

 

De acordo com a denúncia, até então anônima segundo o TCE, a suposta propina teria sido paga pelo ex-governador Silval Barbosa (PMDB), atualmente preso, para garantir a aprovação pela Corte de contas de seu governo relativas ao exercício de 2014.

 

Foram alvos da investigação todos os conselheiros titulares do TCE: Antônio Joaquim (presidente), Valter Albano, José Carlos Novelli, Gonçalo Domingos Neto e Sérgio Ricardo.

 

A constatação da apuração da Corte foi de que os valores recebidos pelos conselheiros, na verdade, corresponderiam a indenização relativa à desapropriação de um terreno no bairro Renascer.

 

Durante a entrevista coletiva concedida na quarta-feira (10) para anunciar o resultado da investigação, o conselheiro substituto Moises Maciel afirmou que as informações contidas na denúncia remetida ao órgão eram “desconexas”.

 

De acordo com ele, para a investigação foram procurados, inclusive, ex-secretários presos por esquemas de corrupção no Estado como Arnaldo Alves (Planejamento), Marcel de Cursi (Fazenda) e Pedro Nadaf (Casa Civil), além do próprio ex-governador Silval Barbosa.

 

Em razão da ausência de elementos fáticos e documentais suficientes que comprovassem os fatos narrados, o TCE arquivou o processo.

 

Leia mais sobre o assunto:

 

TCE arquiva investigação de suposta propina a seis conselheiros

Ex-Intermat cita esquemas no Renascer, Liberdade e José Magno

 




Clique aqui e faça seu comentário


0 Comentário(s).

COMENTE
Nome:
E-Mail:
Dados opcionais:
Comentário:
Marque "Não sou um robô:"
ATENÇÃO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do MidiaNews. Comentários ofensivos, que violem a lei ou o direito de terceiros, serão vetados pelo moderador.

FECHAR

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

1999-2017 MidiaNews - Credibilidade em Tempo Real - Tel.: (65) 3027-5770 - Todos os direitos reservados