ENQUETES

Você acha que os políticos, conselheiros e empresários alvos da PF serão condenados?

PUBLICIDADE

Equilíbrio / TECNOLOGIA ESPACIAL
08.09.2017 | 05h30
Tamanho do texto A- A+

As sondas espaciais que espantam os cientistas 40 anos após o lançamento

Criadas com tecnologia dos anos 1970, Voyager 1 e 2 ainda funcionam e viajam a 61 mil km/h pelo espaço; a primeira já saiu do Sistema Solar.

(Foto: Reprodução/BBC)

Clique para ampliar

do G 1

Lançada há 40 anos, a sonda Voyager 1 já está a 28,8 bilhões de km de distância da Terra.

 

"Nunca paro de me surpreender. É uma tecnologia dos anos 1970", diz Enrique Medina, o principal controlador da missão. "É uma das obras de engenharia mais exemplares já feitas."

 

 

Em 1977, ela foi lançada ao espaço com uma "irmã", a Voyager 2, para explorar os limites do Sistema Solar.

As sondas usaram um raro alinhamento para se lançarem até Júpiter e Saturno.

 

 

Além de fazerem registros, elas levam gravações de sons da Terra e outras informações sobre a humanidade.

 

Os transmissores operam com apenas 20 watts, o mesmo que uma lâmpada de geladeira. Mesmo assim, mandaram imagens espetaculares de Júpiter, revelando que sua grande mancha vermelha é na verdade uma tempestade gigantesca.

 

 

As sondas também fotografaram os anéis de Saturno e descobriram novas luas.

 

Anos depois, a Voyager 2 passou por Netuno e Urano e fez mais imagens.

 

 

Em 1990, a Voyager 1 tirou uma foto da Terra à distância, em que o planeta parecia ser apenas um pontinho, o que inspirou o apelido de "pálido ponto azul" para nosso planeta.

 

"É um pontinho, uma coisinha minúscula flutuando no espaço. Um único evento cósmico poderia acabar com toda a vida que conhecemos", Emily Lakdawalla, membro da Sociedade Planetária, uma organização voltada à promoção da exploração espacial.

 

 

Viajando a 61 mil km/h, a Voyager 1 já chegou ao espaço interestelar.

 

Ela é hoje o objeto criado pelo homem que está mais distante da Terra. E, junto com a Voyager 2, vai continuar a viajar pelo espaço sideral por muito tempo, mesmo depois que suas fontes de energia se esgotarem.

 

 

Fonte      http://g1.globo.com/ciencia-e-saude/noticia/as-sondas-espaciais-que-espantam-os-cientistas-40-anos-apos-o-lancamento.ghtml




Clique aqui e faça seu comentário


0 Comentário(s).

COMENTE
Nome:
E-Mail:
Dados opcionais:
Comentário:
Marque "Não sou um robô:"
ATENÇÃO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do MidiaNews. Comentários ofensivos, que violem a lei ou o direito de terceiros, serão vetados pelo moderador.

FECHAR

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

1999-2017 MidiaNews - Credibilidade em Tempo Real - Tel.: (65) 3027-5770 - Todos os direitos reservados