ENQUETES

Você é a favor ou contra Silval fazer delação e ganhar a liberdade?

PUBLICIDADE

Entrevista da Semana / ELEIÇÕES 2016
24.09.2016 | 21h31
Tamanho do texto A- A+

“O voto no Procurador é o voto dos eleitores sem bússola”

Segundo Onofre Ribeiro, para o cuiabano, os outros nomes que concorrem à Prefeitura não representam uma esperança

Marcus Mesquita/MidiaNews

Clique para ampliar

Onofre Ribeiro classificou como "louca" a situação política em Cuiabá às vésperas da eleição

RAMON MONTEAGUDO E YURI RAMIRES
DA REDAÇÃO

O jornalista e articulista político Onofre Ribeiro não poupa críticas aos candidatos à Prefeitura de Cuiabá. Em sua visão, são todos "freelancers" em uma campanha na qual ninguém se envolve.

 

Sobre a boa posição do Procurador Mauro (PSOL) nas pesquisas, Ribeiro acredita que os eleitores estão "sem bússola".

 

“O Procurador Mauro tem o que de diferente dos outros? Ele não tem desgaste, embora não tenha nenhum conteúdo. Ruim por ruim, o eleitor prefere arriscar”, diz.

 

Para Ribeiro, o pleito eleitoral de 2016 está sendo diferente em razão do desgaste da classe política. E, por isso, o que é visto como “novo” está atraindo o eleitorado, que prefere "pagar para ver".

 

Na entrevista que deu esta semana ao MidiaNews, ele afirmou que o não-conteúdo do Procurador Mauro acabou se tornando um conteúdo. A entrevista foi dada na quarta-feira (21), antes da divulgação da Voice Pesquisa, que já mostrava Emanuel Pinheiro (PMDB) numericamente à frente dos adversários.

 

Ribeiro adverte ainda que, em Cuiabá, quatro anos “perdidos”, no caso de uma escolha errada, podem ser o mesmo que 20. E convida aos eleitores para uma reflexão sobre o voto consciente.

A maioria não está olhando por esse lado, pensando em uma boa ou má gestão. Eles estão pagando para ver, querem mudança

 

Confira os principais trechos da entrevista:

 

MidiaNews – Diante da insatisfação brasileira com a classe política, em Cuiabá fala-se muito que o voto no Procurador Mauro é um voto de protesto. Mas só isso é suficiente para explicar seus expressivos números nas pesquisas?

 

Onofre Ribeiro O voto dele é o voto dos eleitores sem bússola. Se considerarmos que, em 2005, a esquerda sofreu uma morte prematura com o caso do Mensalão, quando o PT se mostrou igual aos demais partidos – ou até pior –, houve agora, em 2016, uma destruição da política que conhecíamos.

 

O PT, que surgiu na época como uma esperança, que nasceu na época das Diretas Já, desmontou. A gente sempre teve a leitura que a política funcionava de uma maneira. Agora não tem mais.

 

Não só os políticos que perderam o rumo, a forma de se guiar. Os eleitores também perderam a bússola.

 

O Procurador Mauro tem o que de diferente dos outros? Ele não tem desgaste, embora não tenha nenhum conteúdo. Ruim por ruim, o eleitor prefere arriscar.

 

MidiaNews – Esse sentimento é tão forte ao ponto de gerar uma "cegueira" no eleitor, que pretende votar em um candidato que não tem consistência?

 

Onofre Ribeiro – O Procurador Mauro, que não tem conteúdo, deveria ser confrontado com pessoas de conteúdo, mas não foi isso que aconteceu. A falta de conteúdo dele acabou virando conteúdo.

 

Isso significa que ele não tem história pregressa, sem manchas. Se ele for para o segundo turno, vai ser muito confortável.

 

MidiaNews – Então o senhor acha que ele vai pro segundo turno?

 

Onofre Ribeiro – Vai. Não tem como não ir. O que desconstruiria ele é a proposição de novas e efetivas propostas, mas os propositores deveriam ter credibilidade para isso, mas não têm.

 

Então, ele vai chegar solidamente ao segundo turno e vai se confrontar com um político profissional.

 

Aí eu não posso imaginar que o Emanuel Pinheiro [PMDB] ou Wilson Santos [PSDB] vão chegar lá tão inocentes e com seus marqueteiros tão incompetentes ao ponto de não perceberem que eles precisam produzir uma vacina de neutralização do Procurador Mauro. Ou seja, produzindo conteúdo.

 

Ou Wilson e Emanuel arranjam conteúdo para confrontá-lo, ou ele vai ganhar. Os eleitores querem propostas, de racionalidade, e isso não houve nessa eleição. Ele vai voar até o final.

 

MidiaNews – Será que o eleitor até agora não analisou, com senso crítico, o risco grande de eleger uma pessoa com o perfil do Procurador Mauro – não a pessoa dele, mas as ideias de seu partido, o PSOL?

 

Onofre Ribeiro – O eleitor da classe C, D e E está com o Procurador. Essas classes não racionalizam os problemas e agem sim na base da esperança. As propostas do Wilson e do Emanuel não trouxeram essa esperança aos eleitores. Não há nada de novo.

 

A população está com a ideia de que o político é ruim. A maioria não está olhando por esse lado, pensando em uma boa ou má gestão. Eles estão pagando para ver. Querem mudança.

 

Por exemplo, a Europa está mudando, a esquerda está caindo e a União Europeia se desestruturando.

 

Nos Estados Unidos, o empresário Donald Trump está desconstruindo a política. Por que em Cuiabá seria diferente?

 

MidiaNews – Mas, nesses casos citados, há um forte grupo por trás que têm consistência, não acha?

 

Marcus Mesquita/MidiaNews

Onofre Ribeiro

A força de fazer política em Mato Grosso, segundo Onofre Ribeiro, está sendo desconstruída

Onofre Ribeiro Mas onde estão os grupos aqui? Wilson não tem grupo e o Emanuel também não. Eles têm aliados e não construíram um grupo, pois as candidaturas foram improvisadas. Em Mato Grosso não tem mais grupo para dar proteção.

 

Temos dois franco-atiradores e seus aliados de momento, tentando chegar lá.

 

MidiaNews – Esse “pagar para ver” do eleitor que vai votar no Procurador Mauro representa algum risco?

 

Onofre Ribeiro – Risco total. Mas, no subconsciente do eleitor, que representa a maioria, ele está pagando para ver porque não tem nenhuma noção do que não vai funcionar. O Procurador Mauro falta com projetos, com conteúdo e até mesmo ideologia.

 

Então, a sociedade está nesse desejo inconsciente de mudança política. Que se ficar ruim, eles pagam para ver e mais para frente corrigem, já que os outros candidatos não representam a esperança deles.

 

Essa é uma eleição completamente louca e sem bússola.  

 

MidiaNews – Tirando a questão analítica dos candidatos e olhando para o processo como um fenômeno, o senhor acha positiva a postura do eleitorado?

 

Onofre Ribeiro – Isso tem nome, é psicanálise coletiva. Os eleitores estão olhando para dentro, apostando em mudanças, em mudar o comportamento e criar algo novo. O eleitor quer se conhecer.

 

Tivemos, nos últimos anos, o furacão Dilma [Rousseff], [Eduardo] Cunha, Lula e todo o desgaste do meio político, que gerou uma tempestade na cabeça das pessoas. Elas não querem se agarrar com o que está lá atrás, e sim com o que vem por aí, como é o caso do Procurador Mauro.

 

Ele pode ganhar a eleição sentado na cadeira, já que nunca deixou claros seus pensamentos, nunca foi para valer em um debate. Não sabemos nem o que ele pensa, por exemplo, sobre o impeachment, crise, desemprego. Ele nunca deu uma palavra.

 

O Procurador Mauro sentou em uma cadeira de balanço, ao bom estilo cuiabano antigo, e está vendo a vida passar na sua frente. E ela está passando a favor dele.

 

Agora, no íntimo, eu aposto que ele não quer ganhar. Ele não tem equipe, não tem ideias, não tem conhecimento. Ele é um candidato profissional, está na sexta disputa, não está aí para ganhar.

 

[A vitória do Procurador] Vai ser um problema para ele e para a sociedade.

 

MidiaNews – Acredita que nenhum dos candidatos que estão aí se preparou através de uma análise para entender e saber se projetar na eleição?

 

Onofre Ribeiro – Todos os candidatos, com exceção do Julier Sebastião (PDT) e o Renato Santana (Rede) – que são franco-atiradores -, estão habituados a lidar com grupo político, seja ele de pensamento, financeiro e de retaguarda política. Então, como não tem mais grupos, acabam atuando como franco-atiradores também. E pior que o Procurador Mauro.

 

Quando o prefeito Mauro Mendes (PSB) desistiu, o deputado Emanuel Pinheiro viu uma brecha para disputar e entrou. Assim como foi com o também deputado Wilson Santos. Só que esse foi na base do pacto forçado.

 

O governador Pedro Taques teve que assumir a campanha do Wilson, mas e a do Emanuel, quem assumiu? Ninguém. A inconsistência gerou essa situação política que temos aqui.

 

No fundo, falamos sobre o fim da política tradicional em Mato Grosso. Hoje, em Cuiabá, temos cinco candidatos "freelancers" e um deles será eleito. 

 

MidiaNews – O senhor falou que não existe grupo no sentido coeso e orgânico. Mas, por trás, vemos com o Wilson, por exemplo, grandes lideranças. Tem o governador Pedro Taques, o presidente da Assembleia Legislativa, Guilherme Maluf, e até, de forma mais velada, o prefeito Mauro Mendes. Esse grupo não é forte o suficiente?

Taques alimentou muitas crises políticas, então, em 2018, ele vai precisar arranjar um discurso novo, pois moralidade e que vai mandar prender já não convencem mais

 

Onofre Ribeiro – Pois é. Mas a inconsistência do PSDB em Mato Grosso é dolorosa. Não é um partido, é um ajuntamento, apesar da história. Emanuel Pinheiro vêm trocando de partido sempre. Até ontem ele era do PR.

 

O PMDB, onde ele está agora, não o assumiu como candidato. Ele é candidato da sigla, mas não é o candidato do Carlos Bezerra, por exemplo.

 

A mesma coisa acontece com o Wilson. Veja bem: o governador Pedro Taques tem seus limites, o Maluf também. O que temos hoje é uma candidatura na qual ninguém se envolve. Não tem consistência político-partidária.

 

Na primeira eleição de prefeito em Cuiabá, pós-ditadura, em 1985, Dante de Oliveira tinha um grupo muito orgânico. Vinha sendo apresentado e defendido pelo partido. Júlio Campos, que defendia a candidatura do Gabriel Novis Neves, saía de porta em porta apresentando o candidato. Tinha todo o partido trabalhando junto, como uma torcida organizada.

 

Hoje o que temos são os "freelancers". Ou seja, ninguém se envolve.

 

MidiaNews – Pensando nessa linha, Mauro Mendes colocou todo mundo em uma cilada, né?

 

Onofre Ribeiro – Sim. Mauro Mendes pode ou não ter percebido que hoje ele é, ao lado do ministro Blairo Maggi e do governado Pedro Taques, uma das três lideranças orgânicas de Mato Grosso.

 

Percebendo isso, Mauro pode ter optado em não entrar nessa eleição em meio à crise.

 

Sabemos que o candidato que for eleito vai sofrer com as críticas da sociedade, com a forte crise financeira e até mesmo o endurecimento da burocracia, que agora está mais controladora.

 

Sabendo disso, ele tirou o corpo fora. O pecado foi ter deixado para avisar em cima da hora. Não foi dE propósito. Ele foi vendo até onde podia ir.

 

Mauro, ao lado de Blairo e Taques, vai assistir o que acontece. E todos eles vão se organizando, se movimentando rumo a 2018. O Blairo, por exemplo, sonha com o Governo Federal ou o retorno ao Senado. Já Mendes com o que cair no colo dele.

 

MidiaNews – Há uma tese de que Mauro Mendes fez isso de caso pensado, para colocar o governador Pedro Taques em uma saia justa, enfraquecendo seu grupo. Com isso, ele voltaria forte em 2018. O que acha?

 

Onofre Ribeiro – Apesar de isso vir acontecendo como uma consequência, a tese de caso pensado é teoria da conspiração. Não creio que ele teria feito isso. Blairo iria intervir.

 

Se fosse para Blairo romper para atender um projeto de Governo em 2018, Mauro teria anunciado antes que ele não iria para a reeleição. Mas ele foi segurando o anúncio, como é do perfil dele, até esgotar a possibilidade.

 

Só não foi de caso pensado, apesar de a situação estar passando a imagem de que sim. Agora, ele fica de fora da política em um momento de desordem.

 

Se Taques for derrotado, assim como os outros líderes, eles precisam se reinventar no futuro.

 

MidiaNews – Caso Wilson perca - e o governador, por consequência -, isso pode significar o começo do fim da parceria entre Pedro Taques e Mauro Mendes?

 

Onofre Ribeiro – Ah, isso é inevitável. Mauro sempre foi mais Blairo que Taques. Ele se aproximou do governador em 2010, mas antes era só Blairo, que queria que ele saísse como governador.

 

Blairo queria que Mauro fosse candidato ao Governo, mas ele não quis, não queria ficar sob tutela do senador. Aí rolou uma rixa e Silval Barbosa acabou se elegendo.

 

Quando Mauro concorreu para prefeito de Cuiabá, os dois voltaram a se aproximar.

 

Agora, como é que fica o Pedro Taques nessa história? Ele vai ter que investir em um bom Governo para compensar o desgaste da perda.

 

MidiaNews – Acha então que Pedro Taques pode ter dado um tiro no pé escolhendo Wilson como candidato, partindo do princípio de que ele sabia da rejeição e do desgaste dos eleitores com Wilson?

Marcus Mesquita/MidiaNews

Onofre Ribeiro

Pela força política de Taques e pela importância do colégio eleitoral de Cuiabá, o PSDB não poderia deixar de lançar um candidato, diz Ribeiro

 

Onofre Ribeiro – Ele não podia deixar de ter um candidato na Capital pela densidade do colégio eleitoral que Cuiabá e a Baixada representam.

 

Mauro deixou para anunciar sua saída no último minuto. Taques tentou lançar o deputado federal Fábio Garcia e o ex-secretário Gilberto Figueiredo, o que não deu certo.

 

Sobrou para o Wilson Santos, que já havia mostrado lealdade ao Governo no desgaste causado pela discussão da Reposição Geral Anual (RGA). Então, era ele ou nada.

 

Taques assumiu os riscos da rota de voo e está correndo um risco. Então, é um risco calculado. Pela falta de opções, você cai em um quadro sem grupo, sem liderança, sem novidades.

 

MidiaNews – O governador foi beneficiado pela situação de novidade na eleição de 2010 e 2014. Seu discurso de moralidade e ética também o ajudou. Taques não é mais o novo?

 

Onofre Ribeiro – Não. Para a população ele não é mais novo. O cargo executivo gera desgaste rapidamente. Sendo assim, ele já está no rol dos políticos e não é mais novo.

 

O inconsciente dos eleitores quer o novo, o renovado. O candidato limpo e puro para assumir um cargo.

 

Taques alimentou muitas crises políticas, então, em 2018, ele vai precisar arranjar um discurso novo, pois moralidade e que vai mandar prender já não convencem mais.

 

O eleitor quer discurso de esperança. Ética e moralidade não são esperança. Isso serviu para aquele momento - e só. Se bem que ele tem dificuldades de mudar o discurso.

 

MidiaNews – Sobre essa dificuldade, acha que ele já percebeu isso?

 

Onofre Ribeiro – Não, não percebeu. Ele é muito autossuficiente. Ele pensa que, por ter uma formação intelectual muito boa, se considera suficiente dentro do “eu me basto” e não ouve mais ninguém.

 

O governador cria as crises e não tem "feedback" do que criou. Ele vai se retroalimentando com informações que não passaram pelo crivo da opinião pública.

 

Ele tem a síndrome do falar, não do ouvir. E, para 2018, ele vai ter que se reinventar. É outro período e, em um ano, muita coisa muda.

 

MidiaNews – De forma crítica, o senhor explanou a eventual eleição do Procurador Mauro. O que projeta no caso da eleição do Emanuel Pinheiro?

 

Diria que quatro anos perdidos em Minas Gerais são quatro anos. Em Cuiabá, são 20. Ou seja, é muito tempo

Onofre Ribeiro – A eleição do Emanuel, que é a mais provável, vai repetir com muita semelhança o que fez Bezerra em 1986 e o Silval Barbosa em 2010. Bezerra era uma esperança da esquerda na época. Chegou ao Governo com a sede de mudança. Dois anos depois, nem aparecia mais no Palácio. Ele renunciou para ser senador e quase saiu de cena.

 

Silval era uma prótese de Blairo e o Emanuel vai ser uma prótese do Bezerra. Quem é o PMDB? O PMDB não é mais partido, é um ajuntamento.

 

MidiaNews – Dizer que o Emanuel é uma prótese do Bezerra significa o quê?

 

Onofre Ribeiro – Na prática, significa que ele vai fazer um Governo sem rumo, sem bússola. A campanha dele não tem propósitos, não tem filosofia – que existe para explicar as coisas. Ele precisa ter motivos, mas não tem.

 

Emanuel e sua equipe construíram um conteúdo para o momento. Agora, saber quem é o eleitor, o que ele quer, eles não sabem. Aliás, ninguém se preocupou em fazer uma pesquisa para conhecer o eleitor de Cuiabá.

 

A pesquisa é muito importante, não só para uma eleição, mas para conhecer a cidade, que vai além de buracos na rua e praças sujas ou não. Qual é o alter ego da cidade? São 415 mil pessoas. Como você lida com quem você não conhece?

 

Não dá para administrar de forma intuitiva. A Cuiabá que elegeu Mauro Mendes já não é a mesma. Então, os novos vão dirigir a cidade sem conhecer, nem nós mesmos conhecemos.

 

Cuiabá está muito importante, já que o interior está progredindo dentro do agronegócio e no setor alimentício. A Capital é dinâmica e está se mexendo muito, mas ninguém sabe disso.

 

Como vamos para uma eleição sem saber qual é a filosofia da cidade? No caso do Procurador Mauro, ele aparece sem filosofias, mas não promete nada.

 

MidiaNews – Mas o Emanuel começa a crescer, se projetando de forma expressiva nas pesquisas, não acha?

 

Onofre Ribeiro – Ele cresce em cima da rejeição do Wilson Santos, que está com esse desgaste por ter deixado a prefeitura em 2010 para concorrer ao Governo. Ele não ganhou, não recuperou a cidade e deixou a administração na mão do Chico Galindo, que fez muita bobagem, como a venda da Sanecap, uma série de asfalto horríveis no programa Poeira Zero e o envolvimento com a Construtora Delta, do Carlinhos Cachoeira. 

 

A sociedade não perdoou. Wilson não está sendo punido pela gestão que fez, e sim pelo que não fez.

 

Já Emanuel não tem trabalhado para crescer, ele não tem o conteúdo exigido. Ele vem crescendo na rejeição de Wilson.

 

MidiaNews – Falando no Wilson, o que podemos esperar de uma possível eleição?

 

Onofre Ribeiro – Olha, vou responder com o exemplo do Carlos Bezerra. Era prefeito de Rondonópolis, fez e aconteceu na cidade, a melhorou bastante. Daí foi para o Governo, terminou o mandato sem rumo e derrotado.

 

Wilson iria para um terceiro mandato. Talvez ele não tenha internalizado o desejo de voltar como prefeito. Ele é candidato. A rejeição o puxou para trás. 

 

MidiaNews - O Wilson Santos fala que está maduro, pede perdão por ter abandonado a administração e que tem o respaldo e apoio do governador. Acha que isso não daria uma condição favorável para ele fazer uma boa gestão?

 

Onofre Ribeiro – Bom, primeiro ele precisa ganhar. Se bem que a sociologia nunca viu com bons olhos a volta de um líder. Na ausência dele, a sociedade caminha e ele fica. A pessoa líder pouco evolui. Ele olha muito seus feitos e quer aplicar a mesma metodologia numa sociedade evolutiva.

 

Aí teremos um problema. O líder não vai compreender a sociedade e nem a sociedade vai compreendê-lo. Não vejo a figura do líder sendo desejada na volta, mas não tem como negar que o Wilson é o que mais tem conteúdo e experiência que todos os outros.

 

MidiaNews Na reta final, se pudesse ajudar na reflexão do processo, o que diria aos eleitores?

 

Onofre Ribeiro – Diria que quatro anos perdidos em Minas Gerais são quatro anos. Em Cuiabá, são 20. Ou seja, é muito tempo.

 

No meu ver, as melhores gestões de prefeituras foram em 1979 e agora, com Mauro Mendes. Isso vai ser interrompido e vamos retroceder.

 

GALERIA DE FOTOS




Clique aqui e faça seu comentário


26 Comentário(s).

COMENTE
Nome:
E-Mail:
Dados opcionais:
Comentário:
Marque "Não sou um robô:"
ATENÇÃO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do MidiaNews. Comentários ofensivos, que violem a lei ou o direito de terceiros, serão vetados pelo moderador.

FECHAR

claudio costa  28.09.16 16h58
O que vou postar está fora do contexto da entrevista: Caro Onofre, respeito vc como profissional, suas opiniões e cultura são ímpares.(com excessão quando critica os servidores públicos colocando-os todos sempre no mesmo saco - as coisas não são bem assim). Ouço a rádio da Jovem Pan FM todos os dias quando saio para levar meu filho na escola e depois em minha corridinha matinal. Uma crítica: Você parece o Faustão. Fica intrometendo na fala dos seus colegas da rádio. Deixe-os terminar suas falas e raciocínio,nao fique dando pitaco inconveniente fora de hora. Outra coisa, pare de ficar falando de sua infância em um sitiozinho no interior de minas.. todo mundo já ouviu isso dezenas de vezes..
11
1
Eduardo AM  28.09.16 11h42
Sem opções realmente. Discordo de quase tudo oque foi dito acima. Mas concordo que procurador Mauro seria um erro, tiro no escuro.
6
11
Lucas  26.09.16 18h51
oNOFRE, EU SEMPRE ACREDITEI QUE VOCE SOUBESSE ALGO DE POLITICA, MAS O QUE FOI ESSA ENTREVISTA CARA? O SENHOR, COM TODO O RESPEITO QUE TENHO POR SUA PESSOA, FALOU DE UM MODO QUE PARECE QUE NINGUEM NUNCA TRABALHOU E QUE SOMENTE O SENHOR E MAURO MENDES É QUE FAZEM AS COISA... POR QUE NAO SAI PARA CANDIDATO E MUDA A REALIDADE POXA? E AINDA HAVIAM INCONSISTENCIA NA SUA FALA. QUANDO MAURO MENDES DECLAROU NÃO ESTARIA MAIS NA DISPUTA, EMANUEL JÁ TINHA ANUNCIANDO SUA CANDIDATURA, E OUTRA,FALAR QUE OS CANDIDATOS SAO FREELANCER É UMA PALHAÇADA. POSSO ATÉ CONCORDAR QUE ESTE NÃO É O MELHOR CENÁRIO, MAS AGORA FALAR QUE SERYS, EMANUEL OU ATÉ MESMO O PINOQUIO WILSON SÃO FREELANCER É PURA FALTA DE SINCERIDADE COM OS LEITORES. OS 3 TEM UMA VIDA TODA NA POLÍTICA, INDEPENDENTEMENTE SE GOSTAMOS DELES OU NÃO. SINTO O EMANUEL MUITO PREPARADO, VEM FAZENDO UM GRANDE MANDATO NA ASSEMBLEIA, CONHECE CUIABÁ E TEM EXPERIENCIA POLITICA E CONHECIMENTO O SUFICIENTE PRA FAZER UMA GRANDE GESTÃO. AGORA O SENHOR É QUE TEM QUE SE PREPARAR MAIS ANTES DE DISPARAR FACTOIDES
11
9
MARCIO GONÇALO DE LIMA  26.09.16 15h50
Não sem bússola, mas sem esperança nesse grupo de compadres que fingem ser adversários nas eleições e fazem rodízio na captura do suado dinheiro do povo. Pode ser que não dê em nada tais votos, mas a corja antiga está sentindo reflexo do enjoo dos zé cuiabá.
21
4
Everton de Almeida Carvalho  26.09.16 14h11
Aproveito a parte sobre o desconhecimento sobre a cidade e do perfil da população por parte dos candidatos.Assisti ao debate da Record e foi muito pobre em termo dos desafios. Cuiabá é hoje uma capital carente de serviços de qualidade, readequação urbana, até pelo desastre do VLT. No mais, o Emaunel é pule de dez - os eleitores, principalmente os da periferia, é que irão definir a votação e ai, quem tem uma coligação, mais dinheiro e maior capilaridade ganha, na base dos velhos "cabos eleitorais". O Procurador vai realizar o voo da galinha - não atinge o coração do povão!
4
14

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

1999-2017 MidiaNews - Credibilidade em Tempo Real - Tel.: (65) 3027-5770 - Todos os direitos reservados