ENQUETES

Qual sua expectativa sobre a seleção brasileira nesta Copa?

PUBLICIDADE

Entrevista da Semana / PALETÓ E GOVERNABILIDADE
07.04.2018 | 20h01
Tamanho do texto A- A+

"Mergulhei ainda mais na gestão, que não foi prejudicada em nada"

No aniversário de 299 anos da cidade, Emanuel enumera projetos que pretende entregar até os 300

Alair Ribeiro/MidiaNews

Clique para ampliar

O prefeito de Cuiabá, Emanuel Pinheiro, que se diz injustiçado

JAD LARANJEIRA E CAMILA RIBEIRO
DA REDAÇÃO

Na semana em que Cuiabá completa seus 299 anos, o prefeito da Capital, Emanuel Pinheiro (MDB), recebeu a reportagem do MidiaNews em seu gabinete para falar não só sobre o aniversário da cidade, como também do pacote de ações que prepara para as comemorações do tricentenário, a ser celebrado em 2019.

 

Como é inevitável, o prefeito também comentou sobre o vídeo em que aparece recebendo maços de dinheiro no Palácio Paiaguás, à época em que era deputado estadual e que o levou a ser alvo de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) instaurada pela Câmara de Vereadores.

 

Sobre as imagens, Emanuel reiterou que elas não guardam qualquer relação com recebimento de propina, disse que é vítima de uma injustiça, mas ainda assim, fez um pedido de desculpas à população. Ele afirmou ainda que a questão em nada atrapalhou sua administração.

 

"A minha preocupação era garantir a governabilidade, que Cuiabá não fosse prejudicada. Mergulhei mais ainda na gestão, que não foi prejudicada em nada, muito menos em seu equilíbrio fiscal, muito menos nas ações e nas obras que estavam sendo planejadas", afirmou.

Eu também entendo que a população com certeza ficou perplexa, ficou indignada, atingida por aquelas imagens. E até peço desculpas à população pelo fato do prefeito municipal estar naquelas imagens

 

Ao longo da entrevista, ele fala com bastante entusiasmo sobre projetos e obras que estão sendo implementados na Capital em diversas áreas, como a saúde, saneamento básico, cultura e lazer. O emedebista cita ainda a criação de três parques urbanos para bairros de classe baixa e média-baixa.

  

Confira os principais trechos da entrevista: 

 

MidiaNews – A partir deste domingo (8), começa a contagem regressiva para os 300 anos de Cuiabá. De todos os projetos apresentados até agora, o que o senhor pode garantir como perfeitamente factível?

 

Emanuel Pinheiro – Todos. E aqueles que, por ventura ou algum motivo, não forem tecnicamente viáveis ou tecnicamente importantes para Cuiabá, eu vou comunicar à população. Agora, todos os nossos sonhos para presentar a cidade, fazer a nossa cidade cada vez mais linda, referência e melhor para se viver, nós não vamos medir esforços para executá-los. Por exemplo, os parques da cidade. Cuiabá tem lindos parques, como o Mãe Bonifácia, Tia Nair, Parque das Águas, Massairo Okamura... Só que todos são concentrados em regiões centrais da cidade. São parques que garantem qualidade de vida, entretanto estão muito aquém de dividir esses atributos com a população de baixa renda. Quem mora no Bairro Pedra 90 não vai ao Parque das Águas, quem mora no Três Barras não vai ao Tia Nair. Então ficou atendida uma população muito pequena, um número muito pequeno. Menos de 3% da população é atendida por parques.

 

Nosso conceito é expandir a qualidade de vida, de entretenimento, lazer e diversão para a região mais carente de Cuiabá. Todas elas carecem de lazer, alegria e entretenimento. Por isso estou orientando a minha equipe a buscar áreas na periferia, porque Cuiabá é uma cidade muito bonita, e vamos levar o conceito de qualidade de vida para mais próximo dessas pessoas.

 

Pensando nisso, já vamos lançar as obras de três parques agora no mês de aniversário de Cuiabá: o primeiro é o Parque dos Trabalhadores, no Distrito Industrial, para atender a população do Pedra 90, Industriário 1 e 2, Parque Nova Esperança 1, 2 e 3, Pascoal Ramos e toda essa região, que é humilde e trabalhadora. Por isso eu o apelidei de Parque dos Trabalhadores. Ao lado deste parque, ainda vamos fazer o primeiro autódromo e kartódromo, um sonho antigo da população cuiabana, que é apaixonada por essa modalidade esportiva. Isso vai colocar Cuiabá no circuito nacional do automobilístico.

 

Alair Ribeiro/MidiaNews

Emanuel Pinheiro 06-04-2018

"Nosso conceito é expandir a qualidade de vida, de entretenimento, lazer e diversão para a região mais carente de Cuiabá"

O outro é o Parque do Caju, no coração do CPA, emendando com a Lagoa Encantada. Será uma área de lazer linda e vai atender Morada da Serra, Doutor Fábio, Três Barras, CPA 1, 2, 3 e 4, Altos da Serra e toda aquela região, que é a mais populosa de Cuiabá. Além disso, vamos inaugurar também um parque que eu ainda não dei o nome, mas já apelidei de “Vaca Brava”, porque é parecidíssimo com o de Goiânia, que tem esse nome. Será localizado atrás do Shopping Pantanal, no Bairro Bela Vista, e vai atender toda a população de lá, do Carumbé, Planalto, Novo Horizonte, Novo Mato Grosso, Leblon...

 

Essa obra será fruto de uma medida mitigatória com o Shopping Pantanal, que resolveu fazer um investimento enorme na região. A ideia é entregar todas as obras até o aniversário de 300 anos.

 

MidiaNews – Uma das críticas feitas à SEC 300 (Secretaria dos 300 anos de Cuiabá) é de que os projetos apresentados necessitariam de centenas de milhões de reais, dinheiro que Cuiabá jamais recebeu em investimento privado. Como superar isso e conseguir levantar todo esse dinheiro?

 

Emanuel Pinheiro – Não tem nada de centenas de milhões. Vejam os parques, por exemplo. O parque do Bela Vista é uma medida mitigatória que eu condicionei às obras de ampliação do Shopping Pantanal. Então é zero de recursos públicos. O parque do Caju e o dos Trabalhadores serão feitos com recurso próprio, fruto da gestão equilibrada, que tem muita responsabilidade fiscal. Nós pudemos guardar um pouco e planejar nossos investimentos para lançar esses projetos.

 

MidiaNews – Um dos projetos apresentados pela SEC 300 é a revitalização do Morro da Luz, avaliada em R$ 52 milhões. Há também projetos para uma torre giratória e uma passarela ligando igrejas. Não são ideias muito além da nossa realidade?

 

Emanuel Pinheiro – Não. Mudou muita coisa (nos projetos) de lá pra cá. Eu ia fazer o Caminho das Igrejas, que está no Ministério do Turismo, não é recurso próprio. Mas no momento não estou mais priorizando o recurso do Caminho das Igrejas, porque é um projeto que eu vou deixar para a próxima gestão. Precisa de investimento na área para não virar um “elefante branco”. Então optei pela revitalização do Morro da Luz, com a Torre dos 300 anos, que é uma obra emblemática. Vai ser o grande cartão postal. Nós vamos presentear Cuiabá com essa obra. Ela vai ter 150 metros de altura, restaurante lá em cima... Vai ter uma área típica do cuiabano para que todos possam frequentar. Ali vai haver lanches e baguncinhas, para que a população mais carente tenha acesso também. Embaixo vai haver um memorial.

 

Também quero fazer a cápsula dos 300 anos. Essa cápsula, com uma chama que não se apaga, será enterrada ali no pé da torre. Essa cápsula vai ser digital, onde todos poderão deixar uma mensagem para Cuiabá. Ela será aberta no dia 8 de abril de 2069, no aniversário de 350 anos da cidade. Então, quando houver troca de gestão vou passar a faixa de prefeito e a senha da cápsula do tempo para o gestor que assumir depois de mim. Esse é o conceito: mostrar a invencibilidade e a apoteose de Cuiabá.

 

MidiaNews – Não há como negar que as obras que o senhor citou são, de fato, grandiosas. A ideia é insistir nas parceiras com a iniciativa privada?

 

As demais ações serão execuções próprias ou parcerias com a iniciativa privada. Por exemplo: a indústria do entretenimento, grandes shows que movimentam também a economia local

Emanuel Pinheiro – Em relação à Torre dos 300 anos, os dois viadutos [na Avenida das Torres e Beira Rio] e o Contorno Leste [ligando o Distrito Industrial à Estrada para Chapada, com 17,2 km], vamos buscar recursos junto ao Ministério das Cidades ou financiamento a juros módicos, que a Prefeitura tenha condições de pagar sem nenhum problema.

 

As demais ações serão execuções próprias ou parcerias com a iniciativa privada. Por exemplo: a indústria do entretenimento. Eu chamo assim, porque não é apenas um show do [cantor] Luan Santana e de outros astros regionais e nacionais que vão celebrar o aniversário de Cuiabá. É indústria do entretenimento, porque são 100 mil pessoas que virão aqui. Além da diversão, você fomenta o comércio local, fomenta a rede hoteleira, como foi detectado pela própria Associação de Hotéis de Mato Grosso, quando trouxemos o [cantor] Felipe Araújo no final do ano passado. Houve uma movimentação maior na rede hoteleira do que no ano anterior e é isso que a gente quer.

 

A base é a alegria, mas principalmente agregar isso ao fator econômico, gerando renda e oportunidade de emprego. Enfim, é uma indústria com potencial em Cuiabá.

  

MidiaNews –  As imagens do senhor recebendo dinheiro dentro do Palácio Paiaguás, quando era deputado estadual, está de alguma forma influenciando a sua gestão?

 

Emanuel Pinheiro – Eu não deixei atrapalhar. São imagens fortes, de fato, chocantes. Entretanto a narrativa, a forma como ela foi denunciada, foi a grande injustiça, o grande erro. E vou provar na justiça que não tenho nada a ver com todo esse mar de lama. Então é a narrativa que não corresponde à realidade dos fatos e eu tenho que provar isso na Justiça. Então estou à disposição do Supremo Tribunal Federal, estou à disposição do Ministério Público Federal, da Polícia Federal, da Justiça Estadual e do Ministério Público Estadual, que é o foro competente, onde eu vou provar minha inocência.

 

A minha preocupação era garantir a governabilidade, que Cuiabá não fosse prejudicada. Mergulhei mais ainda na gestão, que não foi prejudicada em nada, muito menos em seu equilíbrio fiscal, muito menos nas ações e nas obras que estavam sendo planejadas.

 

MidiaNews –  Quando o senhor fala que vai se explicar na Justiça, que lá é o foro competente, isso de certa forma é uma crítica à Câmara dos Vereadores, que abriu uma CPI para investigá-lo?

 

Emanuel Pinheiro – A Câmara tem competência e legitimidade para abrir uma CPI, tanto é que tenho zero de interferência, não interferi para criar, nem no funcionamento e não vou interferir no desfecho. É uma prerrogativa do Poder Legislativo, que está na Constituição e na Lei Orgânica do Município. E eu respeito. A Câmara pode cumprir o seu papel, e tem o respeito e reconhecimento do seu prefeito e chefe do Poder Executivo.

  

MidiaNews – O senhor se considera injustiçado por toda forma como foram expostas as imagens e a delação do Silval?

 

Emanuel Pinheiro – Claro que fui, porque me colocaram num contexto, o "prefeito da Capital". Imagens fortes que foram vendidas para imprensa e para a população como ato de corrupção, que não foi. E eu vou provar na Justiça, que é o foro competente. E eu vou provar usando todas os instrumentos legais, de que nada tenho a ver com isso, principalmente para a minha família, para os meus amigos e para a sociedade.

 

Imagens fortes que foram vendidas para imprensa e para a população como ato de corrupção, que não foi. Vou provar na Justiça

MidiaNews – O advogado do senhor esteve na Câmara dizendo que aqueles valores eram referentes a dívida de pesquisas eleitorais contratadas com o instituto Mark, que pertence a seu irmão Marco Polo Pinheiro. O senhor não concorda, não admite que fica de certa forma difícil desvincular a figura do senhor - supostamente recebendo os valores relativos a essa dívida - daqueles demais deputados que estariam recebendo dinheiro de propina?

 

Emanuel Pinheiro – Eu reconheço que é difícil, que as imagens são fortes e a forma como elas foram exibidas, a narrativa, veio com essa impressão. E cria-se esse ar de que eu estou envolvido neste processo todo, mas agora cabe a mim provar que não. Primeiro que não foi meu advogado que disse que era para pesquisas eleitorais. Foi o próprio delator [Silvio Araújo] que disse, que teve negócio com o instituto do meu irmão. Isso foi confirmado pelo Silval Barbosa e pelo braço direito dele, Valdecir Cardoso. Então foram eles que falaram. Eu não falei nada. Vou falar na justiça, vou me defender lá, respeitando as instituições.

 

MidiaNews – O senhor foi insultado alguma vez na rua, por causa deste episódio? Recebeu muitas críticas?

 

Emanuel Pinheiro – Eu só tenho que agradecer à população cuiabana, pela generosidade e o espírito de compreensão. Eu nunca sofri nenhum tipo de retaliação. Pelo contrário, fui ainda mais para os braços da população, para os bairros, cumprindo com os compromissos que tenho com Deus e com o que a população me delegou, que é administrar a nossa cidade nos seus 300 anos.

 

Eu também entendo que a população com certeza ficou perplexa, ficou indignada, atingida por aquelas imagens. E até peço desculpas à população pelo fato do prefeito municipal estar naquelas imagens. Mas podem ter certeza, são 30 anos de vida pública, sem nenhuma mácula, sem nenhum processo, sem nenhuma ação de improbidade, sem nada. Então não seria agora que eu iria macular a minha imagem, a minha vida.

 

Tenho compromisso com a minha família, com meus amigos e com a sociedade. Agora, já que aconteceu, não posso tapar o Sol com a peneira e dizer que não houve decepção e nenhuma frustração da população. Porque houve. Porque foi vendido isso para ela. A população recebeu isso como corrupção, como propina. Então cabe agora os acusadores provarem e a mim provar também. Eu vou fazer questão de provar que nada tenho  a ver com isso. Agora que fica a marca, a decepção, claro que fica. Também não faço vista grossa, mas a população vai conhecer a verdade e eu vou poder mostrar que nada tenho a ver com esse mar de lama em que me envolveram. 

 

MidiaNews – Há boatos de que o ministro do STF Luiz Fux poderá determinar o seu afastamento por conta dessa investigação. O senhor teme que isso possa acontecer?

Alair Ribeiro/MidiaNews

Emanuel Pinheiro 06-04-2018

"Não posso tapar o Sol com a peneira e dizer que não houve decepção e nenhuma frustração da população. Porque houve"

 

Emanuel Pinheiro – Não temo, até porque não discuto decisão de judicial e estou à disposição da Justiça. Mas eu fico seguindo serenamente no objetivo que Deus e o povo cuiabano me deram, administrando com seriedade, transparência, com honestidade e com muita motivação e entusiasmo, o destino de Cuiabá pelos próximos quatro anos, especialmente no marco dos 300 anos.

 

MidiaNews – Há um ano, quando Cuiabá completava 298 anos, o senhor disse que a Saúde ainda era o gargalo, aquilo que mais lhe incomodava na gestão. Esta pasta ainda continua sendo a sua maior dor de cabeça?

 

Emanuel Pinheiro – Continua sendo e essa é uma das maiores entregas que eu quero fazer para a população, para brindar os 300 anos como momento simbólico. Primeiro a UPA [Unidade de Pronto Atendimento] Verdão, que devo entregar daqui a alguns meses no máximo; a UPA Jardim Leblon, que entrego até os 300 anos. Com isso fecho abraçando quatro anos e contemplando todas as regiões da cidade em áreas na atenção secundária. Aí vem o Hospital e Pronto-Socorro de Cuiabá, que em, virtude do processo licitatório e outros problemas, está um pouco atrasado. Mas nós vamos entregar. Depois eu anuncio a data certa. Paralelo a isso, estamos fazendo um investimento grande na atenção básica, na saúde preventiva da população.

 

Agora no aniversário de Cuiabá, entrego quatro unidades básicas de saúde, cada uma delas com dois ou três PSFs (Programa de Saúde da Família) em todas as regiões da cidade, fora mais duas que vou entregar em julho. Então serão seis unidades básicas em seis meses, praticamente uma por mês para investir na saúde básica. Eu vou construir e entregar mais duas UPAs, fechando com a do Pascoal Ramos e Morada do Ouro, Verdão e Jardim Leblon, fechando todo atendimento em Cuiabá.

 

Já estou tomando medidas enérgicas também para a falta de medicamentos e insumos, inclusive colocando câmeras em todas as unidades. Mandei licitar isso, como parte de uma mudança completa de um novo sistema, para poder estabelecer o controle rigoroso das aquisições e distribuição de medicamentos e insumos, porque hoje isso é feito manualmente. E é a vida das pessoas que está em jogo, é a vida de pessoas que precisam de medicamentos - e muitos deles são de uso contínuo. Você investe milhões de reais nisso, para acabar em dois, três meses. Claro que está havendo desperdício, pode estar havendo desvios, até corrupção. Então, como controlar? Estabelecendo uma rigorosa rede de controle na aquisição e distribuição desses medicamentos, do momento em que ele chega ao centro de distribuição até o momento em que ele for entregue na mão do cidadão.

 

Somado a tudo isso, agora no dia 26 de abril entrego a restruturação completa da ETA (Estação de Tratamento de Água) do Bairro Ribeirão do Lipa. E vou apresentar para a sociedade o maior programa de saneamento básico da história da Capital, pois saneamento também é saúde pública, por isso estou falando. Tudo isso que eu estou falando para vocês, eu estou fazendo e entregando.

Mas eu fico seguindo serenamente no objetivo que Deus e o povo cuiabano me deram, administrando com seriedade, transparência, com honestidade e com muita motivação

 

Determinei à [concessionária] Águas Cuiabá, quando assinei o contrato, que fizesse um investimento de R$ 228 milhões em saneamento básico. Esse investimento vou anunciar no dia 26. Na hora em que entregar a UPA, apresento o cronograma para vocês, mês a mês. Determinei um prazo de 18 meses para ser entregue esse investimento de saneamento básico, de maio até 2019. Isso significa 100% dos lares cuiabanos recebendo água tratada na torneira, sem intermitência. E também dobrar o esgotamento sanitário de Cuiabá, que é um grande problema. O hoje o atendimento está em torno de 33% e nós vamos dobrar para em torno de 60% a 65%, dando um salto no saneamento básico jamais visto na história desses 300 anos.

  

MidiaNews – A saúde pública é um problema que parece insolúvel. O senhor acredita que agora, com esses projetos e entregas de unidades, o problema seja resolvido?

 

Emanuel Pinheiro – Eu não posso ter a arrogância de falar que vou resolver, mas posso assegurar que vou avançar. E o mote da minha gestão é humanização, é respeito ao cidadão, é o carinho com as pessoas, é a prestação de serviço público humanizado. E a gente só atinge isso se tiver esse controle de um todo. Então o que eu posso assegurar à população é que vamos melhorar, que vamos avançar. Digo que todos os meus compromissos com a população cuiabana vão ser honrados ao longo da minha gestão. Até o final da minha gestão, evidentemente.

 

MidiaNews – O que impede a Prefeitura de fazer a licitação do transporte coletivo? Por que a situação se arrasta sem solução há tanto tempo, com veículos tão velhos e desconfortáveis?

 

Emanuel Pinheiro – Nada impede. Em novembro do ano passado lancei um decreto formando uma comissão mesclada entre membros da Arsec (Agência Municipal de Regulação dos Serviços Públicos Delegados) e da Semob (Secretaria de Mobilidade Urbana) para me apresentar em 90 dias uma proposta base para o novo processo licitatório para o transporte coletivo de Cuiabá, porque o contrato vence em abril de 2019. Eu vou honrar esse contrato, que foi feito na gestão Francisco Galindo. Ele foi honrado na gestão Mauro Mendes e eu também vou honrar. Já anunciei isso. Só que vou preparar uma nova licitação. Em novembro, quase um ano antes, já comecei a estudar. Eles pediram mais um prazo e eu dei mais trinta dias. A comissão me entregou agora o estudo prévio, em que eu determinei que estivesse lá primeiro ônibus elétrico ou híbrido. Ou seja, quero, além de fazer a licitação e melhorar o transporte coletivo, também dar uma contribuição ao meio ambiente e aos novos tempos. Cuiabá tem que produzir uma energia limpa, menos poluição sonora, desenvolvimento sustentável.

 

Tudo isso que estou falando é para toda a frota: 100% com ar-condicionado, 100% com wi-fi, 100% adaptado a pessoas com deficiência. No mais tardar em agosto eu quero lançar o edital.

 

Quero, além de fazer a licitação e melhorar o transporte coletivo, também dar uma contribuição ao meio ambiente e aos novos tempos

Vou apresentar agora no aniversário de Cuiabá um novo modelo de abrigo, climatizado, com bastante espaço, digno, que vai atender a grandes demandas. E os outros pontos que você vê que estão caindo aos pedaços - e também aqueles que mal chegam a mil usuários ao dia -, eu vou colocar um ponto semelhante ao que fica atrás da Catedral, com amplo espaço, com wi-fi, protegido do sol e da chuva. Aí, quando fechar todo este ciclo - que vai começar nas estações e abrigos e terminar nos ônibus zerados com toda frota entregue na nova licitação -, estará dado o início ao novo modelo de sistema de transporte coletivo da Capital, inclusive com energia limpa.

 

MidiaNews – A tarifa atual comporta todos esses avanços que o senhor está citando?

 

Emanuel Pinheiro – Comporta. Até porque, primeiramente, as estações são investimentos próprios da Prefeitura. Também estamos buscando parcerias. Inclusive a estação Ipiranga está sendo feita através de um TAC [Termo de Ajustamento de Conduta] com o Ministério Público Estadual. Então nós vamos buscar parcerias ou recursos próprios. Os abrigos intermediários serão por meio da exploração de publicidade. Quem ganhar a licitação vai fazer. E os menores também serão por publicidade. Então não vai sobrecarregar o atual sistema. E a tarifa remunera o sistema tranquilamente. Já a renovação da frota, essa sim depende do investimento direto dos empresários. Tudo vai ser calculado. Neste ano o valor pedido foi de R$ 4,10. E nós reestruturamos o sistema para não aumentar a tarifa no valor pretendido.

 

MidiaNews – Sobre esse projeto para o transporte que o senhor fala, está incluído o VLT (Veículo Leve sobre Trilhos)?

 

Emanuel Pinheiro – Não dá para descartar o VLT, mas também você não pode ficar escravo dele. A obra está paralisada há quatro anos, com todo esse imbróglio judicial. A cidade não pode esperar. Cuiabá marcha a ritmo galopante, rumo ao desenvolvimento e qualidade de vida. Nós temos como uma herança os dois principais corredores da Capital com cicatrizes, atrapalhando a mobilidade urbana, prejudicando o visual, o meio ambiente e a gente esperando um VLT que nunca chega. Eu não posso parar no tempo e no espaço, tanto é que eu já plantei as palmeiras na Avenida Fernando Correa e vou agora urbanizar o canteiro central da Avenida da Prainha e do CPA, onde está o VLT. Quando o VLT chegar tira, não tem nenhum problema. Mas enquanto ele não chegar, não posso ficar com esse perfil de cidade destruída.

 

MidiaNews – Apesar dos sinais de recuperação, o Brasil ainda está em crise. Como estão as finanças do Município?

 

Alair Ribeiro/MidiaNews

Emanuel Pinheiro 06-04-2018

"Sinceramente não penso em reeleição. O futuro está nas mãos de Deus. O que eu quero ser é um grande prefeito, o maior prefeito de Cuiabá"

Emanuel Pinheiro – Dificuldades sempre existem. Você nunca tem o suficiente para atender algumas demandas, principalmente numa Capital emergente como Cuiabá. Agora, isso depende muito do gestor, da responsabilidade fiscal, do perfeito equilíbrio nas despesas, do controle dos gastos e investimentos por pastas. Precisa fazer com que Educação e Saúde, que são as pastas que levam o percentual maior do orçamento público, possam o tanto quanto possível andar com as próprias pernas. Enfim, trabalhando com a responsabilidade fiscal e honrando os compromissos. Aí consegue sobrar um pouco, um margem maior de investimento próprio, que é o que nós estamos fazendo. E possibilitando também a criação de um clima econômico para que o Município possa aumentar sua capacidade de endividamento, caso haja necessidade de um financiamento.

 

MidiaNews – Maio é o mês de pagamento da RGA (Revisão Geral Anual) dos servidores efetivos. Vai haver dinheiro? De quanto será essa revisão?

 

Emanuel Pinheiro –  Está assegurado. Paguei em fevereiro a RGA dos comissionados como manda a lei. Agora a RGA é a data-base para os efetivos, fora a Educação, e em junho é dos efetivos da Educação. Todos serão honrados.

 

Agora sobre a revisão de maio eu preciso ver ainda o indexador para ver de quanto será.

 

MidiaNews – Com tantos projetos, o senhor já deve estar pensando em reeleição.

 

Emanuel Pinheiro – Sinceramente não, não penso em reeleição. O futuro está nas mãos de Deus. O que eu quero ser é um grande prefeito, o maior prefeito de Cuiabá. O marco dos 300 anos é uma dádiva que Deus me deu. Tenho como prioridade os mais carentes. Serei sempre esse prefeito próximo dos cuiabanos, um prefeito aberto ao diálogo constante, mas acima de tudo um prefeito de uma gestão popular, que gosta de gente, e vai avançar nos serviços públicos. Esse é o meu sonho.




Clique aqui e faça seu comentário


17 Comentário(s).

COMENTE
Nome:
E-Mail:
Dados opcionais:
Comentário:
Marque "Não sou um robô:"
ATENÇÃO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do MidiaNews. Comentários ofensivos, que violem a lei ou o direito de terceiros, serão vetados pelo moderador.

FECHAR

Graci Ourives de Miranda  12.04.18 21h54
Emanuel vc tem excelentes secretários, parabéns. Graci Ourives de Miranda
0
8
Raimundo CPAII  10.04.18 13h53
Mudei meu cometario,,,, CPA II É UMA LUA ´´´´´SÓ BURACOS.....
11
0
Raimundo CPA II  10.04.18 08h09
Raimundo CPA II, seu comentário foi vetado por conter expressões agressivas, ofensas e/ou denúncias sem provas
JOÃO BATISTA PINHEIRO DA SILVA  09.04.18 21h34
Parabéns, Emanuel.! Você está fazendo um bom trabalho. Firme na fé e bora lá, rumo aos 300 anos, Cuiabá merece! Que Deus te abençoe.
4
24
Moreira  09.04.18 08h19
Moreira, seu comentário foi vetado por conter expressões agressivas, ofensas e/ou denúncias sem provas
1999-2018 MidiaNews - Credibilidade em Tempo Real - Tel.: (65) 3027-5770 - Todos os direitos reservados