ENQUETES

Qual sua expectativa sobre a seleção brasileira nesta Copa?

PUBLICIDADE

Cotidiano / ENTERROU VIVA
13.06.2018 | 11h24
Tamanho do texto A- A+

Juiz acata denúncia do MPE e bisavó de bebê indígena se torna ré

Recém-nascida segue internada em estado grave na Santa casa, em Cuiabá

MidiaNews

Clique para ampliar

O Ministério Público Estadual ofereceu denúncia contra bisavó de recém-nascida

CÍNTIA BORGES
DA REDAÇÃO

O juiz Darwin de Souza Pontes, da 1ª Vara Cível de Canarana (838 km de Cuiabá), acatou a denúncia do Ministério Publico Estadual (MPE) contra a indígena Kutsamin Kamayura, bisavó da recém-nascida enterrada viva no dia 5 de junho.

 

O bebê, que é da etnia Kamayurá, foi enterrado após o nascimento pela bisavó. Conforme as investigações, Kutsamin teria articulado todo o processo para tentar matar a criança.

 

Com a decisão, datada desta terça-feira (12), a indígena se tornou ré por tentativa de homicídio duplamente qualificado. No momento, a bebê está internada na Santa Casa de Misericórdia de Cuiabá.

 

Conforme o MPE, ao enterrar a recém-nascida, Kutsamin tentou matá-la asfixiada e com a gravidade de impossibilidade de defesa.

 

Reprodução

bisavo  Kutsamin Kamayura

A bisavó está presa desde o dia 6 de junho

De acordo com o promotor de Justiça Carlos Rubens de Freitas Oliveira Filho, a família não aceitava a gravidez da adolescente pelo fato de ela ser mãe solteira.

 

Testemunhas relataram ao Ministério Público que a bisavó premeditou e articulou a morte da recém-nascida semanas antes ao nascimento. A cova foi aberta ainda na manhã do dia do parto. 

 

“Após o nascimento da recém-nascida, no período da tarde, colocaram em prática o plano criminoso. Ninguém da família pediu qualquer tipo de auxílio ou ajuda à Casa de Saúde Indígena, apesar da mãe adolescente, após o parto, apresentar hemorragia e precisar ser atendida”, traz trecho da denúncia.

 

A bisavó esta presa desde o dia 6 de junho, um dia após o nascimento da criança. Na segunda-feira (11), o magistrado manteve a prisão preventiva da indígena. Na decisão, a mulher ainda foi determinada a transferência dela para uma unidade da Funai (Fundação Nacional do Índio).

 

Enterrada viva

 

A adolescente indígena de 15 anos deu à luz por volta do meio dia do dia 5 de junho, em Canarana. 

 

Logo após o nascimento, o bebê foi enterrado no terreno da residência da família.

 

A Polícia Militar recebeu denuncia, foi até o local, e resgatou a menina após sete horas de enterrada. 

 

A bisavó da garota confirmou o ato, dizendo inicialmente que a criança teria nascido morta por ser prematura. Ela alegou que não comunicou a ninguém por ser este um costume da etnia.

 

No decorrer das investigações da Polícia Civil, foram colhidos depoimentos que apontaram que a família não aceitava a gravidez pelo fato de a adolescente ser mãe solteira.

 

 

A recém-nascida foi encaminhada para uma unidade hospitalar em Água Boa (a 720 km de Cuiabá), mas está na Santa Casa de Misericórdia de Cuiabá no dia 6 de junho.

 

Leia mais sobre o assunto: 

 

TJ mantém prisão de bisavó que enterrou recém-nascida viva

 

Polícia Civil autua bisavó que enterrou recém-nascida viva em Canarana

 

MPE denuncia bisavó por tentativa de homicídio duplamente qualificado

 

Recém-nascida enterrada viva é internada na Santa Casa em Cuiabá




Clique aqui e faça seu comentário


0 Comentário(s).

COMENTE
Nome:
E-Mail:
Dados opcionais:
Comentário:
Marque "Não sou um robô:"
ATENÇÃO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do MidiaNews. Comentários ofensivos, que violem a lei ou o direito de terceiros, serão vetados pelo moderador.

FECHAR

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia
1999-2018 MidiaNews - Credibilidade em Tempo Real - Tel.: (65) 3027-5770 - Todos os direitos reservados