ENQUETES

Como você vai gastar seu 13º salário?

PUBLICIDADE

Cotidiano / NA CASA DE EDER
22.05.2014 | 18h40
Tamanho do texto A- A+

PF apreendeu nota promissória no valor de R$ 40 milhões

Durante busca e apreensão, agentes encontraram 72 notas promissórias

Tony Ribeiro/MidiaNews

Clique para ampliar

Eder de Moraes: preso após pedido da Justiça Federal e também do Supremo Tribunal Federal

ISA SOUSA
DA REDAÇÃO
A Polícia Federal encontrou 72 notas promissórias na residência do ex-secretário de Estado de Fazenda Eder Moraes, no condomínio Florais Cuiabá, em fevereiro passado, durante busca e apreensão na fase quatro da Operação Ararath.

A informação foi utilizada pelo juiz federal Jeferson Schneider, em sua decisão de decretar a prisão preventiva do ex-secretário, datada de 5 de maio passado.

"No contexto dos crimes financeiros trazidos à baila, foram apreendidas na residência de Eder de Moraes 72 notas promissórias, a grande maioria por ele assinadas. Algumas das notas possuem valores astronômicos (uma delas, sozinha, representa uma dívida de mais de R$ 40.000.000,00)"


O ex-secretário foi preso na última terça-feira (20), durante a mais recente fase da operação, e transportado pela PF ao Presídio da Papuda, em Brasília.

“No contexto dos crimes financeiros trazidos à baila, foram apreendidas na residência de Eder de Moraes, 72 notas promissórias, a grande maioria por ele assinadas", relatou o magistrado.

"Algumas das notas possuem valores astronômicos; uma delas, sozinha, representa uma dívida de mais de R$ 40.000.000,00”.

Conforme o magistrado, as notas convergem para indícios de que Eder não agiria sozinho no suposto esquema. Mas estaria “representando” outros.

“A existência de tais notas promissórias converge para os seguintes indícios já delineados: a) em razão da quantidade e valores envolvidos, Eder de Moraes não estaria agindo sozinho, sendo plausível que, de fato, estaria agindo em nome de Blairo Maggi e Silval Barbosa; b) Eder era o grande operador do esquema, o que justifica a posse das promissórias, uma vez que ele seria o responsável por resgatá-las”, relata o magistrado.

Ele cita ainda que “o sistema financeiro paralelo não se resume a Júnior Mendonça, havendo indícios de que outros servem ao esquema, inclusive, outros operadores financeiros em relação aos quais a investigação já se estendeu, a exemplo de Waldir Agostinho Piran, Fernando Mendonça França, e outros”.

Júnior Mendonça é considerado o epicentro da Operação Ararath e se tornou colaborador premiado, revelando a PF participantes do esquema.

Diretor da Piran Sociedade de Fomento Mercantil, Waldir Piran também foi alvo de busca e apreensão da Polícia Federal. Assim como  Fernando Mendonça, dono do Atacado Mendonça, em Várzea Grande.

Fernando foi o maior doador da campanha eleitoral do senador Pedro Taques (PDT), em 2010. Declarados, ele doou R$ 229,5 mil.

Suposto esquema

Segundo Jeferson Schneider, as notas promissórias encontradas na residência de Eder de Moraes indicam que as operações feitas pelo ex-secretário eram emitidas para outros operadores.

Como exemplo, o magistrado cita o Atacado Mendonça, que seria apenas de “fachada”.

“A título de exemplo: a nota promissória no valor de R$ 4.449.829,26, emitida em 14/05/2010, com vencimento em 30/06/2010 (em pleno ano eleitoral) tem com emitente Eder Moraes (assinatura já conhecida, conforme demonstrado em relatório já acostado aos autos) e credor a empresa Comércio Regional de Alimentos Ltda., ligada a Fernando Mendonça França”.

“Trata-se de uma operação financeira de grande vulto realizada de forma clandestina com o uso, inclusive, da fachada de empresa do ramo Atacadista. Eis um, dentre tantos, indícios de que Fernando Mendonça é um dos que operam instituição financeira clandestina no Estado”.

As notas estariam “associadas, aparentemente, a duplicatas emitidas em favor de uma empreiteira. Considerando-se, entretanto, o fato de terem sido resgatadas por Eder de Moraes (o que justifica estarem em sua posse), são, provavelmente, objeto de operações financeiras ilegais e lavagem de dinheiro”.

Para o magistrado, diante das notas, e também com depoimentos de Júnior Mendonça, não resta dúvida de que a medida cautelar de prisão preventiva de Eder “merecia” ser deferida.

Coação e fuga

Entre os argumentos citados por Jeferson Schneider para que o ex-secretário Eder de Moraes fique preso, estão, por exemplo, coação moral e e física a testemunhas do esquema.

“O que é possível e provável, dada a magnitude e extensão que as investigações tomaram, envolvendo interesses de autoridades estatais de alto escalão e grupo de empresários com forte poder econômico, com troca de acusações mútuas na imprensa digital local, provocando grande repercussão no âmbito do estado de Mato Grosso”.

Outros pontos que justificaram a prisão, para o juiz, foram a possibilidade de fuga de Eder e também a continuidade das “atividades criminosas da organização. Sobre isso, o juiz cita: "certamente encontram-se em andamento uma vez que há provas de que o grupo tem débitos referentes a empréstimos tomados e não honrados com inúmeros credores que faziam funcionar o esquema de instituição financeira clandestina cujas cifras ultrapassam cem milhões de reais”.

Leia mais sobre o assunto:

Alvo da PF diz que pagou R$ 1,4 milhão a Chico Galindo

Ministro do STF negou busca na Amaggi e gabinete de Silval

Juiz cita indícios de "parceria" de Eder e Júnior Mendonça

Silval paga fiança por arma de fogo e é liberado pela PF

Bosaipo e Alencar Soares também foram alvos de buscas

Detidos, PF leva Eder e Riva para Brasília; veja fostos e vídeo

Ministro do STF cita "caderno espiral" de Silval Barbosa

Silval e Mendes teriam recebido R$ 8 milhões para campanhas

Empréstimo de R$ 3,4 milhões e contrato motivaram busca

Suspeito, gerente do Bic Banco está preso em Cuiabá

Maggi teria avaliado R$ 4 milhões para vaga de Ricardo

Palácio do Planalto avalia que ação contra Silval é "retaliação"

PF prende Eder e Riva e realiza buscas na Assembleia

PF investiga suposta "compra" de vaga no Tribunal de Contas

Ministro ordenou prisão de deputado e ex-secretário em MT

Ministério Público Estadual também seria alvo de operação da PF

Promotor do Gaeco foi alvo da PF; MPE emite nota

Maggi é investigado pelo STF por suposta lavagem de dinheiro

Eder fala com promotor do Gaeco durante busca da PF

Investigado diz que Silval pediu R$ 7 milhões emprestado

Promotor acusa "movimento velado" de policiais para "atingir MP"

Pedido de revogação de prisão de Riva está no MPF

Escritório de advocacia teria sido usado para "lavagem"



Clique aqui e faça seu comentário


3 Comentário(s).

COMENTE
Nome:
E-Mail:
Dados opcionais:
Comentário:
Marque "Não sou um robô:"
ATENÇÃO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do MidiaNews. Comentários ofensivos, que violem a lei ou o direito de terceiros, serão vetados pelo moderador.

FECHAR

Gilberto  23.05.14 13h29
Gilberto, seu comentário foi vetado por conter expressões agressivas, ofensas e/ou denúncias sem provas
Thiago Souza  23.05.14 11h51
Só espero que tudo isso seja para colocar os culpados seja que for e de qual cargo no governo que seja ir pra CADEIA e não apenas para fazer barulho e ficar por isso mesmo. Quem tem culpa no cartório que fique preso se comprovado.
21
1
Roberto  22.05.14 23h56
Será que foi por isso que o VLT não saiu???
50
0

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

1999-2017 MidiaNews - Credibilidade em Tempo Real - Tel.: (65) 3027-5770 - Todos os direitos reservados