ENQUETES

Na sua opinião, os "Amarelinhos" da Prefeitura de Cuiabá:

PUBLICIDADE

Brasil / DESVIO DE CONDUTA
15.03.2017 | 19h30
Tamanho do texto A- A+

Violência no trabalho atinge quase 60% dos médicos em SP

O levantamento divulgado hoje (15), foi feito pelos Conselhos Regional de Enfermagem de São Paulo

DO TERRA NOTICIAS

Pesquisa com trabalhadores da saúde no Estado de São Paulo indica que 59,7% dos médicos e 54,7% dos profissionais de enfermagem sofreram, por mais de uma vez, situações de violência no trabalho. Foram entrevistadas 5.658 pessoas entre os meses de janeiro e fevereiro deste ano. O levantamento divulgado hoje (15), foi feito pelos Conselhos Regional de Enfermagem de São Paulo (Coren) e pelo  Regional de Medicina de São Paulo (Cremesp).

A maioria das pessoas agredidas (74,2%, dos médicos; e 64,9% dos profissionais de enfermagem) não apresentou denúncia. Entre os profissionais de enfermagem que registraram queixa, no entanto, 82,6% dos casos ficaram sem solução. Apenas 17,4% das ocorrências foi resolvida. A pesquisa revela que 87,8% dos médicos não recebe orientações no local de trabalho sobre violências sofridas no exercício da profissão.

 

 

Para os médicos, o descrédito de que o caso fosse levado adiante pelas autoridades foi o principal motivo (37,8%) para não levar adiante a denúncia. Para os trabalhadores ligados ao Coren, 30,5% responderam que o fato de não existir políticas de proteção às vítimas desencoraja o registro da denúncia. Dos que denunciaram, 83,1% o fizeram para a chefia imediata e 16,9% por meio de Boletim de Ocorrência.

 

 

Tipos de violência

A maior parte das ocorrências foram registradas no Sistema Único de Saúde (SUS). Entre os médicos, as unidades públicas somaram 59,1% dos casos, em seguida estão os convênios (28,4%). Na área de enfermagem, 57,7% dos casos ocorrem no SUS e 26,3% na rede particular. Neste item, o entrevistado poderia indicar mais de uma resposta.

 

O tipo de violência mais frequente é a verbal, cerca de 50%. A psicológica foi citada por 38% dos médicos e 36,6% dos profissionais de enfermagem. Em relação a quem praticou o ato violento, os familiares e acompanhantes aparecem em 42,5% dos casos ligados aos médicos e 33,3% entre os profissionais de enfermagem. O percentual de pacientes que agiram de forma violenta é 38,9% em relação ao Cremesp e 33,2% em relação do Coren. Entre os profissionais de enfermagem, o percentual de violência praticada pela chefia imediata alcançou 20,2% dos casos. Entre os médicos, a mesma categoria somou 11,7%.

 

Fonte     https://noticias.terra.com.br/brasil/violencia-no-trabalho-atinge-quase-60-dos-medicos-em-sao-paulo,1a38992ba399a5b4171ee438fb2a1e5fi6n4n2o6.html




Clique aqui e faça seu comentário


0 Comentário(s).

COMENTE
Nome:
E-Mail:
Dados opcionais:
Comentário:
Marque "Não sou um robô:"
ATENÇÃO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do MidiaNews. Comentários ofensivos, que violem a lei ou o direito de terceiros, serão vetados pelo moderador.

FECHAR

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

1999-2017 MidiaNews - Credibilidade em Tempo Real - Tel.: (65) 3027-5770 - Todos os direitos reservados