ENQUETES

A que você atribui a renovação da Assembleia e da Câmara neste ano em MT?

PUBLICIDADE

Agronegócios / CIÊNCIA & PESQUISA
25.09.2018 | 08h00
Tamanho do texto A- A+

Pesquisa estuda tolerância da canola ao calor

Reduções médias de 85% ocorreram na produção de sementes expostas a 32ºC

divulgação DO PORTAL DO AGRONEGÓCIO

Clique para ampliar

do PORTAL DO AGRONEGÓCIO

Uma pesquisa realizada pela Universidade da Austrália Ocidental (UWA) como parte dos projetos “Expandindo a Base de Germoplasma Brassica através da Colaboração com a China e a Índia” e o “Programa Nacional de Melhoramento de Germoplasma Brassica” identificou 14 linhas de canola com a capacidade de lidar com o calor e / ou estresse hídrico. O projeto teve o investimento da Corporação de Pesquisa e Desenvolvimento de Grãos (GRDC).

 

Além de identificar linhas de canola que podem ser usadas como linhagem parental em programas de melhoramento de canola, a pesquisa da UWA fez recomendações para os protocolos de melhoramento da planta. De acordo com pesquisador do Instituto de Agricultura da UWA, Sheng Chen, as altas temperaturas podem reduzir pela metade o potencial de produção de algumas variedades atualmente cultivadas.

 

As informações coletadas pela pesquisa indicaram que a seca e o estresse térmico estão impactando significativamente a indústria australiana de canola de US $ 1,7 bilhão. Segundo Chen, as linhas de canola que foram identificadas pelos pesquisadores da UWA incluem aquelas com boa tolerância à seca, tolerância moderada à seca e ao calor e aquelas com a capacidade de se recuperar bem da seca ou do calor.

 

"Eu espero que este germoplasma, que inclui material coletado na China e da Índia, seja muito útil para os criadores de canola australianos. O material exterior foi originado a partir do projeto, liderado pela Universidade de Melbourne, que colaborou com a China e a Índia, para expandir a base do germoplasma da canola e incorporar características desejáveis, incluindo também a resistência a doenças e quebrar a tolerância”, explicou.

 

A pesquisa também confirma que o estágio mais sensível ao calor para a canola é sete dias antes e sete dias depois que a planta produz sua primeira flor aberta. "Reduções médias de 85% ocorreram na produção de sementes híbridas F1 em plantas femininas quando submetidas a temperaturas máximas diárias de 32ºC por sete dias após a primeira flor em um ambiente controlado", disse Chen.

 

 

Fonte       https://www.portaldoagronegocio.com.br/noticia/pesquisa-estuda-tolerancia-da-canola-ao-calor-176204




Clique aqui e faça seu comentário


0 Comentário(s).

COMENTE
Nome:
E-Mail:
Dados opcionais:
Comentário:
Marque "Não sou um robô:"
ATENÇÃO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do MidiaNews. Comentários ofensivos, que violem a lei ou o direito de terceiros, serão vetados pelo moderador.

FECHAR

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia
1999-2018 MidiaNews - Credibilidade em Tempo Real - Tel.: (65) 3027-5770 - Todos os direitos reservados

Ver em: Celular - Web