ENQUETES

Você já decidiu em quais candidatos irá votar nestas eleições?

PUBLICIDADE

Agronegócios / AGROPRODUÇÃO/ALGODÃO
11.07.2018 | 20h30
Tamanho do texto A- A+

Algodão: Anea prevê exportação de 1,2 milhão de toneladas

Diferente anos anteriores, volume maior da pluma deverá ser escoado na parte final do calendário de exportação

Divulgação do Portal do Agronegócio

Clique para ampliar

do Portal do Agronegócio

O Brasil deve exportar 1,2 milhão de toneladas de algodão em pluma, considerando um calendário que vai de julho deste ano a junho de 2019. A estimativa é da Associação Nacional dos Exportadores de Algodão (Anea), que realizou, em conjunto com a Associação Nacional dos Exportadores de Cereais (Anec), o 8º Encontro de Previsão de Safra, em São Paulo (SP).

 

O projeção é superior à estimativa inicial da própria entidade, que previa embarque de 950 mil toneladas. Se confirmado, o volume representará um novo recorde, colocando o Brasil como segundo no ranking mundial de fornecedores do produto, atrás apenas dos Estados Unidos. A marca anterior do Brasil era de 2011, quando as vendas totalizaram 1,030 milhão de toneladas.

 

Entre julho de 2017 e junho deste ano, as exportações da pluma foram de 920 mil toneladas. O presidente da Anea, Henrique Snitcovski, pontuou que poderia ter sido um volume ainda maior, não fosse a greve dos caminhoneiros entre o final de maio e o início do mês passado. Mesmo considerando que a situação ocorreu no final do calendário de exportação do setor, quando os volumes embarcados já são bem menores.

 

“A safra tem um potencial enorme e a perspectiva é muito boa para o mercado de algodão no Brasil. Vamos ter que alongar mais o período de exportação e aumentar o volume no primeiro trimestre de 2019”, disse Snitcovski. Pelo menos 70% dos embarques anuais de algodão são feitos no semestre inicial do calendário do setor.

 

Nas estimativas da Anea, a colheita do ano passado foi de 1,6 milhão de toneladas de algodão em pluma. Volume que deve passar para 2,015 milhões de toneladas neste ano, o que, se confirmada, seria uma safra recorde.

Sócio diretor da Agroconsult, o analista André Pessôa avalia que a demanda global por algodão está em crescimento a taxas constantes entre 700 mil e um milhão de toneladas. Do ponto de vista do Brasil, exportar mais de um milhão de toneladas é uma “marca extraordinária”, mas traz desafios.

 

“É um desafio completamente diferente do ponto de vista de mercado e de logística, com consequências para os produtores. Um efeito é sobre o fluxo de caixa. Quem esperava receber em dezembro terá que alongar mais. Recebe mais dinheiro, mas vai demorar mais”, explicou.

Assim como em outras commodities agrícolas, a guerra comercial entre Estados Unidos e China deverá ter efeitos sobre o mercado de algodão. André Pessôa lembrou que os chineses estão elevando suas cotas de importação, o que sinaliza que os estoques internos não estão mais tão altos como antes e que ele devem demandar a pluma.

 

De outro lado, dos 3,5 milhões de toneladas que os americanos exportam, cerca de 500 mil vão para o país asiático. Desta forma, o Brasil poderá ocupar o espaço eventualmente deixado pelos Estados Unidos com as sanções chineses. Em compensação, o que eles deixariam de oferecer para o país asiático seria redirecionado para outros mercados.

Em relação aos preços internacionais da pluma, referenciados na Bolsa de Nova York, Pessôa destacou que, com a mudança de posicionamento da China em relação às cotas de exportação, os preços vinham em trajetória ascendente, descolando-se da faixa de US$ 0,65 a US$ 0,70 por libra-peso e ficando próximos de US$ 1.

 

“Depois vieram duas correções. Uma por causa de chuvas no Texas e a da guerra comercial. Mas US$ 0,80, US$ 0,85 por libra-peso ainda é confortável para a rentabilidade dos produtores”, disse o sócio diretor da Agroconsult.

O número da consultoria para a safra de algodão 2017/2018 é um pouco menor que o da Anea. Uma área plantada de 1,187 milhão de hectares deve render 1,956 milhão de toneladas da pluma. Os principais pontos positivos são a repetição da boa produtividade da safra passada em Mato Grosso, maior produtor nacional, e a expectativa de índices bem próximos da safra anterior na Bahia.

 

Para a safra 2018/2019, a projeção é de uma área de 1,4 milhão de hectares e uma colheita de 2,296 milhões de toneladas da pluma.

 

 

Fonte     http://www.portaldoagronegocio.com.br/noticia/algodao-anea-preve-exportacao-de-12-milhao-de-toneladas-173676




Clique aqui e faça seu comentário


0 Comentário(s).

COMENTE
Nome:
E-Mail:
Dados opcionais:
Comentário:
Marque "Não sou um robô:"
ATENÇÃO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do MidiaNews. Comentários ofensivos, que violem a lei ou o direito de terceiros, serão vetados pelo moderador.

FECHAR

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia
1999-2018 MidiaNews - Credibilidade em Tempo Real - Tel.: (65) 3027-5770 - Todos os direitos reservados

Ver em: Celular - Web