JOAO MARCELO PACHECO  06.12.17 09h23
“Ora, é inegável que, nessa condição, o Recorrido tem enorme poder de persuasão e de influência sobre os fiéis, chegando a ser considerado, pelos menos providos de intelecção, como enviado divino, circunstância que lhe favorece à prática de delitos sexuais, desumindo-se disso, a sua evidente periculosidade ao convívio social”, diz trecho do recurso.
3
0
macedo  06.12.17 09h13
Toda pessoa deve ter segunda chance,se nao somos capaz de perdoa entao nao somos digno do perdao!
8
17
bento Francisco  05.12.17 21h52
bento Francisco, seu comentário foi vetado por conter expressões agressivas, ofensas e/ou denúncias sem provas
MAURO SERGIO  05.12.17 21h28
COM CERTEZA ELE NAO MAIS PASTOR , E COMO RECONCILIOU TEM QUE FICAR UMS 3 ANOS DE BANCO NA IGREJA DEPOIS IR PRO GRANDE TEMPLO TRABALHAR UMS 2 ANOS DE SERVENTE NA CONSTRUÇAO E FAZER ANALISE PRA COMEÇAR A TER OPORTUNIDADE DE DAR UMA PALAVRA, IGREJA SERIA FAZ ISTO CASO CONTRARIO.
18
8